Trovadores e cantadores em Goiás do século XX

A poesia e a canção de Adolfo Mariano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v39-2023-37%20

Palavras-chave:

Literatura, Trovadorismo, Canção goiana, Adolfo Mariano, Persistência

Resumo

É intuito do artigo analisar a poesia e a canção para verificar como a literatura poética produzida nos séculos XII e XIV, na Península Ibérica, persiste na poesia e na música brasileira contemporânea. Essa literatura produzida no ocidente europeu por jograis, menestréis e trovadores, manteve-se viva por meio da memória dos homens que de lá vieram, dando origem a vertentes literárias e musicais no Brasil. Através da voz de cantadores, migrou, no século XVIII e XIX, do litoral ao interior. Para a observação desse fenômeno, a proposta metodológica é pautada na leitura, na análise e na revisão bibliográfica a fim de investigar e analisar cantigas trovadorescas galego-portuguesas e compará-las à moda de viola Mês de agosto é tão triste (1942), do cantador Adolfo Mariano, de modo a abordar as características formais do gênero. Assim pôde-se relacionar a moda de viola ao dinamismo literário e musical das tradições ibérica e brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wendel de Souza Borges, Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Estudos da Linguagem. Universidade Federal de Catalão

Referências

AMORIM, Maria Alice. Improviso: tradição poética da oralidade. In: CAMARGO, Luís (org). Literatura e Música. São Paulo: Senac, 2002. p. 97-135.

ANDRADE, Mário de. Dicionário Musical Brasileiro. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1989.

ANDRADE, Letícia Pereira. O diário como utopia: quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus. 100f. 2008 Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2008. Disponível em: https://repositorio.ufms.br/jspui/bitstream/123456789/1145/1/Leticia%20Pereira%20de%20Andrade.pdf Acesso em: 23 dez. 2021.

ARAGÃO, Pedro de M. Luiz Heitor Corrêa de Azevedo e os Estudos de Folclore no Brasil: uma análise de sua trajetória na Escola Nacional de Música (1932-1947). 2005. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal do Rio de Janeirom Rio de Janeiro, 2005.

BARISON, Osvaldo Luís. O inconsciente da moda: psicanálise e cultura caipira. Psicol. USP [online], v. 10, n. 1, 1999. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-65641999000100014

BATISMO Cultural de Goiânia. Produção DISCOS MARCUS PEREIRA em convênio com a Secretaria da Educação e Cultura do Estado de Goiás. Direção Artística: Marcus Vinícius; Pesquisa, Coordenação e Produção Executiva: Yara Moreira. Edição e re-mixagem: Spalla Gravações (SP). Técnicos: Dyonisio Moreno e Sérgio S. Jovine. Capa: Aníbal Monteiro. Foto de Contracapa: Luiz Heitor C. Azevedo. Corte: Jorge Emílio Isaac. MPL 9402. 1979. Disponível em: https://immub.org/album/batismo-cultural-de-goiania. Acesso em: 30 out. 2020.

CANDIDO, Antonio. Os Parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Trinta e Quatro, 1997.

CANTO, João B. de Moraes. Aves inspiradoras de manifestações artísticas. Atualidades Ornitológicas, v. 183, jan./fev. 2015. Disponível em: http://www.ao.com.br/download/AO183_61.pdf. Acesso em: 18 nov. 2020.

CARDOSO, João Batista. Noções de literatura portuguesa: do Trovadorismo ao limiar do Modernismo. 2. ed. rev. atual. Goiânia: Editora Espaço Acadêmico, 2017.

CARNEIRO, Maria José. Do rural e do urbano: uma nova terminologia para uma velha dicotomia ou a reemergência da ruralidade. Campinas: NEA – Instituto de Economia UNICAMP, 2001. Disponível em: http://www.eco.unicamp.br/nea/rurbano/textos/congrsem/iisemina/mjose.htm. Acesso em: 18 jul. 2020.

CATELAN, Álvaro. Viola Caipira Viola Quebrada: a cultura popular em debate. Goiânia: Editora Kelps, 1989.

DOURADO, Henrique Autran. Dicionário de termos e expressões da música. São Paulo: Ed. 34, 2004.

DUARTE, Geni Rosa. Múltiplas vozes no ar: o rádio em São Paulo nos 30 e 40. São Paulo: Puc-SP, 2000.

DURÃO, Santa Rita. Poema épico do descobrimento da Bahia – 1781. São Paulo: Cultura, 1945.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. São Paulo: LTC, 1989.

GERALDI, João Wanderley. A leitura e suas múltiplas faces. Revista Ideias, v. 5, São Paulo: FDE, p. 103-111, 1988.

JESUS, Adolfo Mariano. O poeta nato. Goiânia: Oriente, 1978.

LE GOFF, Jacques. Uma longa Idade Média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

LOPES, Graça Videira; FERREIRA, Manuel Pedro et al. Cantigas Medievais Galego Portuguesas [base de dados online]. Lisboa: Instituto de Estudos Medievais, FCSH/NOVA, 2011. Disponível em: http://cantigas.fcsh.unl.pt. Acesso em: 27 nov. 2020.

MARQUES, Pedro. Musicalidades na poesia de Manuel Bandeira. 163f. 2003. Dissertação (Mestrado em Teoria e História Literária) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003. Disponível em: https://repositorio.unicamp.br/acervo/detalhe/280439. Acesso em: 18 nov. 2020.

MARTINS, José de Souza. Capitalismo e tradicionalismo: estudos sobre as contradições da sociedade agrária no Brasil. São Paulo: Ed. Pioneira, 1975.

MENDONÇA, Cecília de. A Coleção Luiz Heitor Corrêa de Azevedo: música, memória e patrimônio. 134f. 2007. Dissertação (Mestrado em Memória Social) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/A%20cole%C3%A7%C3%A3o%20Luiz%20Heitor%20Corr%C3%AAa%20de%20Azevedo.pdf. Acesso em 12 nov. 2020.

MERÇON, Marineis. A residualidade literária das cantigas trovadorescas na música popular brasileira: uma análise das músicas de Chico Buarque e Caetano Veloso. Cadernos UNDB, São Luís, v. 4, jan./dez. 2014. http://www.undb.edu.br/publicacoes/arquivos/14_-_a_residualidade_literaria_das_cantigas_trovadorescas_na_musica_popular_brasileira.pdf – Acesso em: 03 nov. 2020.

MONTE-MÓR, Roberto Luís de Melo. O que é o urbano, no mundo contemporâneo. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2006. Disponível em: http://www.cedeplar.ufmg.br/pesquisas/td/TD%20281.pdf. Acesso em: 20 dez. 2021.

NEPOMUCENO, Rosa. Da roça ao rodeio. São Paulo. Editora 34, 1999.

OLIVEIRA. Solange Ribeiro. Introdução à melopoética: a música na literatura brasileira. In: CAMARGO, Luís (org.). Literatura e Música. São Paulo: Editora Senac, 2002. p. 17-48.

PIMENTEL, Sidney Valadares. O chão é o limite: a festa do peão de boiadeiro e a domesticação do sertão. Goiânia: UFG, 1997.

PROENÇA, Ivan Cavalcanti. A ideologia do cordel. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Brasília, 1977.

SANT’ANNA, Romildo. A moda é viola: ensaio do cantar caipira. Marília: Ed. Unimar, 2000

SANTOS, Moacir José; CARNIELLO, Mônica Franchi. A urbanização e a construção do rural no cinema de Mazzaropi. Revista Internacional de Folkcomunicação, v. 1, 2010. Disponível em: https://revistas.uepg.br/index.php/folkcom/article/view/18796/209209214711. Acesso em: 02 jan. 2022.

SPINA, Segismundo. A cultura literária medieval. São Caetano do Sul: Ateliê Editorial, 1997.

TAVARES, Bráulio. Contando histórias em versos: poesia e romanceiro popular no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2005.

TEIXEIRA, José Aparecido. Folclore goiano: cancioneiro, lendas, superstições. 3. ed. São Paulo: Ed. Nacional; Brasília, INL, 1979.

WILLIAMS, Raymond. O campo e a cidade: na história e na literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Tradução de Jerusa Pires Ferreira et al. São Paulo: Hucitec, 1997.

Downloads

Publicado

2024-05-24

Como Citar

BORGES, W. de S. Trovadores e cantadores em Goiás do século XX: A poesia e a canção de Adolfo Mariano. Letras & Letras, Uberlândia, v. 39, n. único, p. e3937 | p. 1–19, 2024. DOI: 10.14393/LL63-v39-2023-37 . Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/70834. Acesso em: 24 jul. 2024.