MAPAS DE TEC IONEX EM TEMPO REAL GERADOS PELO MODELO GIB (GRADE IONOSFÉRICA BRASILEIRA)

Conteúdo do artigo principal

Claudinei Rodrigues de Aguiar
Alessandra Kozelinski

Resumo

Atualmente, a interferência da camada ionosférica nos sinais da banda L, transmitidos pelos satélites GNSS (Sistema Global de Posicionamento por Satélite), é a maior fonte de erro na utilização deste sistema. Durante a sua propagação entre as antenas do satélite e do receptor, os sinais GNSS são afetados pelos elétrons livres na camada ionosférica. Estes elétrons provocam alterações na velocidade de propagação, na amplitude e na fase dos sinais. Portanto, a magnitude do erro sistemático devido à interferência ionosférica é diretamente proporcional ao TEC (Conteúdo Total de Elétrons) presente no caminho do sinal transionosférico e inversamente proporcional ao quadrado da frequência do sinal. Por outro lado, as redes GNSS ativas, tais como a RBMC, tornaram-se importantes estruturas de sensores para o monitoramento da ionosfera e do clima espacial. Para corrigir os efeitos ionosféricos sobre os sinais e para o monitoramento da ionosfera em tempo real, no Brasil vem sendo desenvolvido um modelo e um algoritmo para a assimilação dos dados GNSS em tempo real e geração da grade ionosférica e seu respectivo nível de confiança (GIVE – ErroVertical da Grade Ionosférica). Este algoritmo, denominado de GIB (Grade Ionosférica Brasileira) também estima e corrige a influênciadas tendências interfrequências dos satélites e dos receptores, para estimar os valores absolutos do TEC. Este trabalho apresenta os resultados obtidos até o momento com o GIB, bem como os mapas ionosféricos gerados em tempo quase real estruturados em formato IONEX (IONosphere map EXchange).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
DE AGUIAR, C. R.; KOZELINSKI, A. MAPAS DE TEC IONEX EM TEMPO REAL GERADOS PELO MODELO GIB (GRADE IONOSFÉRICA BRASILEIRA). Revista Brasileira de Cartografia, [S. l.], v. 67, p. 1569–1585, 2019. DOI: 10.14393/rbcv67n0-49250. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/49250. Acesso em: 16 jun. 2024.
Seção
Artigos