Os grafites religiosos produzidos nos Territórios Palestinos Ocupados

diálogos entre o sagrado e a ocupação

Autores

  • Vitoria Paschoal Baldin Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

DOI:

https://doi.org/10.14393/AM-v18n1-2021-60829

Palavras-chave:

Palestina, Grafite, Islã, Cristianismo, Comunicação pública

Resumo

O grafite é uma importante ferramenta para comunicação pública, especialmente, para os sujeitos que não possuem voz dentro dos grandes sistemas de mídia e comunicação. Nos Territórios Palestinos Ocupados, desde a década de 1980, ele tem sido utilizado para a produção e disseminação de mensagens de natureza diversa. A região da Palestina possui um importante enquadramento sagrado para as três maiores religiões monoteístas da atualidade. Por conta disso, bem como sua população professar, majoritariamente, o islã e o cristianismo, diversos grafites registrados nos últimos anos possuem temas e signos religiosos. Assim, o presente artigo analisa os registros dessas comunicações, argumentado a existência da sobreposição entre o sagrado e o secular, tanto na produção de mensagens politicamente ativas como forma de resistência à ocupação israelense, especialmente para angariar apoio internacional, como também na continuidade da tradição religiosa presente nesses locais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

09.06.2021