O currículo das disciplinas de Libras na EAD

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v37n2-2021-09

Palavras-chave:

Currículo, Libras, Neo Educação Online, Pedagogia, Educação a distância

Resumo

O Decreto nº 5626/2005 regulamentou o ensino a Libras, que já tinha sido reconhecida como meio de expressão e comunicação da comunidade surda através da Lei nº 10.436/2002. Com a expansão dos cursos na modalidade ensino a distância, houve uma interiorização dos cursos de nível superior, principalmente os de Licenciatura, trazendo um reordenamento nos espaços acadêmicos. Uma das instituições que mantêm o curso de Libras através de EaD é o INES, através do NEO, que com plataforma desenvolvida especialmente para o curso de Pedagogia a Distância, apresenta o curso de forma rica, respeitando as particularidades visuoespaciais da língua. A plataforma dispõe de uma série de recursos, como vídeos em Libras, webconferência e questionários, que viabilizam o ensino/aprendizado e interação aluno/professor e aluno/aluno. Por ser recente, faltam mecanismos que avaliem a capacidade de aprendizado dos alunos, em especial o aluno ouvinte que tem a Libras como L2.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Cruz Silveira, INES/UERJ

Professora de Libras no Curso Bilíngue de Pedagogia do Instituto Nacional de Surdos/ Departamento de Ensino Superior (INES/DESU). Doutoranda em Linguística pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Referências

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a língua brasileira de Sinais – Libras. Brasília, 22 dez 2005.

_________. Lei n° 10.346, de 24 de abril de 2002. Dispõe e sobre Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e de outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, 25 abr. 2002.

__________. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96. Brasília: MEC, 1996 – Atualizada 2010.

DOTTA, S. BRAGA, J. PIMENTEL, E. Condução de aulas síncronas em sistemas de webconferência multimodal e multimídia. In: 23º Simpósio Brasileiro de Informática e Educação, 2012, Rio de Janeiro. Anais.SBIE, 2012.

GALASSO, B. J. B. Do ensino em linha ao ensino online: perspectivas para a educação online baseada na mediação professor-aluno. 2013. 217f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

GESSER, A. “Um olho no professor surdo e outro na caneta”: Ouvintes aprendendo a Língua Brasileira de Sinais. Tese de doutorado inédita, Campinas: Unicamp, 2006.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa? Crenças e preconceito em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editoral, 2009.

JÚNIOR, G. de C. Variação Linguística em Língua de Sinais Brasileira. 2011. 123f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade de Brasília, Brasília – DF, 2011.

MOORE, M. G. Teoria da distância transacional, 1993. Disponível em: http://www.abed.org.br/revistacientifica/revista_pdf_doc/2002_teoria_distancia_transacional_michael_moore.pdf. Acesso em: 21 set.2020.

MAROTTA, G. Acquisizione linguística. In: BECCARIA, G. L. (Org.). Dizionario di linguistica e di filologia, metrica, retorica. 3. ed. Torino: Einaudi, 2004.

QUADROS, R. M. Educação de surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas. 1997.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

CRUZ SILVEIRA, L. O currículo das disciplinas de Libras na EAD. Letras & Letras, [S. l.], v. 37, n. 2, p. 157–177, 2021. DOI: 10.14393/LL63-v37n2-2021-09. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/57546. Acesso em: 16 ago. 2022.