O Alegre Canto da Perdiz e identidade nacional moçambicana

um olhar glotopolítico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DLv17a2023-65

Palavras-chave:

Paulina Chiziane, Colonização, Literatura Moçambicana, Independência, Tradição oral bantu

Resumo

O presente artigo oferece uma discussão sobre o romance O Alegre Canto da Perdiz (2008), da escritora moçambicana Paulina Chiziane, e sua escrita, em um cenário glotopolítico complexo na Moçambique pós independência, onde a busca por uma identidade nacional é imperativa. O artigo lança mão de Melman (1992) e seu conceito de Pai na discussão sobre os sujeitos e suas relações com o colonizador. Por sua vez, a noção de voz em Dolar (2007) nos auxilia na compreensão do uso da voz na tradição oral bantu, presente no romance de Chiziane. A análise da obra revela um fazer literário heterolíngue que quebra os silêncios de uma cultura oprimida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Giovana de Castro Marchese Rampini, USP

Doutoranda da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP).  

Referências

ANUNCIAÇÃO, A. Trilogia do confinamento: namíbia, não! embarque imediato. 271: Perspectiva, 2020.

BINJA, E. J. B. Tradição Oral em África: valores, movimento e resistência. Distopias dos Extremos: Sociologias Necessárias. Aracaju, , 2020. p. 1-20

CALLIGARIS, C. Apresentação. In: MELMAN, C. Imigrantes: incidências subjetivas das mudanças de língua e pais. São Paulo: Escuta, 1992. p. 9-13.

CARLOS, D. Um Embarque Necessário. In: ANUNCIAÇÃO, A. Trilogia do confinamento: namíbia, não! embarque imediato. 271: Perspectiva, 2020. p. 111-114. Versão Kindle.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre o Colonialismo: Veneta, 2020. 136 p.

CHIZIANE, P. O alegre canto da perdiz. Porto Alegre: Dublinense, 2018. 336 p.

CRUZ, M. M. Paulina Chiziane: sou uma contadora de histórias'. Estado de Minas. Belo Horizonte, p. 1-2. 29 out. 2021. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/pensar/2021/10/29/interna_pensar,1318085/paulina-chiziane-sou-uma-contadora-de-historias.shtml. Acesso em: 10 ago. 2022.

COUTO, M. Raiz de orvalho e outros poemas. Lisboa: Caminho, 1999

DOLAR, M. Una Voz y Nada Mas. Buenos Aires: Manantial, 2007. 232 p.

FERREIRA, A. M. Paulina Chiziane: A poesia da prosa. In: MIRANDA, M. G. de; SECCO, C. L. T. (org.). Paulina Chiziane: vozes e rostos femininos de Moçambique. Curitiba: Editora Appris, 2013. p. 85-96.

KAPLAN, R. B. (ed.). Language Planning and Policy in Africa: botswana, malawi, mozambique. Bristol: Multilingual Matters Limited, 2004. 288 p.

LOPES, J. de S. M. Literatura moçambicana em Língua Portuguesa: na praia do oriente a areia náufraga do ocidente. Scripta, Belo Horizonte, p. 269-285, 1998.

MARTINHO, A. M. M.-de-F. Cânones Literários e Educação: os casos angolano e moçambicano. Lisboa: Calouste, 2001. 545 p

MELMAN, C. Incidências subjetivas do bilinguismo. In: MELMAN, Charles. Imigrantes: incidências subjetivas das mudanças de língua e pais. São Paulo: Escuta, 1992. p. 15-19.

MOREIRA, T. T. O vão da voz: a metamorfose do narrador na ficção moçambicana. Belo Horizonte: Editora Puc Minas, 2005. 252 p.

MUNANGA, K. O que é africanidade. In: Vozes da África – Biblioteca Entre Livros. Editora Duetto, edição especial n. 6, 2007.

NOA, F. LITERATURA COLONIAL EM MOÇAMBIQUE: o paradigma submerso. Via Atlântica, [S.L.], v. 1, n. 3, p. 58-69, 7 dez. 1999. DOI https://doi.org/10.11606/va.v0i3.49007

ZAMPARONI, V. Frugalidade, moralidade e respeito: a política do assimilacionismo em Moçambique, c. 1890-1930. 2008.

Downloads

Publicado

27.12.2023

Como Citar

RAMPINI, G. de C. M. O Alegre Canto da Perdiz e identidade nacional moçambicana: um olhar glotopolítico. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 17, p. e1765, 2023. DOI: 10.14393/DLv17a2023-65. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/70285. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Línguas pluricêntricas em seu percurso histórico e na atualidade