A primeira encenação da peça "Ponto de Partida"

Autores

  • Marco Antonio Pedra da Silva Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

DOI:

https://doi.org/10.14393/AM-v18n2-2021-62423

Palavras-chave:

Teatro brasileiro, Ditadura militar, Gianfrancesco Guarnieri, Fernando Peixoto, Vladimir Herzog

Resumo

O objetivo deste artigo é trazer à luz informações sobre a primeira encenação da peça Ponto de Partida (1976), escrita por Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006) e dirigida por Fernando Peixoto (1937-2012). Este estudo apresenta informações sobre o processo de criação da montagem, seu contexto histórico (principalmente no que tange à atitude dos militares e da censura frente ao espetáculo) e a recepção da crítica e do público diante da encenação. Para tanto, analisei diversos materiais primários sobre a montagem, como: fotos do espetáculo, depoimentos dos artistas que produziram a encenação, gravações de áudio da peça e dez críticas publicadas entre os anos 1976 e 1977. Além disso, busquei outras informações sobre a peça ao entrevistar o ator Antonio Petrin e ao conversar informalmente com Othon Bastos e Ana Braga, todos eles estavam no elenco da montagem. Este artigo faz parte da pesquisa de iniciação científica A encenação de Ponto de Partida em 1976: um estudo dos elementos épicos brechtianos, processo 2020/08383-0, financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e orientada pela Profa. Dra. Larissa de Oliveira Neves Catalão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Antonio Pedra da Silva, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Aluno da graduação em Artes Cênicas pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Bolsista no Programa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), processo 2020/08383-0. (Texto informado pelo autor: CVLattes)

Referências

ACERVO Boal. Lisa, a mulher libertadora, 2018. Disponível em: http://acervoaugustoboal.com.br/lisa-a-mulher-libertadora> Acesso em novembro de 2020.

ACERVO MIS. Ponto de Partida - 3ª Parte. Direção: Fernando Peixoto. São Paulo: Grupo Hamlet, 1985. 1 DVD (61 min.).

ADUNICAMP Seção Sindical. Conversa com o ator Antonio Petrin sobre a cena teatral em tempos de (muita) crise. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ozhadww-D0A> Acesso em 14 de abril de 2021.

ALTSCHULER, Ruth Toledo. Ponto de Partida (1976): Fotos da peça. Dossiê de fotografias. (Fonte: Arquivo Multimeios do Centro Cultural de São Paulo).

AMM CCSP. Ponto de Partida - 1ª parte. Direção: Fernando Peixoto. FTR 131. Gravação do áudio da peça realizada no Teatro TAIB em 26/12/1976.

______. Ponto de Partida - 2ª parte. Direção: Fernando Peixoto. FTR 132. Gravação do áudio da peça realizada no Teatro TAIB em 26/12/1976.

ANDRADE, José. Teatro e Censura - Platéias vazias e atores calados. São Paulo: Arte Revista. nº 1, 2013. p. 65-88.

ARRABAL, José. Partida para onde?. Jornal Opinião. Rio de Janeiro, 19 de novembro de 1976, p. 21 - 22. (Fonte: Hemeroteca Digital da BN). Acesso em outubro de 2020.

BLANCO, Armindo. A Apatia. Jornal O Pasquim. Rio de Janeiro, 22 a 28 de abril de 1977, p. 7. (Fonte: Hemeroteca Digital da BN). Acesso em outubro de 2020.

BRAGA, Ana. Conversa sobre Ponto de Partida. Google Meets. 23 de março de 2021. 14:00. 1 chamada de vídeo.

CEDOC Funarte. Ponto de Partida: Cenas do espetáculo. Dossiê de fotografias. (Fonte: Acervo Fernando Peixoto).

ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. Ponto de Partida. São Paulo: Itaú Cultural, 2020. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento398467/ponto-de-partida>. Acesso em fevereiro de 2021.

FLEXA, Jairo Arco e. A morte na praça. Revista Veja. São Paulo, 06 de outubro de 1976. p. 124. (Fonte: Acervo Revista Veja). Acesso em dezembro de 2020.

FREITAS, Ludmila Sá de. (1976) História e Dramaturgia: o caso Vladimir Herzog (re)significado por Gianfrancesco Guarnieri em “Ponto de Partida”. Monografia (Bacharelado) - Universidade Federal de Uberlândia, Curso de Graduação em História. Uberlândia, 2005.

FUSER, Fausto. A proposta mais veemente. Jornal Folha de São Paulo. São Paulo, 08 de outubro de 1976, p. 31. (Fonte: Acervo Folha de São Paulo). Acesso em novembro de 2020.

GUARNIERI, Gianfrancesco. A palavra dos artistas. Fundação Perseu Abramo. Disponível em: https://fpabramo.org.br/2006/04/17/a-palavra-dos-artistas-por-gianfrancesco-guarnieri/> Acesso em 28 de maio de 2021.

______. O melhor teatro: Gianfrancesco Guarnieri/ seleção: Décio de Almeida Prado. 2. ed. - São Paulo: Global, 2001.

HISTÓRIA e Ditadura. Teatro e Ditadura: Sonia Loureiro. Youtube, 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=sH8BjWjDi3w> Acesso em 18 de março de 2020.

KLEINAS, Alberto. A morte de Vladimir Herzog e a luta contra a ditadura: a desconstrução do suicídio. 2012. 121 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2012.

LAB. DRAMA. Conversa sobre o teatro com Antonio Petrin e Othon Bastos - Lançamento da leitura: Ponto de Partida. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=1BGEqb4iruk&t=128s> Acesso em 18 de maio de 2021.

MAGALDI, Sábato. Ponto de Partida 08/10. In. Amor ao Teatro. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2014.

MARINHO, Flávio. Ponto de Partida. Jornal Tribuna da Imprensa. Rio de Janeiro, 12 de abril de 1977. p. 10. (Fonte: Hemeroteca Digital da BN). Acesso em outubro de 2020.

METRÓPOLIS. Teatro Taib, símbolo de resistência cultural, começa reconstrução. 04 min. 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QFy-jQSBcTA&t=88s> Acesso em 03 de janeiro de 2020.

MICHALSKI, Yan. A parábola da justiça impossível. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 9 e 10 de abril de 1977. p. 2. (Fonte: Hemeroteca Digital da BN). Acesso em outubro de 2020.

PACHECO, Tania. Um texto belo e que faz pensar. Jornal O Globo. Rio de Janeiro, 10 de abril de 1977. p. 4. (Fonte: Acervo Jornal O Globo). Acesso em outubro de 2020.

PEIXOTO, Fernando. Teatro em Pedaços: 1959 - 1977. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1989.

PETRIN, Antonio. Ponto de Partida: um teatro político na ditadura militar. Entrevista concedida a Marco Pedra. via Google Meets. 03 de maio de 2021. 14:00. Chamada de vídeo. (Entrevista não publicada até a data de submissão deste trabalho).

REDAÇÃO Diário do Paraná. Censura libera “Lisa” de Boal, com músicas de Chico Buarque. Jornal Diário do Paraná. Curitiba, 29 de janeiro de 1977, p. 18. (Fonte: Hemeroteca Digital da BN). Acesso em outubro de 2020.

REDAÇÃO Jornal do Brasil. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 1 de agosto de 1977, p. b2.

REDAÇÃO O Fluminense. Teatro brechtiano de Guarnieri mostra “Ponto de Partida” no Rio. Jornal O Fluminense. Rio de Janeiro, 8 de abril de 1977, p. 19. (Fonte: Hemeroteca Digital da BN). Acesso em outubro de 2020.

REDAÇÃO O Pasquim. Jornal O Pasquim, Rio de Janeiro, 17 a 23 de dezembro de 1976, p. 54.

RICARDO, Sérgio. Ponto de Partida: Trilha Sonora. Youtube, 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=xjbEaYBkMJ0> Acesso em 03 de maio de 2020.

ROVERI, Sérgio. Gianfrancesco Guarnieri: um grito solto no ar. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Cultura - Fundação Padre Anchieta, 2004.

SCHMIDT, Bernardo. “Ponto de Partida”, de Gianfrancesco Guarnieri e Sérgio Ricardo. Disponível em: https://bernardoschmidt.blogspot.com/2010/10/ponto-de-partida-de-gianfrancesco.html> Acesso em 28 de maio de 2021.

VAZ, Blange Cabral. O realismo em Ponto de Partida. Jornal Opinião. Rio de Janeiro, 17 de dezembro de 1976, p. 24. (Fonte: Hemeroteca Digital da BN). Acesso em outubro de 2020.

ZANOTTO, Ilka Marinho. Um grito de alerta contra a violência. Jornal O Estado de São Paulo. São Paulo, 29 de setembro de 1976. p. 9. (Fonte: Acervo do Jornal O Estado de S. Paulo). Acesso em novembro de 2020.

______. Teatro em São Paulo - 1976. Suplemento Literário. São Paulo, 02 jan. 1977. (Fonte: Hemeroteca Digital da BN). Acesso em outubro de 2020.

Downloads

Publicado

02.11.2021