Paráfrases em conversações digitais: marcas da oralidade em interações formais mediadas por computador

Autores

  • Letícia Jovelina Storto UENP/ UEL
  • Paulo de Tarso Galembeck Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Palavras-chave:

Conversação Digital. Processos de (Re)Construção. Paráfrase. Comunicadores instantâneos.

Resumo

Os estudos de língua falada são interessantes àqueles que buscam verificar a língua em uso. Assim, este trabalho objetiva apresentar um recurso muito corrente na fala: a paráfrase, a qual é um elemento do processo de reativação do texto falado. A paráfrase é a retomada do já dito com uma mudança enunciativa, na qual um enunciado anterior é recuperado em um posterior com algumas distinções, sejam elas semânticas ou distribucionais. Fundamentado na Análise da Conversação, este trabalho verifica a ocorrência de paráfrase em conversações digitais. A análise mostrou que, em comunicações virtuais, as paráfrases têm as funções de: determinar, indicar ou esclarecer algo; acrescentar ou retificar uma ou mais informações; modificar o texto anterior, esclarecendo-o. Além disso, observa que tipo de paráfrase característica desse contexto é a autoparáfrase adjacente, autoiniciada, expansiva, com função concretizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo de Tarso Galembeck, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Professor Adjunto da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e Doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP).

Downloads

Publicado

20-12-2013

Como Citar

STORTO, L. J.; GALEMBECK, P. de T. Paráfrases em conversações digitais: marcas da oralidade em interações formais mediadas por computador. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 187–199, 2013. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/23504. Acesso em: 9 ago. 2022.