Estágio Supervisionado como componente curricular catalisador de saberes na formação inicial do professor

Autores

  • Wagner Rodrigues Silva Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Palmas
  • Bruno Gomes Pereira Universidade Federal do Tocantins - UFTCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL21-v10n1a2016-8

Palavras-chave:

Ensino de Língua, História das disciplinas escolares, Políticas Curriculares

Resumo

Caracterizamos as disciplinas de estágio supervisionado obrigatório das licenciaturas como componentes curriculares catalisadores de saberes necessários à formação inicial do professor. Desenvolvemos uma análise crítica e comparativa entre as ementas das disciplinas de estágio supervisionado e demais disciplinas da matriz curricular de uma Licenciatura em Língua Portuguesa. Esta pesquisa está situada no campo indisciplinar da Linguística Aplicada, sendo a investigação do tipo documental e desenvolvida a partir de uma abordagem qualitativa. As análises revelaram que as disciplinas de estágio se diferenciam dos demais componentes curriculares por proporcionarem alguma articulação entre teorias acadêmicas e demandas da prática pedagógica no local de trabalho do professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner Rodrigues Silva, Universidade Federal do Tocantins, Campus Universitário de Palmas

Doutorado (2006) em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP e pós-doutorado em Linguística Aplicada pela The Hong Kong Polytechnic University - PolyU (2014). Professor Associado da Universidade Federal do Tocantins - UFT.

Bruno Gomes Pereira, Universidade Federal do Tocantins - UFTCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

Mestre em Ensino de Língua e Literatura (Estudos Linguísticos) pela Universidade Federal do Tocantins (UFT). Doutorando em Ensino de Língua e Literatura (Estudos Linguísticos) também pela UFT e bolsista CAPES.

Referências

ARROYO, M. G. Currículo: Território em disputa. 5ª ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2013. 374 f.

BAUMAN, Z. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2004. 87f.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Língua portuguesa: Ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação. 2000. 244f.

_____. Parâmetros Curriculares Nacionais. Língua Portuguesa: Ensino Fundamental II. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental (SEEF)/MEC, 1998. 144f.

BUNZEN, C. A fabricação da disciplina escolar Português. Revista Diálogo Educ., Curitiba, n. 34, v. 11, p. 885-911, set./dez. 2011.

CALDERANO, M. da. A. Docência Compartilhada entre Universidade e Escola: Formação no estágio curricular. Textos FCC. São Paulo: Fundação SEP/Carlos Chagas, 2014. 101f.

CATANI, A. M.; OLIVEIRA, J. F. de; DOURADO, L. F. Política Educacional, Mudanças no Mundo do Trabalho e Reforma Curricular dos Cursos de Graduação no Brasil. Revista Educação e Sociedade, Campinas, nº 75, ano XXII, p. 67- 83, Agosto/2001.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A Prática como Componente Curricular na Formação de Professores. Revista Educação, Santa Maria, n. 2, v. 36, p. 203-218, maio/ago. 2011.

GOMES-SANTOS, S. N. Praxeologia do currículo e formação docente: o caso do Curso de Licenciatura em Letras da UFPA. In: SIGNORINI, I.; FIAD, R. S. Ensino de língua: das reformas, das inquietações e dos desafios. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2012. p. 171-190.

GONÇALVES, A. V.; FERRAZ, M. R. R. Teoria Acadêmica e Prática Profissional na Licenciatura em Letras. In: SILVA, W. R. Letramento do Professor em Formação Inicial: Interdisciplinaridade no Estágio Supervisionado da Licenciatura. Campinas/SP: Pontes Editores, 2012. p. 109-138.

KLEIMAN, A. B. Letramento e suas Implicações para o Ensino de Língua Materna. Revista Signo, Santa Cruz do Sul, n. 53, v. 32, p. 1-25, 2007.

LÜDKE, M. O Professor, seu Saber e sua Pesquisa. Revista Educação e Sociedade, Campinas, n. 74, Ano XXII, p. 77-96, Abril/2001.

MELO, L. C. Representação de alunos-mestre em Relatórios de Estágio Supervisionado em Ensino de Língua Inglesa. 2011. 149f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Língua e Literatura). Mestrado em Letras, Universidade Federal do Tocantins, Araguaína, 2011.

MOITA LOPES, L. P. da. Da Aplicação da Linguística à Linguística Aplicada. In: PEREIRA, R. C.; ROCA, P. Linguística Aplicada: Um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Editora Contexto, 2013. p. 11-24.

MOITA LOPES, L. P. da. Linguística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In.: MOITA LOPES, L. P. da. Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 85-106.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 4ª ed. Editora Sulina, 2011. 120f.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: Repensar a reforma, reformar o pensamento. 8ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. 128f.

MORIN, E.; CIURANA, E. R.; MOTTA, R. D. Educar na Era Planetária: O pensamento complexo como Método de aprendizagem no erro e na incerteza humana. São Paulo: Editora Cortez, 2003. 111f.

PEREIRA, I. C. A. Perspectivas Resilientes: Currículo e linguagem mediada pelas tecnologias digitais. In: SANTANA, J. et al. Resiliências Educativas. Goiânia/UEG: Editora América, 2013. p. 99-116.

PESSANHA, E. C.; DANIEL, M. E. B.; MENEGAZZO, M. A. Da história das disciplinas escolares à história da cultura escolar: uma trajetória de pesquisa. Revista Brasileira de Educação, p. 57-69, Set /Out /Nov /Dez 2004.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no Ensino Superior. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 2010. 280f.

ROCHA, D. R; PINTO, I. M.; PINHO, M. J. Inovações Curriculares na Educação Brasileira: Avanços, retrocessos, ou nada disso! In.: SUANNO, M. V. R.; DITTRICH, M. G.; MAURA, M. A. Resiliência, Criatividade e Inovação: Potencialidades transdisciplinares na Educação. Goiânia/UEG: Editora América, 2013. p: 209-232.

ROCHA, D. Reflexões sobre uma prática pedagógica: desafios e possibilidades do ensino/aprendizagem de linguística. In: AZEREDO, J. C. de. Língua Portuguesa em debate. Petrópolis: Editora Vozes, 2000, p. 256-264.

ROCHA, J. D. T. O que quer um currículo? Perspectivas e desafios de “O que se quer” dos novos cursos interdisciplinares do Reuni da UFT. In: SANTOS, J. S. dos; ZAMBONI, E. (orgs). Potencialidades Investigativas da Educação. Goiânia: Editora da PUC de Goiás, 2010. p. 175-198.

SACRISTÁN, J. G. O Currículo: Uma reflexão sobre a prática. 3ª Edição. Porto Alegre: Artmed, 2000. 352f.

SANTOS, B. S. Para Além do Pensamento Abissal: Das linhas globais a uma ecologia dos saberes. Novos Estudos CEBRAP, nº 79, p. 71-94, novembro 2007.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010. 92 f.

SILVA, T. T. da. O Currículo como Fetiche: A poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. 117f.

SILVA, W. R. Reflexão pela Escrita no Estágio Supervisionado da Licenciatura: Pesquisa em Linguística Aplicada. Campinas: Pontes Editores, 2014. 136 f.

SILVA, W. R. Estudos do letramento do professor em formação inicial nos estágios supervisionados das licenciaturas. In: SILVA, W. R. Letramento do Professor em Formação Inicial: Interdisciplinaridade no Estágio Supervisionado da Licenciatura. Campinas/São Paulo: Pontes Editores, 2012. p. 27-52.

SILVA, W. R. Estudo da gramática no texto: demandas para o ensino e a formação do professor de língua materna. Maringá: EDUEM, 2011. 112f.

SILVA, W. R.; BARBOSA, S. M. A. D. Desafios do Estágio Supervisionado numa licenciatura dupla: flagrando demandas e conflitos. In: GONÇALVES, A. V. et al. Estágio Supervisionado e Práticas Educativas: Diálogos interdisciplinares. Dourados: Editora UEMS, 2011. p. 181-206.

SIMÕES, D. A formação docente em letras à luz dos parâmetros curriculares nacionais: códigos e linguagens. In: AZEREDO, J. C. de. Língua Portuguesa em debate: conhecimento e ensino. Petrópolis: Editora Vozes, 2000. p. 112-117.

SOARES, M. Linguagem e Escola: Uma perspectiva social. São Paulo/SP: Editora Ática, 1993. 95 f.

TARDIF, M. Saberes Profissionais dos Professores e Conhecimentos Universitários. Revista Brasileira de Educação, n. 13, s/v, p. 5-24, Jan/Fev/Mar/Abr 2000.

VALSECHI, M. C.; KLEIMAN, A. B. O estágio supervisionado e a voz social do estagiário. Raído. Dourados: UFGD, n. 15, v. 8, p. 13-32, 2014.

VASCONCELOS, M. M. M.; OLIVEIRA, C. C. de. Docência na Universidade: compromisso profissional e qualidade de ensino na graduação. Revista Educação, Santa Maria: UFSM, n. 2, v. 36, p. 219-234, maio/ago. 2011.

VENTURINI, I. V. G.; GATTI JÚNIOR, D. A Construção Histórica da Disciplina Escolar Língua Portuguesa no Brasil. Cadernos de História da Educação, n. 3, v. 1, p. 65-76, jan./dez. 2004.

ZEICHNER, K. M. Uma Análise Crítica sobre a Reflexão como Conceito Estruturante na Formação Docente. Revista Educação e Sociologia, n. 103, v. 29, p. 535-554, maio/ago. 2008.

Downloads

Publicado

30-03-2016

Como Citar

SILVA, W. R.; PEREIRA, B. G. Estágio Supervisionado como componente curricular catalisador de saberes na formação inicial do professor. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 146–165, 2016. DOI: 10.14393/DL21-v10n1a2016-8. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/32164. Acesso em: 18 ago. 2022.