Operações de reescrita realizadas por alunos de 8ª série no Gênero Artigo de Opinião

Autores

  • Denize Terezinha Teis UNIVERSIDADE TECNOL
  • Fabiane Moser Secretaria de Estado de Educação do Paraná.
  • Mirtes Aparecida Teis Secretaria de Educação do Estado do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL21-v10n1a2016-9

Palavras-chave:

Artigo de opinião, Escrita, Reescrita, Ensino, Ensino Fundamental

Resumo

As marcas de reelaboração textual demonstram que escrever é trabalho e manifestam a relação do autor com a linguagem e com a língua no processo de construção do conhecimento. Tais marcas indicam operações epilinguísticas e metalinguísticas do sujeito revelando certa consciência, ainda que fugaz, de suas escolhas. Desse modo, nosso objetivo, neste trabalho é mostrar as principais operações linguísticas realizadas na reescrita de textos produzidos por uma turma de 22 alunos de 8ª série (atual 9º ano) do Ensino Fundamental, como resultado da aplicação de uma sequência didática do gênero artigo de opinião que previa a produção de um texto desse gênero a partir da temática “A televisão na vida das pessoas”. O trabalho pauta-se, teoricamente, no encaminhamento didático da sequência didática (SD), proposto por Dolz, Noverraz  e  Schneuwly  (2004), nas concepções de escrita, abordadas por Fiad & Mayrink-Sabinson (1991), Antunes (2003) e Costa-Hubes (2009) e nas operações de reescrita postuladas por Fiad (1991), Menegassi (2001) e Grande (2006) . Os resultados mostram que as principais operações linguísticas mobilizadas, pelos alunos, na reescrita textual são apagamento, substituição, paráfrase, acréscimo e deslocamento e que a prática da reescrita textual oferece ao locutor-autor a oportunidade de refletir sobre a língua e a forma de sistematizá-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denize Terezinha Teis, UNIVERSIDADE TECNOL

Professora de Prática de Ensino de Língua Portuguesa no curso de Letras

Fabiane Moser, Secretaria de Estado de Educação do Paraná.

Docente de Língua Portuguesa na Educação Básica

Mirtes Aparecida Teis, Secretaria de Educação do Estado do Paraná

Professora Pedagoga.

Referências

ABAURRE, M. B. M. Dados da escrita inicial: indícios de construção da hierarquia de constituintes silábicos? In: HERNANDORENA, C. L. (Org.). Aquisição de língua materna e de língua estrangeira: aspectos fonético-fonológicos. Pelotas: Educat/ Alab, 2001.

ANTUNES, I. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola Editorial, 2003a.

_______. Aula de português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003b.

CAGLIARI, L.C. Alfabetização e Linguística. São Paulo: Scipione, 1999.

COSTA-HÜBES, T. C.; BAÜMGARTNER, C. Sequência didática: uma proposta para o ensino da língua portuguesa no ensino fundamental- anos iniciais, caderno 01. Cascavel: AMOP, 2007a.

_______. Sequência didática: uma proposta para o ensino da língua portuguesa no ensino fundamental- anos iniciais, caderno 02. Cascavel: AMOP, 2007b.

_______. Sequência didática: uma proposta para o ensino da língua portuguesa no ensino fundamental- anos iniciais, caderno 03. Cascavel: AMOP, 2009a.

_______. Reflexões linguísticas sobre metodologia e prática de ensino de língua portuguesa. Revista Confluências, Instituto de Língua Portuguesa do Liceu Literário Português, Nº 35/36, p. 129-146, Rio de Janeiro, 1º sem./2009b.

CUNHA, D. A. C. O funcionamento dialógico em notícias e artigos de opinião. In: DIONÍSIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Orgs.). Gêneros Textuais e Ensino. 4.ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

DIEB, M. A leitura na sala de aula. In. COSCARELLI, C. V. (Org.). Leituras sobre a leitura: passos e espaços na sala de aula. Belo Horizonte: Veredas, 2013, p. 36-59.

DOLZ, J.; NOVERRZ, M.; SCHNEUWLY, B.. Seqüências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2004, p. 95-128.

DOLZ, J.; GAGNON, R.; DECÂNDIO, F. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

FERNANDES, E. M. F. A produção escrita e a reescrita: indícios significativos no processo de produção de textos. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Goiás. Faculdade de Letras. Goiânia, 2007.

FIAD, R. S. Operações linguísticas presentes nas reescritas de textos. Revista Internacional de Língua Portuguesa, p. 4, p. 91-97, jan. 1991.

FIAD, R. S.; MAYRINK-SABINSON, M. L. T. A escrita como trabalho. In: MARTINS, M.H. (org.) Questões de linguagem. São Paulo: Contexto, 1991, p. 54-63.

GRANDE, É. M. T. Processos de revisão e reescritura em textos narrativos de alunos de quinta série do ensino fundamental. Tese de doutorado. UNESP – Araraquara. Faculdade de Ciências e Letras, 2006.

KATO, M. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolingüística. São Paulo: Ática, 1986.

MENEGASSI, R. J. Da revisão a reescrita: operações linguísticas sugeridas e atendidas na construção do texto. Mimesis, Bauru, v. 22, n. 1, p. 49-68, 2001.

SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. Os gêneros escolares: Das práticas de linguagem aos objetos de ensino. Revista Brasileira de Educação, ANPED, n. 11, p. 5-16, mai/jun/jul/ago 1999.

VAL, M. G. C. Redação e Textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

30-03-2016

Como Citar

TEIS, D. T.; MOSER, F.; TEIS, M. A. Operações de reescrita realizadas por alunos de 8ª série no Gênero Artigo de Opinião. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 166–182, 2016. DOI: 10.14393/DL21-v10n1a2016-9. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/31719. Acesso em: 11 ago. 2022.