Prática Colaborativa

concepções e reflexões a partir de uma perspectiva sociocultural

Autores

  • Patrícia Fabiana Bedran Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho - IBILCE - São José do Rio Preto
  • Selma Maria Abdalla Dias Barbosa Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL21-v10n1a2016-5

Palavras-chave:

Perspectiva Sociocultural, Colaboração, Formação de professor, Concepções

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo tecer considerações a respeito da aprendizagem colaborativa no que se refere às concepções sobre essa prática, apresentadas por professores-aprendizes em um curso de formação inicial de professor de língua, bem como suas implicações na e para a formação desses profissionais. O estudo, realizado com três participantes focais,que participaram de uma atividade de escrita colaborativa em ambiente virtual, está fundamentado na perspectiva sociocultural (VIGOTSKI, 1999; 1987, 2010; PONTECORVO; AJELLO; ZUCCHERMAGLIO, 2005; JOHNSON, 2009) e nos conceitos de aprendizagem colaborativa (FIGUEIREDO, 2006; KOHONEN, 1992 e JOHN-STEINER et al, 1998). Os dados, analisados qualitativamente (ANDRE, 2002 e 2005), a partir da triangulação das perspectivas dos participantes, evidenciam a necessidade de se criar condições para que haja conscientização e reflexão a partir de experiências reais e significativas sobre aprendizagem colaborativa, de modo que o professor-aprendiz seja capaz de vivenciar o desenvolvimento de uma prática (co)construtiva de aprendizagem, bem como de refletir sobre suas próprias concepções e experiência vivenciada, pois isso pode contribuir, de maneira mais significativa, para a formação do professor e prepará-lo, a partir de uma postura crítica e reflexiva, com relação ao desenvolvimento de práticas colaborativas em diversos outros contextos nos quais irá futuramente atuar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Fabiana Bedran, Universidade Estadual Paulista - Júlio de Mesquita Filho - IBILCE - São José do Rio Preto

Patricia Fabiana Bedran é doutora em Estudos Linguísticos, área de concentração Linguística Aplicada - Ensino e Aprendizagem de Línguas, pela Universidade Estadual Paulista.

Selma Maria Abdalla Dias Barbosa, Universidade Federal do Tocantins

Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho-Unesp (2014), professora Adjunta da Universidade Federal do Tocantins e docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Língua e Literatura-UFT e Profletras.

Referências

AJELLO, A. M. A perspectiva pedagógica no estudo dos processos sociais na escola. In: PONTECORVO, C.; AJELLO, A. M.; ZUCCHERMAGLIO, C. Discutindo se aprende: interação social, conhecimento e escola. Tradução de Cláudia Bressan e Susana Termignoni. Porto Alegre: Artmed, 2005.

ANDRÉ, M. E. D. A. Diferentes tipos de pesquisa qualitativa. In: Etnografia da Prática Escolar. 4.ed. Campinas: Papires, 2000.

______.Estudo de Caso em Pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Liber Livro, 2005.

BARCELOS, A. M. F. Metodologia de Pesquisa das Crenças sobre Aprendizagem de Línguas: Estudo da Arte. Rev. Brasil. de Linguística Aplicada, v.1, n.1, p.71-92, 2001.

______. Teachers’ and students’ Beliefs within a Deweyan Framework: Conflict and Influence. In: KAJALA, P; BARCELOS, A. M.F. (Eds.) Beliefs about SLA: New Research Approaches. Dodretch: Kluwer, 2003. http://dx.doi.org/10.1007/978-1-4020-4751-0_8

______.Crenças sobre aprendizagem de línguas, linguística aplicada e ensino de línguas. In: Linguagem & Ensino, v.7, n.1, p.123-156, 2004.

______.; BATISTA, F. S.; ANDRADE, J. C. Ser professor de inglês: Crenças, Expectativas e Dificuldades dos alunos de Letras. In: VIEIRA ABRAHÃO, M. H. (Org.). Prática de ensino de língua estrangeira: Experiências e Reflexões: Campinas, Pontes Editores, 2004.

______.; Cognição de professores e alunos: Tendências recentes na pesquisa de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. In: BARCELOS, A. M. F; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Crenças e Ensino de Línguas: Foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006.

______; ABRAHÃO, M. H. Crenças e Ensino de Línguas: Foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006.

BARBOSA, A. E. T. Ambientes de aprendizagem de curso on-line e desenvolvimento de pensamento crítico. In: Estudos Linguísticos XXXV, v.1, s.n, p.392-401, 2006.

BEDRAN, P. F.; SALOMÃO, A. C. B. Interação de crenças em contexto colaborativo virtual de aprendizagem de língua. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v.13, n.3, p.789-814, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982013005000018

BEDRAN, P. F. A escrita colaborativa em um contexto de formação de professores de língua. Raído, v. 9, n. 18, p. 59-84, 2015. Disponível em: http://www.periodicos.ufgd.edu.br/index.php/Raido/article/viewFile/3944/2204. Acesso em: set 2015.

BORG, S. Teacher cognition in language teaching: A review of research on what language teachers think, know, believe, and do. Language Teaching, v.36, p.81-109, 2003. http://dx.doi.org/10.1017/S0261444803001903

BRUNS, A. Towards Produsage: Futures for User-Led Content Production. In: SUDWEEKS, F.; HRACHOVEC, H.; ESS, C. (Eds.). Proceedings Cultural Attitudes towards Communication and Technology. Tartu, Estonia. 2006. p. 275-284. Disponível em: http://eprints.qut.edu.au/4863/1/4863_1.pdf. Acesso em: nov de 2014.

CLARK, C. et al. Collaboration as Dialogue: Teachers and Researchers Engaged in Conversation and Professional Development. American Educational Research Journal, v. 3, n. 1, p. 193-231, 1996. http://dx.doi.org/10.3102/00028312033001193

COELHO, H. S. H. “É possível aprender inglês na escola?”: Crenças de professores sobre o ensino de inglês em escolas públicas. In: BARCELOS, A. M. F; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Crenças e Ensino de Línguas: Foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006.

DAMIANI, M. F. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, n.31, p.213-230, 2008.

DEWEY, J. How We Think. Lexington: D.C. Health and Company, 1933.

______.Experience and Education. New York: Collier Books, 1938.

DUFFY, P.; BRUNS, A. The Use of Blogs, Wikis and RSS in Education: A Conversation of Possibilities. In: Proceedings Online Learning and Teaching Conference. 2006, p.31-38. Disponível em: < http://eprints.qut.edu.au.>. Acesso em: nov 2014.

ENGESTRÖM, Y. Teachers as Collaborative Thinkers: Activity-Theoretical Study of an Innovative Teacher Team. In: CARLGREN, I. et al. (Ed.). Teachers’Minds and Actions: Research on Teachers’ Thinking and Practice. Falmer, 1994.

______.Collaborative Intentionality Capital: Object Oriented Interagency in Multiorganizational Fields. Arquivo disponível em pdf, p.1-33. s.d. Disponível em: http://www.edu.helsinki.fi/activity/people/engestro/. Acesso em: jul de 2015.

ERICKSON, F. Qualitative Methods in Research on Teaching. In: M. C. Wittrock (Ed.). Handbook of Research in Education. New York: Macillan, 1986.

FIGUEIREDO, F. J. Q. A aprendizagem colaborativa de línguas: algumas considerações conceituais e terminológicas. In: _____. A aprendizagem colaborativa de línguas. Goiânia: Ed. da UFG, 2006.

FRIEDRICH, J. Lev Vigotsky: mediação, aprendizagem e desenvolvimento: uma leitura filosófica e epistemológica. Tradução de Anna Rachel Machado e Eliane Gouvêa Lousada. São Paulo: Mercado de Letras, 2012.

GIBSON, S.; McKAY, R. How Research On the Use of Computer Technologies can inform the work of Social Studies Educators. Disponível em: http://www.quasar.ualberta.ca/css/Css_35_2/research_computer_technologies.htm. Acesso em ago 2010.

JOHNSON, K. E. Second Language Teacher Education: a sociocultural perspective. New York: Routledge, 2009a.

______. Trends in Second Language Teacher Education. In: BURNS, A.; RICHARDS, J. C. (Org.). The Cambridge Guide to Second Language Teacher Education. Cambridge. Cambridge: University Press, 2009b.

JOHN-STEINER, V. et al. The Challenge of Studyng Collaboration. American Educational Research Journal. n.4, v.35, p.773-738, 1998. http://dx.doi.org/10.3102/00028312035004773

KOHONEN, V. Experiential language learning: second language learning as cooperative learner education. In: NUNAN, D. (Ed.). Collaborative language learning and teaching. Glasgow: CUP, 1992.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky – Aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. 4 ed. São Paulo: Scipione, 2005.

MATEUS, E. Práticas de formação colaborativa de professores/as de inglês: representações de uma experiência no PIBID. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 13, p.1107-1130, 2013. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982013005000027

MINHOTO, P.; MEIRINHO, M. As redes sociais na promoção da aprendizagem colaborativa: um estudo no ensino secundário. Educação, Formação e Tecnologia, v.4, n.2, p.25-39, 2011.

MITCHELL, R; MYLES, F. Sociocultural Perspectives on Second Language Learning. In: Second Learning Theories. London: Arnold, 1998.

MONTIEL-OVERALL, P. Toward a Theory of Collaboration for Teachers and Librarians. School Library Research, v. 8, p.1-32, 2005. Disponível em:

http://www.ala.org/aasl/sites/ala.org.aasl/files/content/aaslpubsandjournals/slr/vol8/SLMR_TheoryofCollaboration_V8.pdf. Acesso em: juljo de 2015.

PAJARES, F. Teachers’Beliefs and Educational Research: Cleaning Up a Messy Construct. Review of Education Research, v. 6, n.3, 307-332, 1992. http://dx.doi.org/10.3102/00346543062003307

______. Self Efficacy Beliefs in Academic Setting. Review of Education Research, v. 66, n.4, p.543-578, 1996. http://dx.doi.org/10.3102/00346543066004543

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Org.). Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

PONTECORVO, C. A contribuição da perspectiva vygotskiana à psicologia da educação. In: PONTECORVO, C.; AJELLO, A. M.; ZUCCHERMAGLIO, C. Discutindo se aprende: interação social, conhecimento e escola. Tradução de Cláudia Bressan e Susana Termignoni. Porto Alegre: Artmed, 2005.

______.; AJELLO, A. M.; ZUCCHERMAGLIO, C. Discutindo se aprende: interação social, conhecimento e escola. Trad. Cláudia Bressan e Susana Termignoni. Porto Alegre: Artmed, 2005.

RICHARDSON, V. The role of attitudes and beliefs in learning to teach. In: SIKULA, J. (Org.). Handbook of Research on Teacher Education. 2.ed. New York: Macmillan, 1996.

ROJO, R. Letramentos Múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

______. Esc@laConectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

SILVA, K. A. O futuro professor de língua inglesa no espelho: Crenças e aglomerados de crenças na formação inicial. In: BARCELOS, A. M. F; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. (Orgs). Crenças e Ensino de Línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006.

VIGOTSKI, L. V. Pensamento e Linguagem. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

______. Pensamento e Linguagem. Tradução de Jefferoson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

_____. A formação social da mente. Tradução de José Cippola Neto et al. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

___. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010

VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Sessões Colaborativas na formação inicial e em serviço de professores de inglês. Horizontes em Linguística Aplicada, ano 13, n.1, p.15-39, 2014.

VOOGT, J. et al. Collaborative design as a form of professional development. Instructional Science, v.43, p.259-283, 2015. Disponível em: http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11251-014-9340-7. Acesso em: julho de 2015.

WENGER, E. Communities of Practice: Learning, Meaning, and Identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511803932

WILLIAMS, M.; BURDEN, R. L. Psychology for Language Teacher: A Social Constructivist Approach. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

WOODS, D. The Social Construction of Beliefs in the Language Classroom. In: KAJALA, P.; BARCELOS, A. M. F. (Eds.). Beliefs about SLA: New Research Approaches. Dodretch: Klvwer, 2003. http://dx.doi.org/10.1007/978-1-4020-4751-0_9

ZEICHNER, K. M.; LISTON, D. P. Understanding Reflective Teaching. In: Reflective Teaching: An Introduction. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 1996.

______. Educating Reflective Teacher for Learner Centered-Education Possibilites and Contradictions. In: GIMENEZ, T. (Org.). Ensinando e Aprendendo Inglês na Universidade: Formação de Professor em Tempos de Mudança. Londrina: ABRAPUI, 2003.

______.Uma análise crítica sobre a “reflexão” como conceito estruturante na formação docente. Educ. Soc. Campinas, v.29, n.103, p.535-554, maio/ag, 2008. Disponível em: <<http://www.cedes.unicamp.br>>. Acesso: novembro de 2010.

Downloads

Publicado

30-03-2016

Como Citar

BEDRAN, P. F.; BARBOSA, S. M. A. D. Prática Colaborativa: concepções e reflexões a partir de uma perspectiva sociocultural. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 89–120, 2016. DOI: 10.14393/DL21-v10n1a2016-5. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/31579. Acesso em: 29 maio. 2022.