La Traviata (Verdi, 1853) sob a ótica da tradução poética

vertendo “Un dì felice, eterea” para o português e o inglês

Autores

  • Andréia Riconi Universidade Federal de Santa Catarina
  • Davi Gonçalves

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL21-v10n1a2016-20

Palavras-chave:

La Traviata, Tradução poética, Tradução comentada

Resumo

Este trabalho tem como objetivo refletir sobre o processo de tradução da ária “Un dì felice, eterea”, escrita por Francesco Maria Piave (1810-1876), presente na obra operística La Traviata (1853), composta por Giuseppe Verdi (1813-1901). Para chegar a este escopo, num primeiro momento, traçamos um breve panorama que contextualiza a ópera como gênero musical e textual, bem como tratamos de algumas nuances específicas inerentes a este tipo de produção, que tocam diretamente em nosso trabalho enquanto tradutores. Na segunda parte, trazemos nossas propostas de tradução desta ária para o inglês e português acompanhadas de comentários acerca da atividade tradutória, dos seus desafios e de nossa busca por soluções que levem em consideração o projeto de tradução ao qual nos propusemos e que foi neste trabalho descrito. Nosso intuito, portanto, é o de fazer uma reflexão, com base em teóricos que se debruçaram sobre questões que envolvem literatura e tradução poética e sobre o que, nesse percurso tradutório, optamos por privilegiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBATE, C.; PARKER, R. Uma história da ópera. Trad. Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2015

BANDEIRA, L. O Marxismo e a Questão Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

BARTHES, R. O Rumor da Língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Editora Brasiliense, 1998.

BENJAMIN, W. A Tarefa do Tradutor. 1923,

HUMBOLDT, W. Introdução a Agamêmnon. 1816,

SCHLEGEL, A. Sobre a Bhagavad-Gita. 1826,

SCHLEIERMACHER, F. Sobre os Diferentes Métodos de Tradução. 1813,

IN: Heidermann, W. (Org.) Clássicos da teoria da tradução: antologia bilíngue. Trad. Margarethe von Mühlen. Florianópolis: UFSC, Núcleo de tradução, 2001. v. I: alemão-português.

CALVINO, I. Se um Viajante numa Noite de Inverno. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CASOY, S. La Traviata e sua origens. In: Libreto de La Traviata pela Cia. Ópera, São Paulo, 2008.

DUMAS FILHO, A. A Dama das Camélias (1848). São Paulo: L&PM, 2004.

GOULDING, P. Classical Music: The 50 Greatest Composers and Their Greatest Works. USA: Ballantine Books, 1995.

JAKOBSON, R. Aspectos Linguísticos da Tradução. In: Linguística e Comunicação. Trad. Izidoro Blikstein; José Paulo Paes. São Paulo: Editora Cultrix, 2007.

LARANJEIRA, M. Poética da Tradução: Do Sentido à Significância. São Paulo: EDUSP, 2003.

PELLETIER, A. Fonctions Poétiques. Paris, Kincksieck, 1977.

SARAMAGO, J. As Intermitências da Morte. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SUHAMY, J. Guia da Ópera. Trad. Paulo Renato Neves Fonseca. Porto Alegre: L&PM, 1995.

TROTSKY, L. (1923) Literatura e Revolução. Trad. Luiz Alberto Moniz Bandeira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

VELOSO, C. Dom de Iludir. In: Totalmente Demais. São Paulo: Phillips Records, 1986.

Downloads

Publicado

30-03-2016

Como Citar

RICONI, A.; GONÇALVES, D. La Traviata (Verdi, 1853) sob a ótica da tradução poética: vertendo “Un dì felice, eterea” para o português e o inglês. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 407–433, 2016. DOI: 10.14393/DL21-v10n1a2016-20. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/33231. Acesso em: 18 maio. 2022.