“Home gesture is not part of the deaf culture"

The curtailment of homesign languages in bi/multilingual education

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v35nEsp2019-15

Palavras-chave:

Línguas de sinais caseiras, Língua brasileira de sinais, Educação de surdos, Multilinguismo

Resumo

Recentemente a língua brasileira de sinais (Libras) obteve o reconhecimento do seu estatuto linguístico e, a partir de uma visão sócio-antropológica da surdez, alguns estudos têm distanciado o surdo das concepções patologizadas baseadas na deficiência auditiva e inserido o mesmo em discussões sobre educação bilíngue em contextos de minorias. Contudo, há ainda grande resistência em admitir o surdo como bilíngue, principalmente quando ele não apresenta o domínio esperado na língua majoritária do país ou em uma língua de sinais convencional, ou seja, se a comunicação ocorrer por meio de línguas de sinais caseiras. Assim, o objetivo da presente pesquisa qualitativa de cunho etnográfico, inserida no campo da Linguística Aplicada, foi  discutir o cerceamento do uso das línguas de sinais caseiras na educação bi/multilíngue de surdos, a partir das representações de familiares de surdos e seus profissionais e estagiários surdos e ouvintes que frequentam um programa de apoio escolar. A análise das representações dos participantes demonstrou o processo de descaracterização linguística dessa comunicação familiar, sendo as línguas de sinais caseiras descritas como um sistema linguístico restrito, prejudicial ao aprendizado das línguas já estabelecidas (português e Libras) e uma ameaça para a inclusão da pessoa surda em sua comunidade. Acreditamos que essas representações estão calcadas em um conceito estático de língua e precisam ser revistas, pois desconsideram a diversidade linguística e cultural da surdez e dificultam ainda mais a comunicação entre familiares ouvintes e seus filhos surdos, além de reforçar a marginalização do surdo dentro da escola e da sua própria comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kate Mamhy Oliveira Kumada, Universidade Federal do ABC

Possui graduação em Pedagogia com habilitação em Educação Especial na área da Deficiência Auditiva pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2008), Aprimoramento e Especialização em Surdez: desenvolvimento e inclusão pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (2009), Especialização em Libras pela Faculdade Itaquá (2016), Mestrado em Linguística Aplicada pelo Instituto de Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Campinas (2012) e Doutorado em Educação Especial pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2016). Atualmente é Professora Adjunta da Universidade Federal do ABC e Profa Colaboradora da Faculdade de Engenharia Elétrica e da Computação da Unicamp. Também é líder do Grupo de Pesquisa do CNPq "Surdos e Libras - SueLi". Membro do Projeto Tecnologias Assistivas para Surdos (TAS) desenvolvido na Unicamp e Pesquisadora do Grupo de Pesquisa do CNPq "Políticas de Educação Especial" desenvolvido na USP. Atua principalmente nos seguintes temas: surdez, língua de sinais, libras, produção de materiais didáticos para surdos, tradução, tecnologias para surdos, avatares, letramento, multilinguismo,educação a distância.

Marilda do Couto Cavalcanti, Universidade Estadual de Campinas

Ph.D. (University of Lancaster), Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, CNPq researcher

Ivani Rodrigues Silva, Universidade Estadual de Campinas

Ph.D. (Universidade Estadual de Campinas), Universidade Estadual de Campinas

Referências

ADRIANO, N. A. Sinais caseiros: uma exploração de aspectos linguísticos. 2010. 98 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

ALTENHOFEN, C. V. Bases para uma política linguística das línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, C. et al. Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes, 2013. p. 93-116.

BARRETOS, E. A. A situação da comunicação dos Akwẽ-Xerente surdos. 2016. 97 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016. https://doi.org/10.5216/racs.v2i1.49019

BEHARES, L. E. Rethinking the deaf child’s relation to language. Caderno de Estudos Linguísticos. Campinas, n. 33, jul./dez. 1997. p. 61-66.

BHABHA, H. K. The Location of Culture. London and New York: Routledge, 1994.

BRASIL, Lei n 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Seção 1, p. 23

CANAGARAJAH, S. Translingual practice: Global Englishes and cosmopolitan relations. Abingdon: Routledge, 2013. https://doi.org/10.4324/9780203120293

CANAGARAJAH, S. Materializing ‘competence’: perspectives from international STEM scholars. The Modern Language Journal, v. 203, n. 2, p. 1-24, 2018.

CAVALCANTI, M. C. Estudos sobre educação bilíngue e escolarização em contextos de minorias linguísticas no Brasil. Delta, São Paulo, v. 15, n. especial, p. 385-417, 1999. https://doi.org/10.1590/S0102-44501999000300015

CAVALCANTI, M. C. Multilinguismo, transculturalismo e o (re)conhecimento de contextos minoritários, minoritarizados e invisibilizados: o que isso tem a ver com a formação de professores e com professores em serviço? In: MAGALHÃES, M. C. C., FIDALGO, S. S. (Orgs). Questões de método e de linguagem na formação docente. Campinas: Mercado de Letras, 2011. p. 171-185.

CAVALCANTI, M.C.; SILVA, I. R. Transidiomatic practices in a deaf hearing scenario and language ideologies. Revista da Anpoll, v. 40, p. 33-45, jan./jun. 2016. https://doi.org/10.18309/anp.v1i40.1013

CAVALCANTI, M. C.; MAHER, T. M. Contemporary Brazilian perspectives on multilingualism: an introduction. In: CAVALCANTI, M. C.; MAHER, T. M. (Org). Multilingual Brazil: languages resources, identities and ideologies in a globalized world. New York: Routledge, 2018. https://doi.org/10.4324/9781315623870-1

CÉSAR, A. L., CAVALCANTI, M. C. Do singular para o multifacetado: o conceito de língua como caleidoscópio. In: CAVALCANTI, M. C.; BORTONI-RICARDO S. M. (Org.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas: Mercado de Letras, 2007. p. 45-65.

COX, M. I. P.; ASSIS-PETERSON, A. A. Transculturalidade e transglossia: para compreender o fenômeno das fricções contemporâneas sem nostalgia. In: CAVALCANTI, M. C.; BORTONI-RICARDO, S. M. (Org.). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas: Mercado de Letras, 2007. p. 23-44.

DELEUZE, G. GUATTARI, F. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2007/1980. v. 1.

ERICKSON, F. What makes school ethnography ‘ethnographic’? Anthropology & Education Quarterly, v. 15, n. 1, p. 51-66, spring 1984. https://doi.org/10.1525/aeq.1984.15.1.05x1472p

ERICKSON, F. Metodos cualitativos de investigacion sobre La enseñanza. In: WITTROCK, M. C. La investigación de la enseñanza, II: Métodos cualitativos y de observación. Barcelona: Paidos Ibérica, 1989. p. 195-301.

FELIPE, T. A. Introdução à gramática de Libras. In: BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Educação especial: língua brasileira de sinais. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 1997. v. 3. p. 81-123. (Série Atualidades Pedagógicas).

GESSER, A. Um olho no professor e outro na caneta: ouvintes aprendendo a Língua Brasileira de Sinais. 2005. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

GOLDIN-MEADOW, S.; MYLANDER, C. Spontaneous sign systems created by deaf children in two cultures. Nature, v. 391, jan. 1998. https://doi.org/10.1038/34646

HAMEL, R. E. Determinantes sociolinguísticas de la educación indígena bilingue. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 14, n. 3, p. 15-65, jul.-dez. 1989.

KUMADA, K. M. O. Libras: Língua Brasileira de Sinais. Londrina: Educacional, 2016.

KUMADA, K. M. O. “No começo ele não tem língua nenhuma, ele não fala, ele não tem Libras, né?”: representações sobre línguas de sinais caseiras. 2012. 156 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

KUMADA, K. M. O; CAVALCANTI, M. C. “Ele não tem língua nenhuma”: representações sobre as línguas de sinais caseiras. In: LIPPE; E. M. O.; ALVES, F. S. (Org.). Educação para surdos no Brasil: desafios e perspectivas para o novo milênio. Curitiba: CRV, 2014. p. 37-54.

LIMA, M. S. C. Surdez, bilingüismo e inclusão: entre o dito, o pretendido e o feito. 2004. 261 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

LOPES, M. C. Surdez & Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

MAHER, T. M. Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngue e intercultural. In: CAVALCANTI, M.C.; BORTONI-RICARDO; S. M. (Orgs). Transculturalidade, linguagem e educação. Campinas: Mercado de Letras, 2007. p. 67-96.

MAHER, T. M. Ecos de resistência: políticas linguísticas e línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, C. et al. (Org). Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes, 2013. p. 117-134.

MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. Disinventing multilingualism – from monological multilingualism to multilingual francas. In: MARTIN-JONES, M.; BLACKLEDGE, A.; CREESE, A. The Routledge Handbook of Multilingualism. New York: Routledge, 2012. p. 439-453.

MARTIN-JONES, M.; ANDREWS, J.; MARTIN, D. Reflexive ethnographic research practice in multilingual contexts. In: M MARTIN-JONES, M.; MARTIN, D. (Ed.) Researching Multilingualism – Critical and ethnographic perspectives. New York: Routledge, 2017. https://doi.org/10.4324/9781315405346

MARTIN-JONES, M.; ROMAINE, S. Semilingualism: a half baked theory of communicative competence. Applied Linguistics, Oxford, v. 7, n. 1, p. 27-38, 1986. https://doi.org/10.1093/applin/7.1.26

MOITA LOPES, L. P. da. Introdução: uma Linguística Aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. da. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. 2. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 13-44.

MOITA LOPES, L. P. da. A performance narrativa do jogador Ronaldo como fenômeno sexual em um jornal carioca: multimodalide, posicionamento e iconicidade. Revista Anpoll, v. 2, n. 27, p. 129-157, 2009. https://doi.org/10.18309/anp.v2i27.146

MORFORD, J. P. Insights to language from the study of gesture: a review of research on the gestural communication of non-signing deaf people. Language & Communication, v. 16, n. 2, p. 165-178, 1996. https://doi.org/10.1016/0271-5309(96)00008-0

NADER, J. M. V. Aquisição tardia de uma língua e seus efeitos sobre o desenvolvimento cognitivo dos surdos. 2011. 148 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

OLIVEIRA, G. M. (Org.). Declaração universal dos direitos lingüísticos: novas perspectivas em política lingüística. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

PENNYCOOK, A. Critical applied linguistics. New York: Routledge, 2001. https://doi.org/10.4324/9781410600790

PEREIRA, M. C. C. Interação e construção do sistema gestual em crianças deficientes auditivas, filhas de pais ouvintes. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1989. 248 f.

QUADROS, R. M. de. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de Sinais Brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. https://doi.org/10.18309/anp.v1i16.560

REILY, L. Escola inclusiva: Linguagem e mediação, Campinas, SP: Papirus, 2004. Série Educação Especial.

SILVA, I. R. Quando ele fica bravo, o português sai direitinho; fora disso a gente não entende nada: o contexto multilíngue da surdez e o (re)conhecimento das línguas no seu entorno. Trabalho de Lingüística Aplicada, Campinas, v. 47, n. 2, p. 393-407, jul.-dez. 2008. https://doi.org/10.1590/S0103-18132008000200008

SILVA, I. R.; FAVORITO, W. Surdos na escola: letramento e bilinguismo. Campinas: MEC/CEFIEL/IEL/UNICAMP, 2009. 80 p. (Coleção linguagem e letramento em foco).

SILVA; I. R; KUMADA, K. M. O. Representações sobre o contexto multilíngue da surdez. Interdisciplinar, Itabaiana, ano 8, v. 19, n. 1, p. 99-114, jul./dez. 2013.

SILVA, T. T. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 2.ed.

SKLIAR, C. Um olhar sobre o nosso olhar acerca da surdez e das diferenças. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 2016. p. 5-32.

SKUTNABB-KANGAS, T. Bilingualism or not: the education of minorities. Translated by Lars Malmberg and David Crane. Clevedon: Multilingual Matters, 1981. 400 p. (Multilingual Matters, 7).

SOARES, P. A. S. Língua Terena de Sinais: análise descritiva inicial da língua de sinais usada pelos Terena da terra indígena cachoeirinha. 2018. 213 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2018.

SOUZA, L. M. T. M. Hibridismo e tradução cultural em Bhabha. In: ABDALA JÚNIOR, B. (Org). Margens da cultura: mestiçagem, hibridismo & outras misturas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004. p. 113-133.

SOUZA, L. M. T. M. Cultura, língua e emergência dialógica. Letras e Letras, v. 26, n. 2, jul./dez. 2010.

STOKOE JR., W. C. Sign language structure: an outline of the visual communication systems of the american deaf. Studies in Linguistics: Occasional papers, Buffalo, v. 71, n. 2, p. 269-271, Apr.-june 1961.

TAGATA, W. M. Omo’s wash keeps England in the black: hibridismo em Minha Adorável Lavanderia e outros espaços intersticiais. 2007. 235 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

TERVOORT, B. T. Esoteric symbolism in the communication behaviour of young deaf children. American Annals of the Deaf, Washington, v. 106, p. 436-480, 1961.

VILHALVA, S. Mapeamento das línguas de sinais emergentes: um estudo sobre as comunidades linguísticas indígenas de Mato Grosso do Sul. 2009. 124 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

Downloads

Publicado

2019-10-23

Como Citar

OLIVEIRA KUMADA, K. M.; CAVALCANTI, M. do C.; SILVA, I. R. “Home gesture is not part of the deaf culture": The curtailment of homesign languages in bi/multilingual education. Letras & Letras, [S. l.], v. 35, n. especial, p. 315–343, 2019. DOI: 10.14393/LL63-v35nEsp2019-15. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/49331. Acesso em: 7 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)