América Latina

construções identitárias e sociais em projetos de livros didáticos de língua espanhola do PNLD 2018

Autores

Palavras-chave:

Decolonialidade, Identidades, América Latina

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar como são representadas as identidades sociais e os grupos sociais latino-americanos nos projetos sugeridos pelos nove livros didáticos das três coleções aprovadas no Programa Nacional do Livro Didático 2018 (Cercanía Joven, Sentidos en lengua española e Confluencia). A pesquisa está inserida no campo teórico da Linguística Aplicada, partindo das categorias epistemológicas da decolonialidade e da interculturalidade. A metodologia seguida é de natureza qualitativa e documental por método descritivo e interpretativista. Os resultados da pesquisa revelam que os projetos das coleções analisadas contribuem positivamente com a construção de identidades latino-americanas não marginalizadas, pois permitem observar a existência de trabalhos voltados para a uma visão decolonial e intercultural, além disso, sugerem que os próprios materiais didáticos promovam reflexões e debates acerca da luta conta as desigualdades e a favor das diferenças, como pretendem os estudos em Linguística Aplicada na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liviane Nascimento dos Santos, UFS

Mestre em Letras (UFS).

Doris Cristina Vicente da Silva Matos, UFS

Doutora em Língua e Cultura (UFBA). Professora Associada do Departamento de Letras Estrangeiras e do Programa de Pós-Graduação em Letras (UFS).

Referências

ADICHIE, C. N. O perigo de uma história única. Companhia das Letras, 2019.

BOMFIM, M. A América latina: males de origem. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. DOI https://doi.org/10.7476/9788599662786

BRASIL. MEC-FNDE. Edital de convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas para o Programa Nacional do Livro Didático PNLD 2018. Edital de convocação 04/2015 – CGPLI Brasília: Ministério da Educação, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2015.

CASTRO-GOMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. Prólogo. Giro decolonial, teoria crítica y pensamento heterárquico. In: CASTRO-GOMEZ, S.; GOSFROGUEL R. (org.). El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre, 2007.

CELANI, M. A. A. Questões de ética na pesquisa em lingüística aplicada. Linguagem e Ensino. v. 8, n.1, p 101-122, 2005.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis/RJ: Vozes, 2008.

COIMBRA, L.; CHAVES, L. S. Cercanía joven. São Paulo: Editorial SM, 2016.

DUSSEL, H. 1492: o encobrimento do outro. Petrópolis/RJ: Vozes, 1993.

FREITAS, L. M. de A.; COSTA, E. G. de M. Sentidos en lengua española. São Paulo: Richmond, 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a Educação como prática de liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla- São Paulo. 2013. Editora Martins Fontes, 2013. p. 223-233.

KILOMBA, G. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

KLEIMAN, A. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. Linguística Aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013.

LESSA, G. da S. M. Memórias e identidades latino-americanas invisíveis e silenciadas no ensino-aprendizagem de espanhol e o papel político do professor. In: ZOLIN-VESZ, F. (org.) A (in)visibilidade da América Latina no ensino de espanhol. Campinas, SP: Pontes, 2013.

MATÍAS BLANCO, A. Identidades (mono)culturais latino-americanas: discursos e representações em livros didáticos de espanhol como língua estrangeira. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem – Faculdade de Letras, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

MATOS, D. C. V. da S. Formação intercultural de professores de espanhol e materiais didáticos, Revista Abehache, nº 6, p.165-185, 1º semestre de 2014.

MATOS, D. C. V. da S. Decolonialidade e currículo: repensando práticas em espanhol. In: MENDONÇA E SILVA, C. A. América latina e língua espanhola: discussões decoloniais. Campinas/SP: Pontes Editores, 2020. p. 93-115.

MIGNOLO, W. El pensamiento decolonial: desprendimiento y apertura. Un manifiesto. In: Castro-Gómez, S.; Grosfoguel, R. (ed.). El giro decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Pontificia Universidad Javeriana / Siglo del Hombre Editores, Bogotá, 2007, p. 25-46.

MOITA LOPES, L. P. Pesquisa Interpretativista em linguística aplicada: a linguagem como condição e solução. DELTA. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 10, n. 2, p. 329-338, 1994.

MOITA LOPES, L. P. Uma Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 85-108.

MOURA, R. P. O lugar da cultura em livros didáticos de Português como segunda língua. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília, 2005.

NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

O´ GORMAN, E.. A invenção da América. São Paulo: Unesp, 1992.

PARAQUETT, M. Questões imprescindíveis para a formação de professores interculturais latino-americanos: o lugar da cultura de tradição oral e afrodescendente. In: MATOS, D.; PARAQUETT, M. (org.). Interculturalidade e identidades: formação de professores de espanhol. Salvador: EDUFBA, 2018. p. 73-99.

PINHEIRO-CÔRREA, P.; LAGARES, X. Confluencia. São Paulo: Editora Moderna, 2016.

PIZARRO, A. El Sur y los Trópicos. Ensayos de cultura latinoamericana. Cuadernos de América sin nombre. N. 10. Alicante: Universidad de Alicante, 2005.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho académico – 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro, 2005.

SILVA JÚNIOR, A. C.; MATOS, D. C. V. da S. Linguística Aplicada e o SULear: práticas decoloniais na educação linguística em espanhol. Revista Interdisciplinar Sulear, UEMG, Ano 2, n. 2, setembro, Edição Especial Dossiê SULear, 2019.

SILVA, T. T. da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012., p. 73-102.

SIQUEIRA, S. Se o inglês está no mundo, onde está o mundo nos materiais didáticos de inglês? In: SCHEYERL, D.; SIQUEIRA, S. (org.). Materiais didáticos para o ensino de línguas na contemporaneidade: contestações e proposições. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 311- 353.

ZOLIN-VESZ, F. A Espanha como o único lugar em que se fala a língua espanhola - a quem interessa essa crença? In: ZOLIN-VESZ, F. (org.) A (in)visibilidade da América Latina no ensino de espanhol. Campinas, SP: Pontes, 2013.

Downloads

Publicado

17-02-2022

Como Citar

SANTOS, L. N. dos; MATOS, D. C. V. da S. América Latina: construções identitárias e sociais em projetos de livros didáticos de língua espanhola do PNLD 2018. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], 2022. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/63321. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos