Discursos sobre ensino de Filosofia no currículo do Ensino Médio

defesa de um problema, concepção curricular e afirmação de uma prática

Autores

  • Kleber Chaves UESB
  • Benedito Gonçalves Eugênio Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

DOI:

https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v36n77a2022-64947

Palavras-chave:

Filosofia, Ensino de Filosofia, Currículo, Ensino Médio, Teoria do Discurso

Resumo

Neste artigo apresentamos parte dos resultados de uma pesquisa qualitativa e de revisão bibliográfica, cujo problema envolve os sentidos de ensino de Filosofia no currículo para o ensino médio no período de 2009 a 2019. Assim, objetivamos investigar os discursos sobre ensino de Filosofia no ensino médio, presentes na produção acadêmica dos autores mais recorrentes do campo teórico. Para tanto, nos aportamos na Teoria do Discurso de Ernesto Laclau e Chantal Mouffe, cuja potência teórica, já afirmada em importantes trabalhos do campo educacional, nos permitiu identificar o problema do não reconhecimento do ensino de Filosofia como um ponto-nodal que une uma parte da comunidade acadêmica de Filosofia na afirmação antagônica de que tal ensino deve, sim, compor o currículo do nível médio brasileiro.

Palavras-chave: Filosofia; Ensino de Filosofia; Currículo; Ensino médio; Teoria do Discurso

 

Discourse on Philosophy teaching in the high school curriculum: defense of a problem, curricular conception and affirmation of a practice

Abstract: In this article we present part of the results of a research of qualitative nature and bibliographic cut whose problem involves the meanings of Philosophy teaching in the curriculum for high school in the period from 2009 to 2019. Thus, we aim to investigate the discourses on teaching Philosophy in high school present in the academic production of the most recurrent authors in the theoretical field. To this end, we focus on the Discourse Theory of Ernesto Laclau and Chantal Mouffe, whose theoretical potency, already affirmed in important works in the educational field, allowed us to identify the problem of the non- recognition of philosophy teaching as a nodal point that unites a part of the academic philosophy community in the antagonistic claim that such teaching should be part of the Brazilian high school curriculum.

Key-words: Philosophy; Philosophy teaching; Curriculum; High school; Discourse Theory.

 

Discursos sobre la enseñanza de la Filosofía en el currículo de bachillerato: defensa de un problema, concepción curricular y afirmación de una práctica

Resumen: En este artículo presentamos parte de los resultados de una investigación cualitativa y revisión bibliográfica, cuyo problema involucra los significados de la enseñanza de la Filosofía en el currículo para la escuela secundaria en el período de 2009 a 2019. Así, nos propusimos investigar los discursos sobre la enseñanza de la Filosofía en la escuela secundaria, presentes en la producción académica de los autores más recurrentes en el campo teórico. Para ello, hemos estado en la Teoría del Discurso de Ernesto Laclau y Chantal Mouffe, cuyo poder teórico, ya afirmado en importantes trabajos del campo educativo, nos permitió identificar el problema del no reconocimiento de la enseñanza de la filosofía como un punto-nodal que une a una parte de la comunidad académica de la Filosofía en la afirmación antagónica de que dicha enseñanza debe,  Sí, para conformar el currículo del nivel medio brasileño.

Palabras clave: Filosofía; Enseñanza de la filosofía; Plan de estudios; Bachillerato; Teoría del discurso.

 

Data de registro: 02/03/2022

Data de aceite: 17/05/2022

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kleber Chaves, UESB

Mestre e doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Ensino da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGEn/UESB). E-mail: kleber.ksc2@gmail.com. CV: http://lattes.cnpq.br/7842988511765847.  ORCID: https://orcid.org/0000-0002-8005-1865.

Benedito Gonçalves Eugênio, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). E-mail: benedito.eugenio@uesb.edu.br. CV: http://lattes.cnpq.br/1274035318009124.  ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5781-764X.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 5 ed. 2007.

BALL, Stephen. MAINARDES, Jefferson (Org.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Acesso em: 29 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília, DF, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&Itemid=30192 Acesso em: 12 ago. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, Planalto, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em: 10 Mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis n º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, Planalto, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 12 ago. 2019.

BRASIL. Leiº 11.684, de 2 de junho de 2008. Altera o art. 36 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, Planalto, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11684.htm Acesso em: 10 Mar. 2020.

BRASIL. Medida Provisória nº 746. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007. Brasília, Congresso Nacional, 2016. Disponível em: https://www.congressonacional.leg.br/materias/medidas-provisorias/-/mpv/126992 Acesso em: 10 Mar. 2020.

BRASIL. Projeto de Lei nº 1.641. Altera dispositivos do art. 36 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, Câmara Federal, 2003. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=127294 Acesso em: 10 Ago. 2019.

BRASIL/MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Brasília, Ministério da Educação, 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/cienciah.pdf Acesso em: 10 Mar. 2020.

BRASIL/MEC. Orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais (PCN+). Brasília, Ministério da Educação, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasHumanas.pdf Acesso em: 10 Mar. 2020.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação. Porto, POR: Porto editora, 1999. (Coleção ciências da educação)

CERLETTI, Alejandro. O ensino de filosofia como problema filosófico. Belo Horizonte: autêntica editora, 2009.

CHAVES, Kleber Santos. Sentidos de ensino de filosofia no currículo para o ensino médio no período de 2009 a 2019. Vitória da Conquista-BA: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Programa de Pós Graduação em Ensino (PPGEn). Orientador: Benedito G. Eugênio, Dissertação (mestrado), 2021.

CUNHA, Kátia Silva. A teoria do discurso como abordagem teórica e metodológica no campo das políticas públicas em educação. Revista Estudos Políticos, Rio de Janeiro, n. 7, p. 257-276, 2013. Disponível em: http://revistaestudospoliticos.com/wp-content/uploads/2014/04/7p257-276.pdf Acesso em: 18 Ago. 2019.

CUTER, João Vergílio Gallerani. Por que não defendo a obrigatoriedade da filosofia no ensino médio. Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofi - ANPOF [website], 2016. Disponível em: http://anpof.org/portal/index.php/en/comunidade/coluna-anpof/852-por-que-nao-defendo-a-obrigatoriedade-da-filosofia-no-ensino-medio Acesso em 20 Jun. 2022

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia. Rio de Janeiro, editora 34, 1992.

DIAS, Rosane Evangelista; ABREU, Rosane Gomes de; LOPES, Alice Casimiro. Stephen Ball e Ernesto Laclau na pesquisa em política de currículo. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo, GABRIEL, Carmem Teresa; AMORIM, Antônio Carlos (orgs.). Teóricos e o campo do currículo. Campinas-SP: FE/UNICAMP, 2012.

GALLO, Sílvio. Metodologia do ensino de Filosofia: uma didática para o ensino médio. Campinas: Papirus, 2012.

GELAMO, Rodrigo. Pelloso. O ensino de filosofia no limiar da contemporaneidade: o que faz o filósofo quando seu ofício é ser professor de filosofia? São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015a.

LACLAU, Ernesto. MOUFFE, Chantal. Pós-marxismo sem pedido de desculpas. In: LOPES, Alice Casimiro. MENDONÇA, Daniel de (Orgs). A teoria do discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e entrevistas. São Paulo: Annablume, 2015b.

LOPES, Alice Casimiro. MENDONÇA, Daniel de (Orgs). A teoria do discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e entrevistas. São Paulo: Annablume, 2015.

LOPES, Alice Casimiro. Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, Sociedade e Culturas, Porto, n. 39, p. 7-23, 2013. Disponível em: https://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/02.AliceLopes.pdf Acesso em 16 abr. 2020.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LOPES, Alice Casimiro; OLIVEIRA, Anna Luiza A. R. Martins; OLIVEIRA, Gustavo Gilson Souza de (Orgs.). A teoria do discurso na pesquisa em educação. Recife: Editora UEPE, 2018.

MAINARDES, Jefferson; MARCONDES, Maria Inês. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 30, n. 106, p. 303-318, jan./abr. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v30n106/v30n106a15.pdf Acesso em 20 abr. 2020.

MENDONÇA, Daniel de. RODRIGUES, Léo Peixoto. Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2 ed., 2014.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

PIMENTEL JÚNIOR, Clívio. Políticas curriculares, diferença, pertencimento: ponderações sobre o uso do conceito de comunidades epistêmicas em chave pós-estrutural. Revista Linhas. Florianópolis, v. 19, n. 41, p. 213-241, set./dez. 2018. Disponível em:https://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723819412018213 Acesso em 22 abr. 2020.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte - MG: Autêntica, 2007.

RODRIGO, Lídia Maria. Filosofia em sala de aula: teoria e prática para o ensino de filosofia. Campinas: Autores Associados, 2009.

SILVA, Anuska Andréia de Sousa. O contexto da produção de texto da política dos ciclos no ensino fundamental I na secretaria municipal de educação da cidade de Salvador. Espaço do currículo, João Pessoa - PB, v.7, n.3, p.586-598, set-dez. 2014. Disponível em: https://www.periodicos.ufpb.br/index.php/rec/article/view/rec.2014.v7n3.586598 Acesso em 21. jun. 2020.

SILVA, Zelânia do Carmo. Sentidos e discursos de educação para as relações étnico-raciais nas políticas curriculares para a educação básica no período 2011-2016. 186f. Dissertação (Mestrado em Ensino). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista - BA, 2020. Disponível em: http://www2.uesb.br/ppg/ppgen/wp-content/uploads/2020/08/ZELANIA-DO-CARMO-DA-SILVA.pdf Acesso em 16 abr. 2020.

WILLIAMS, James. Pós-estruturalismo. São Paulo: Vozes, 2012. (Coleção pensamento moderno)

Downloads

Publicado

2022-06-27

Como Citar

Chaves, K., & Gonçalves Eugênio, B. (2022). Discursos sobre ensino de Filosofia no currículo do Ensino Médio: defesa de um problema, concepção curricular e afirmação de uma prática. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 36(77). https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.v36n77a2022-64947

Edição

Seção

Artigos