Propostas educativas envolvendo jogos e artefatos robóticos na educação básica para deficientes visuais

Autores

  • Elis Josiane Spohn Bevilaqua Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)
  • Anibal Lopes Guedes Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)
  • Sonize Lepke Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

DOI:

https://doi.org/10.14393/AM-v18n2-2021-61034

Palavras-chave:

Artes Visuais, pixel art, linguagem visual

Resumo

O presente trabalho busca refletir sobre as práticas educativas no âmbito da Educação Especial, partindo do conceito de que todas as crianças podem aprender, se forem dadas as condições necessárias ao seu aprendizado (MONTESSORI, 2017). Este artigo é o recorte de um projeto que visa prototipar um jogo híbrido com o artefato robótico Arduino, para isso foi realizada uma pesquisa bibliográfica, visando identificar se são utilizados jogos para desenvolver conteúdos pedagógicos e quais seriam esses jogos. Quanto a pesquisa bibliográfica realizada, pôde-se perceber que são raros os jogos disponibilizados nas salas de referência, por isso, o interesse em abordar essa temática.  Realizou-se também um levantamento de dados no sistema mobile para saber que jogos são disponibilizados às pessoas com deficiência visual e como eles funcionam. O projeto que nos referimos aqui está previsto para ocorrer até o ano de 2022 e visa desenvolver propostas educativas envolvendo o contexto de jogos e artefatos robóticos na Educação Básica para crianças e adolescentes com deficiência visual, como forma de promover a inclusão e o acesso à tecnologia, por meio de uma metodologia que envolve a Design Science Research (DSR) que além de desenvolver protótipos, testa e avalia visando gerar novos conhecimentos. Com resultados até o presente momento, identificou-se que os jogos e atividades desenvolvidas com cegos centram-se em ações com audiobraille e que são poucas as alternativas destinadas a este público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elis Josiane Spohn Bevilaqua, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Acadêmica do curso de Pedagogia da UFFS Campus de Erechim. Possui graduação em Administração pela Universidade Estadual do Tocantins (2012). Atualmente é instrutora teórica e diretora de ensino do CENTRO DE FORMAÇÃO DE CONDUTORES GAURAMENSE LTDA. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: coordenador pedagógico., ambientes escolares., métodos de ensino., alfabetização. práticas educativas. docente. e oralidade. (Texto informado pelo autor: CVLattes)

Anibal Lopes Guedes, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Possui graduação em Ciência da Computação pela Universidade de Passo Fundo (2001), mestrado em Ciência da Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004) e doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisinos (2017). Possui Especialização no Ensino de Artes pela UNINTER (2019) e cursa Especialização em Artes pela UFPEL. Cursa também pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisinos. Professor adjunto na Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim. Desenvolve projetos na área de Informática na Educação, Educação à Distância, Inclusão Sócio-Digital, Robótica Educativa, Artes e Cultura e Computação Gráfica. Foi coordenador da Unoesc Virtual na Unoesc - Campus São Miguel do Oeste. Trabalha como docente nos cursos de Engenharia Ambiental, História, Agronomia e Pedagogia. Faz parte do Grupo Aquisição, Aprendizagem e Processamento de Primeira e Segunda Línguas, do Grupo Inovação em Saúde Coletiva: políticas, saberes e práticas de promoção da saúde - UFFS, Grupo de Pesquisa em História Oral e Memória a Regional - GPHOMR, Grupo de Pesquisa NAVi ? UFRGS (GPNAVi) e Educação Digital - GPe-dU UNISINOS. Atua desde 2004, com experiência em Ensino Superior, Formação, Capacitação, Treinamento e Assessoria e Consultoria. (Texto informado pelo autor: CVLattes)

Sonize Lepke, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Possui graduação em História pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2002). Especialista em Interpretação, Traduação e Docência em Libras (2009) pela Universidade Tuiuti do Paraná. Mestre em Educação nas Ciências pela Universidade Regional Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul(UNIJUÍ). Doutora pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Tem experiência como professora de história na Educação Básica pública e com turmas bilíngues ( Libras/ Português), na gestão e implantação das Salas de Recursos Multifuncionais na rede estadual. Atua na área de educação e história, com enfâse em Educação Inclusiva, Língua de Sinais, aprendizagem, identidade e escolarização. Atualmente é docente da Universidade Federal Fronteira Sul, campus Erechim/RS . Vice- líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Especial/Inclusiva - GEPEI e membro do Grupo de Pesquisa Educação Popular na Universidade - GRUPEPU.

Referências

AGUAYO, M. I. B. D. A importância dos jogos e brincadeiras a alfabetização dos alunos do 1º ano do ensino fundamental. 2013. Monografia (Especialização em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino) – Curso de Pós Graduação em Educação, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, PR, 2013. Disponível em: <http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/4408/1/MD_EDUMTE_2014_2_58.pdf

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da criança e do adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 de julho 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 22 jun. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto; Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, v. 1, 1998. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rcnei_vol1.pdf>. Acesso: 22 jun. 2021.

BRASIL. Lei n°10.753, de 30 de outubro de 2003. Institui a Política Nacional do Livro. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 de outubro de 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.753compilada.htm>. Acesso: 22 jun. 2021.

BRASIL. Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. Disponível em: . MEC, 2008. Acesso em: 24 jun. 2021.

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 de dezembro de 2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=2298-rceb005-09&category_slug=dezembro-2009-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 14 jun. 2021.

BRASIL. Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, p. 34, 15 de dezembro de 2010. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.034, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 de dezembro de 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 19 jun. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 6 de julho de 2015. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso: 22 jun. 2021.

BRUNO, M. M. G. Escolarização de alunos com deficiências: desafios e possibilidades. In: MELETTI, S. M. F.; KASSAR, M. C. M. (Orgs.). A escolarização de pessoas com deficiência visual: algumas reflexões sobre o atendimento educacional especializado e a prática pedagógica. Campinas, SP, Mercado de Letras, 2013, p. 129-154.

BRIGIDO, G. P. Dinâmicas de ensino com auxílio da robótica. Trabalho de conclusão de curso – Curso de Computação, Universidade Federal Fluminense Instituto do Noroeste Fluminense de Educação Superior Computação, Santo Antônio de Pádua, RJ, 2018. Disponível em: <https://app.uff.br/riuff/handle/1/12611>. Acesso em: 19 jun. 2021.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Declaração de Salamanca Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Salamanca, Espanha, de 7 a 10 de junho de 1994. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 22 jun. 2021.

MONTESSORI, M. A descoberta da criança: Pedagogia Científica. 1. ed. Brasília, DF: Kírion, 2017.

MONK, S. 30 projetos com Arduino. Tradução Anatólio Laschuk. 2. ed. Porto Alegre, Bookman, 2014.

PIMENTEL, M.; FILLIPPO, D.; SANTOS, T. M. Design Science Research: Pesquisa científica atrelada ao design de artefatos. In: Educação e Cibercultura: metodologias de pesquisa, curadoria e inovação pedagógica. RE@D – Revista de Educação a Distância e eLearning. Rio de Janeiro, RJ, 2020, v. 3, n. 1, p. 37-61. Disponível em: <https://rcc.dcet.uab.pt/index.php/lead_read/article/view/203>. Acesso em: 28 jun. 2021.

Downloads

Publicado

28.12.2021