A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes https://seer.ufu.br/index.php/amargem <p>A MARgem (ISSN: 2175-2516) é uma <strong>revista da graduação</strong>, semestral, acessível em meio eletrônico, que veicula textos elaborados por <strong>graduandos</strong> em Ciências Humanas, Letras e Artes. O periódico oportuniza a circulação do conhecimento produzido nos cursos de graduação.</p> A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes pt-BR A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes 2175-2516 <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a&nbsp;<a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/" target="_blank" rel="noopener">Creative Commons Attribution License</a>, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</p> <p>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</p> Década de 1890 https://seer.ufu.br/index.php/amargem/article/view/64883 <p>A década de 1890 foi de grande relevância literária e social. Visto que, foi um momento de publicação de grandes obras literárias e do reconhecimento de dois movimentos literários, o realismo e o naturalismo. Durante esse período foram publicadas três obras, que serão analisadas neste artigo, sendo elas Dom Casmurro, O cortiço e Contos Amazônicos. A partir delas se busca entender suas semelhanças e diferenças em relação à formação da sociedade brasileira. Para esta pesquisa foram utilizados grandes estudiosos da literatura brasileira, como Antônio Cândido e Roberto Schwarz. Assim, é necessário também utilizar dessas fontes para analisar a formação identitária brasileira para além de uma perspectiva central de Brasil, buscando comparar tais análises com duas diferentes regiões do país, o Sudeste e o Norte. Desse modo, podemos entender o processo de semelhança dessa identidade de brasileiros e também os mecanismos que distinguem essa noção única identitária que é reproduzida até hoje.</p> Ester Naiá Ferreira Melo Copyright (c) 2022 A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes 2022-11-15 2022-11-15 19 1 08 18 10.14393/AM-v19n1-2022-64883 O Modo de organização enunciativo no conto “O homem dos sonhos”, de Mário de Sá-Carneiro https://seer.ufu.br/index.php/amargem/article/view/65014 <p>O presente trabalho consiste em um&nbsp;recorte de pesquisa de Iniciação Científica realizada na UFPI, cujo objetivo principal foi analisar a configuração do discurso literário no conto “O homem dos sonhos”, do escritor português Mário de Sá-Carneiro. Desse modo, no presente artigo busca-se&nbsp;analisar a organização enunciativa do conto “O homem dos sonhos”&nbsp;Para tanto, como base teórica utilizamos a Teoria Semiolinguística de &nbsp;Charaudeau (2019). Vale ressaltar que esse trabalho resulta de uma pesquisa qualitativa e interpretativa que teve como <em>corpus</em>&nbsp;o conto já mencionado que foi publicado em 1913 na revista “A Águia”. &nbsp;Os resultados obtidos revelam que o&nbsp;modo de organização enunciativo é usado pelo personagem homem dos sonhos com o objetivo de convencer seu interlocutor que a vida humana é monótona e sem muitas variações e mostrar como a vida onírica vivida por ele é bem mais interessante. Dessa&nbsp;maneira, conclui-se que as análises do modo de organização enunciativo&nbsp;&nbsp;ajudam a perceber como se deu a construção discursiva desse conto da literatura portuguesa.</p> Francisca Jaqueline Ferreira de Oliveira Copyright (c) 2022 A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes 2022-11-15 2022-11-15 19 1 19 30 10.14393/AM-v19n1-2022-65014 Luca, alegoria e intencionalidade autoral https://seer.ufu.br/index.php/amargem/article/view/65359 <p><strong>Resumo</strong>: No presente trabalho, intenta-se problematizar, sob o holofote de uma abordagem discursivo-crítica, a maneira como as práticas sociodiscursivas midiáticas constroem informações sobre a relação da comunidade <em>queer</em> e sua necessidade de representatividade e como perfomatizam a subjetividade da audiência LGBTQIA+, especificamente ao se avaliar seu objeto de estudo, qual seja, uma reportagem do jornal Folha de São Paulo. Igualmente, também serão destrinchadas as implicações da intencionalidade autoral no caminho da interpretação da obra Luca em contrapartida aos códigos, metáforas, analogias e alegorias que a mesma parece emitir. O artigo foi desenvolvido a partir de uma pesquisa qualitativa bibliográfica feita em relação aos seus referenciais no site de pesquisa SciELO, coletando artigos científicos para posterior leitura e fichamento. Após a coleta de dados por meio de documentação indireta, realizou-se o estudo de caso da reportagem para elaboração da análise crítica, cujos dados obtidos foram organizados para que se pudessem explanar os resultados obtidos. Sobre os resultados, percebe-se que o autor da reportagem realiza escolhas léxicogramaticais pouco emancipatórias, dando margem a uma interpretação que reforça a abjeção sofrida pelos corpos gays. No mesmo sentido, assim se dá o posicionamento do diretor de Luca, o que provoca reflexões frente ao contexto de acusação de censura por que passa a Disney. Por fim, percebe-se que a sétima arte e as animações possuem a força de criarem representações sólidas e orgulhosas da comunidade LGBTQIA+, apesar de esse percurso não se ver consolidado atualmente, observando-se, em seu lugar, migalhas de representatividade superficiais.</p> João Vitor Caligaris Bernadino Copyright (c) 2022 A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes 2022-11-15 2022-11-15 19 1 31 49 10.14393/AM-v19n1-2022-65359 O ensino da língua portuguesa no período pandêmico https://seer.ufu.br/index.php/amargem/article/view/65656 <p>O surgimento da COVID19 trouxe reflexo de mudanças no ensino escolar, de tal modo que as aulas presenciais passaram a ocorrer por meio do ensino remoto, pois o distanciamento social passou a ser considerado como a principal estratégia para diminuir a proliferação desordenada do vírus. Nesse contexto de análise das mudanças, os professores necessitaram adotar métodos pedagógicos de caráter tecnológicos, porém, muitos não possuíam domínio das ferramentas digitais de educação, o que gerou insegurança e dificuldades. Além de enfrentarem obstáculos nas aulas de língua portuguesa, pois a complexidade dos conteúdos aliado a falta de habilidade com o letramento digital fez-se necessário rever os parâmetros educacionais. Seguindo esse pressuposto, o presente trabalho tem como objetivo principal analisar quais foram os desafios da docência no ensino da língua portuguesa no contexto remoto. Dessa forma, para coletar dados relevantes sobre o assunto, realizou-se um estudo bibliográfico através de obras publicadas que abordassem o objeto em estudo. Por meio da pesquisa realizada, pode-se constatar que os desafios surgiram e não houve soluções significativas, pois,as dificuldades foram geradas pela falta de aptidão dos professores, deficiência de recursos tecnológicos entre outros atributos.</p> Geiciara Lima da Silva Jackeline Santos Tigre Magalhães Copyright (c) 2022 A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes 2022-11-15 2022-11-15 19 1 50 68 10.14393/AM-v19n1-2022-65656 Origami https://seer.ufu.br/index.php/amargem/article/view/66038 <p>O presente artigo pretende discorrer sobre a utilização do origami na sala de aula como recurso didático facilitador da aprendizagem. O objetivo do estudo foi apresentar os benefícios da utilização do origami tanto no ambiente escolar quanto como ferramenta terapêutica para a saúde mental e física dos indivíduos envolvidos com a arte das dobraduras, revelando sentimentos no contato com expressões artísticas. O método empregado para a produção de tal pesquisa, se deu por meio de uma pesquisa bibliográfica teórica e baseada em pesquisas recentes, constatamos resultados efetivos e positivos para educação interdisciplinar, coordenação motora fina, imaginação, criatividade, paciência, concentração, interação e saúde mental para crianças, jovens, adultos e idosos. Como resultado ressalta-se um indicativo profícuo do emprego do origami na sala de aula bem como a importância do conhecimento de recursos didáticos por parte dos professores, propiciando novas possibilidades para facilitar a transmissão de conteúdos, corroborando para a aprendizagem do educando.</p> Isabella Felix Ono Stephany Olgaides de Castro Barbosa Copyright (c) 2022 A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes 2022-11-15 2022-11-15 19 1 69 84 10.14393/AM-v19n1-2022-66038 Apresentação https://seer.ufu.br/index.php/amargem/article/view/67528 Amanda Campos Fonseca Giovanna Duran Soares Santos Iasmin Walchan Laís Vitória Nascimento Larissa Natálie de Souza Maria Eduarda Garcia Sansoni Abrahão José Sueli Magalhães Copyright (c) 2022 A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes 2022-11-15 2022-11-15 19 1 04 07 10.14393/AM-v19n1-2022-67528 No Pavilhão https://seer.ufu.br/index.php/amargem/article/view/64222 Higor Lima da Silva Copyright (c) 2022 A MARgem - Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes 2022-11-15 2022-11-15 19 1 85 87 10.14393/AM-v19n1-2022-64222