O trabalho com a pontuação em Sala de Apoio

mediações colaborativas e pedagógicas

Autores

  • Cristiane Malinoski Pianaro Angelo Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO
  • Renilson José Menegassi Universidade Estadual de Maringá.

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL21-v10n1a2016-18

Palavras-chave:

Formação docente contínua, Sala de Apoio à Aprendizagem, Pontuação, Pesquisa colaborativa

Resumo

Este artigo aborda as mediações colaborativas e pedagógicas no âmbito de formação contínua do professor de uma Sala de Apoio à Aprendizagem de Língua Portuguesa – SAALP, 6º ano do Ensino Fundamental, na região Centro-Sul do Estado do Paraná, tomando-se especificamente a situação de trabalho de ensino da pontuação. Ao partir dos conceitos da teoria histórico-cultural e dos pressupostos da pesquisa colaborativa, buscou-se orientar e acompanhar a prática de um professor de SAALP na abordagem da pontuação em sala de aula. A coleta de dados deu-se posteriormente a intervenções teórico-metodológicas de modo colaborativas com o docente, propiciando-lhe aportes teóricos e discussões orientadas a respeito da pontuação e de seu ensino nas aulas de língua portuguesa. Os resultados apontam que, a partir das ações colaborativas, o professor: a) toma a pontuação como objeto de ensino em SAALP; b) passa a conduzir os alunos a constatar, concluir e pensar acerca da funcionalidade da pontuação no texto; c) reflete com os alunos acerca da importância da pontuação no texto; d) constrói possibilidades de trabalho com os sinais de pontuação, realizando ações que estavam além de suas proposições iniciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Malinoski Pianaro Angelo, Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO

Doutora em Letras. Docente do Departamento de Letras da Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO.

Renilson José Menegassi, Universidade Estadual de Maringá.

Doutor em Letras. Docente do Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá

Referências

ANGELO, C. M. P.; MENEGASSI, R. J. Perguntas de leitura na prática docente em sala de apoio. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 14:661-688, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982014005000015

______. O trabalho docente com a produção escrita do gênero textual resposta na Sala de Apoio à Aprendizagem de Língua Portuguesa. In: Simpósio Internacional de Gêneros Textuais, 7, Fortaleza, 2013. Anais... Fortaleza, Editora da UECE/UFC. p. 1-15, 2013ª

______. Perguntas de leitura na Sala de Apoio à Aprendizagem de Língua Portuguesa. 2013b. In: IV Congresso Nacional de Linguagens em Interação, 2013, Maringá. Anais...Maringá, UEM, p. 1-15.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução do russo por Paulo Bezerra. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1979].

BAQUERO, R. Vygotsky e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

BRASIL. Língua portuguesa: orientações para o professor, Saeb/Prova Brasil, 4ª série/5º ano, ensino fundamental. Brasília: INEP, 2009.

CASTRO, R. F. de; ALVES, C. V. P. Consciência em Vygotsky: aproximações teóricas. In: ANPED SUL – SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 9., Caxias do Sul, 2012. Anais... Caxias do Sul, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/view/744/375. Acesso em: 20 jun. 2014.

CORRÊA, M. L. Pontuação: sobre seu ensino e concepção. Leitura: teoria e prática. Revista semestral da Associação de Leitura do Brasil, ano 13, n. 24, dez. 1994.

COSTA-HÜBES, T. da C. Programa Observatório da Educação e projetos institucionais: incentivo à pesquisa na educação básica. In: COSTA-HÜBES, T. da C.; ROSA, D. C. da (Orgs.). A pesquisa na educação básica: um olhar para a leitura, a escrita e os gêneros discursivos na sala de aula. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015.p. 19-37.

DUARTE,N. Formação do indivíduo, consciência e alienação: o ser humano na psicologia de A. N. Leontiev. Caderno Cedes, Campinas, v. 24, n. 62, p. 44-63, abr. 2004. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 13 jun. 2014.

GALUCH, M. T. B.; SFORNI, M. S de F. Aprendizagem conceitual e apropriação da linguagem escrita: contribuições da teoria histórico-cultural. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 20, n. 42, p. 111-124, jan./abr. 2009. Disponível em:

www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1470/1470.pdf. Acesso em: 20 jun. 2014.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. de S.; ANDRÉ, M. E. D. A. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GEDOZ, S.; BUSSE, S. A pontuação e seus efeitos de sentido: elementos para a leitura. In: COSTA-HÜBES, T. da C. et al (Orgs.) Descritores da Prova Brasil (5º ano): estudos e proposições didáticas. São Carlos: Pedro & João Editores, 2014. 243-262.

HILA, C. V. D. Ferramentas curso de formação e sequência didática: contribuições para o processo de internalização no estágio de docência de língua portuguesa. 2001. 346 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) - Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Londrina, 2011.

IBIAPINA, I. M. L de M. (Org.). Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimentos. Brasília: Líder Livro Editora, 2008.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

JESUS, D. M.; ALMEIDA, M. L.; SOBRINHO, R. C. Pesquisa-ação-crítico-colaborativa: implicações para a formação continuada e a inclusão escolar. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 28., 2005, Caxambu/MG. Anais... Caxambu/MG, 2005. Disponível em http://28reuniao.anped.org.br/textos/minicursos/denise_meyrelles_jesus.doc. Acesso em 13 set. 2014.

LALANDE, A. Vocabulário técnico e crítico da filosofia. São Paulo: Martins Fontes,1999.

LEAL, T. F.; GUIMARÃES, G. L. Por que é tão difícil ensinar a pontuar? Revista Portuguesa de Educação. Portugal, v. 15, nº 01, p. 129-146, 2002.

LEONTIEV, A.N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LOUREIRO, M. I. O desenvolvimento da carreira dos professores. In: ESTRELA, M.T. (Org.). Viver e construir a profissão docente. Porto Alegre: Porto Editora, 1997. p. 117-159.

MAGALHÃES, M. C. C. O professor de línguas como pesquisador de sua ação: a pesquisa colaborativa. In: GIMENEZ, T. (Org.). Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: UEL, 2002. p. 39-58.

______ (Org.). A formação do professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

______. A Pesquisa Colaborativa em Linguística Aplicada. In: FIDALGO, S. S; SHIMOURA, A. S. (Orgs.). Pesquisa Crítica de Colaboração: um percurso na formação docente. São Paulo: Ductor, 2007. p. 148-157.

MENEGASSI, R. J. O leitor e o processo de leitura. In: GRECO, E. A.; GUIMARÃES, T. B. (Orgs.) Leitura: aspectos teóricos e práticos. Maringá: Eduem, 2010a.p. 35-59.

OLIVEIRA, M. K. de. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. 4.ed. São Paulo: Scipione, 2006.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Resolução nº 208 de 02 de março de 2004. Sala de apoio à aprendizagem.

PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 521-539, set./dez. 2005. http://dx.doi.org/10.1590/s1517-97022005000300013

SILVA, C. S.; BRANDÃO, Ana C. P. Reflexões sobre o ensino e a aprendizagem de pontuação. In: MORAIS, A. G. (Org.) O aprendizado da ortografia. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SMOLKA, A. L. B. 1992. Internalização: Seu significado na dinâmica dialógica. Educação & Sociedade, 13, (42):330-334.

______. O (im)próprio e o (im)pertinente na apropriação das práticas sociais. Caderno CEDES, Campinas, v. 20, n. 50, p. 26-40, 2000. http://dx.doi.org/10.1590/s0101-32622000000100003

SILVEIRA, A. P. K. da. Formação continuada em língua portuguesa: crenças, expectativas e saberes.In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 9.; ENCONTRO SUL BRASILEIRO DE PSICOPEDAGOGIA, 3., Curitiba, 2009. Anais...Curitiba: PUCPR, 2009. Disponível em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/3474_1945.pdf. Acesso em: 19 abr. 2014.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Organizadores Michael Cole.. [et al.]. Tradução José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

______. Pensamento e Linguagem. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

______.Obras Escogidas III.Madrid, Espanha: Visor, 2000.

Downloads

Publicado

30-03-2016

Como Citar

ANGELO, C. M. P.; MENEGASSI, R. J. O trabalho com a pontuação em Sala de Apoio: mediações colaborativas e pedagógicas. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 349–379, 2016. DOI: 10.14393/DL21-v10n1a2016-18. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/32384. Acesso em: 11 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)