Corpos, violências, silenciamentos

O discurso sobre transgeneridade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/LL63-v36n1-2020-9

Palavras-chave:

Corpo trans, Transgeneridade, Silenciamento, Resistência

Resumo

Pensando as condições de produção do discurso, o imaginário do/sobre os sujeitos trans e o marco temporal das eleições de 2018, objetivamos analisar a relação entre os silenciamentos e a resistência do/sobre o corpo trans no espaço virtual. Para tanto, elencamos duas matérias postadas em meios digitais, uma sobre a peça “O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu”, quando houve sua interdição no Festival de Inverno de Garanhuns (PE) e outra sobre um assassinato de uma travesti em São Paulo (SP), com vistas a compreendermos as disputas de sentidos sobre as corporeidades trans através da fundamentação teórica da Análise do Discurso materialista. Juntamente com as matérias, analisaremos seus comentários, uma vez que este é um espaço no qual, pela ilusão de tudo se poder dizer, os sujeitos produzem discursos em consonância com a causa trans ou discursos de ódio que deslegitimam, silenciam e deslocam sentidos sobre estes corpos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Cavalcante, Universidade Federal Fluminense

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagem da UFF, integrante do Laboratório Arquivos do Sujeito (LAS/UFF), do Núcleo de Estudos e Práticas de Linguagem e Espaço Virtual (NEPLEV/UFPE), bolsista Nota 10 da FAPERJ.

Referências

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. de Raquel Ramalhete. 42. ed. Petrópolis: Vozes, 2014[1975].

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: A vontade de saber. Trad. de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 6. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Sampaio. 24. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

GRIGOLETTO, E. O discurso dos ambientes virtuais de aprendizagem: entre a interação e a interlocução. In: GRIGOLETTO, E; DE NARDI, F. S.; SCHONS, C.R. (Org.) Discursos em rede: práticas de (re)produção, movimentos de resistência e constituição de subjetividades no ciberespaço. Recife: UFPE, 2011.

LEANDRO-FERREIRA, M. C. Discurso: conceito em movimento. In: LEANDRO-FERREIRA, M. C. Oficinas de análise do discurso: conceitos em movimento. Campinas: Pontes Editores, 2015.

HASHIGUTI, S. Corpo de memória. Tese de doutorado. Campinas, SP: 2008.

MARIANI, B. O comunismo imaginário. Práticas discursivas da impressa sobre o PCB (1922-1989). 1996. Tese (Doutorado), Universidade de Campinas, Campinas, 1996.

ORLANDI, E. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 4. ed. Campinas: Unicamp, 2013.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 3. ed. Campinas: Unicamp, 2009[1975].

PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Trad. de José Horta Nunes. Cad. Est. Ling., Campinas, n. 19, jul.-dez, p. 7-24, 1990[1982].

PRECIADO, B. P. Testo junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. Trad. de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

ROUDINESCO, E.; PLON, M. Dicionário de Psicanálise. Trad. de Vera Ribeiro, Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

Downloads

Publicado

2020-06-28

Como Citar

CAVALCANTE, A. Corpos, violências, silenciamentos: O discurso sobre transgeneridade. Letras & Letras, [S. l.], v. 36, n. 1, p. 159–173, 2020. DOI: 10.14393/LL63-v36n1-2020-9. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/50784. Acesso em: 29 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)