Aspectos sintáticos e prosódicos do sistema de pontuação

notas sobre a gramatização do português quinhentista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL50-v16n2a2022-3

Palavras-chave:

Pontuação, Sintaxe, Prosódia, Gramatização quinhentista, Historiografia da Linguística

Resumo

Partindo de problemas conceituais relativos às relações entre fala e escrita representadas pela pontuação, este artigo, recorte de minha tese de doutorado em desenvolvimento, investiga o tratamento teórico-normativo conferido a esse fenômeno linguístico em obras inaugurais da gramaticografia portuguesa. Mais especificamente, o trabalho procura analisar a categorização da pontuação como parte da ortografia da língua, bem como identificar, interpretar e inter-relacionar os aspectos sintáticos e prosódicos a partir dos quais os sinais de pontuação são normatizados durante os Quinhentos. Para tanto, o tratado de Pero Magalhães de Gândavo (1981 [1574]) foi delimitado como corpus, mas, com vistas à reconstituição do horizonte de retrospecção da pesquisa (cf. AUROUX, 2014), dados sobre os sinais de pontuação utilizados e/ou normatizados em manuscritos medievais, em impressos renascentistas e na gramática de João de Barros (1540) também integram as notas aqui desenvolvidas. Trata-se de um estudo que, situado na Historiografia da Linguística (cf. ALTMAN, 2019; BATISTA, 2015, 2019; KOERNER, 2014; SWIGGERS, 2019), conjuga aspectos externos e internos de análise, embora eleja como foco a materialidade linguística das obras. O levantamento bibliográfico realizado e as análises dos dados evidenciam que, desde os primeiros gestos de gramatização do português, o sistema de pontuação já era apresentado a partir de confluências entre sintaxe e prosódia, ou entre a delimitação de constituintes oracionais e a demarcação de pausas próprias à entonação. Sugerem, assim, a pertinência de se olhar para a pontuação de um ponto de vista menos polarizado quanto a essas duas dimensões constitutivas de sua normatização ao longo da história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Maris, UFPB

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal da Paraíba (PROLING-UFPB). Integrante do grupo de pesquisa HGEL – Historiografia, Gramática e Ensino de Línguas (UFPB).

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. 3 ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

ALTMAN, C. História, estórias e historiografia da linguística brasileira. In: BATISTA, R. O. (org.) Historiografia da Linguística. São Paulo: Contexto, 2019. p. 19-43.

ARAÚJO, S. C. A história (1576) de Pero Magalhães de Gândavo: notas para uma releitura desde a retórica e a gramática. Lócus: revista de história, v. 15, n. 2, p. 71-83, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/20120. Acesso em: 28 jun. 2021.

BARROS, J. Grammatica da lingua Portuguesa. Olyssipone: apud Ludouicum Rotorigiu[m], Typographum, 1540. Disponível em: https://purl.pt/12148. Acesso em: 28 jun. 2021.

BASTOS, N. M. O. B. Gramaticografia portuguesa – séculos XVI e XIX. In: BASTOS, N. M. O. B.; FÁVERO, L. L.; MARQUESI, S. C. (org.). Língua Portuguesa: pesquisa e ensino (vol. 1). São Paulo: EDUC/Fapesp, 2007, p. 141-152.

BATISTA, R. O. Introdução à historiografia da linguística. São Paulo: Cortez, 2013.

BATISTA, R. O. Retórica de ruptura e descontinuidade nas ciências da linguagem: um estudo pela Historiografia da Linguística. Confluência, Rio de Janeiro, n. 49, p. 119-141, 2015. Acesso em: 28 jun. 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i49.

CAVALIERE, R. A gramática no Brasil: ideias, percursos e parâmetros. Rio de Janeiro: Lexikon, 2014.

COELHO, O.; HACKEROTT, M. M. S. Historiografia Linguística. In: GÓIS, M. L. S.; GONÇALVES, A. V. (org.). Ciências da linguagem: o fazer científico. Campinas: Mercado de Letras, 2012. p. 381-407.

COELHO, S. F. A pontuação nas minas setecentistas. 2018. 134 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/LETR-AY8QVR. Acesso em: 28 jun. 2021.

CORRÊA, M. L. Pontuação: sobre seu ensino e concepção. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, ano 13, n. 24, p. 52-65, dez. 1994.

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 6 ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2013.

GÂNDAVO, P. M. Regras que ensinam a maneira de escrever e a ortografia da língua portuguesa: com o diálogo que adiante se segue em defensão da mesma língua. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1981 [1574]. Disponível em: https://purl.pt/324. Acesso em: 28 jun. 2021.

HOUAISS, A. Elementos de bibliologia. São Paulo: Hucitec; Brasília: INC, Fundação Nacional Pró-Memória, 1983.

KEMMLER, R. Para uma melhor compreensão da história da gramática em Portugal: a gramaticografia portuguesa à luz da gramaticografia latino-portuguesa nos séculos XV a XIX. Veredas, Santiago de Compostela, v. 19, p. 145-176, jun. 2013. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/36/36. Acesso em: 28 jun. 2021.

KOERNER, E. F. K. O problema da metalinguagem em historiografia da linguística. In: ALTMAN, C.; KEMMLER, R. (ed.). Quatro décadas de historiografia da linguística: estudos selecionados. Trás-os-Montes e Alto Douro: Centro de Estudos em Letras, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2014, p. 75-90.

LIMA, M. M. R. A pontuação na perspectiva da tradição gramatical: breve revisão crítica e implicações para o ensino e para a aprendizagem no contexto escolar. 2019. 56 f. Monografia (Especialização em Gramática da Língua Portuguesa: Reflexão e Ensino). – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/34177. Acesso em: 28 jul. 2021.

MACHADO FILHO, A. V. L. A pontuação em João de Barros: preceitos e usos. In: MACHADO FILHO, A. V. L.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). O Português Quinhentista: Estudos Lingüísticos. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2002. p. 351-366.

MACHADO FILHO, A. V. L. A pontuação em manuscritos medievais portugueses. Salvador: EDUFBA, 2004.

MATTOS E SILVA, R. V. O que nos diz sobre a sintaxe a pontuação de manuscritos medievais portugueses. Boletim da Associação Brasileira de Lingüística, São Paulo, n. 14, p. 75-86, 1993. Disponível em: https://www.abralin.org/site/wp-content/uploads/2018/12/boletim14a.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

MATTOS E SILVA, R. V. Reconfigurações socioculturais e lingüísticas no Portugal de quinhentos em comparação com o período arcaico. In: MACHADO FILHO, A. V. L.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). O Português Quinhentista: Estudos Lingüísticos. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2002. p. 27-41.

MOLLICA, M. C. M. Sintaxe e pontuação no português contemporâneo. Boletim da Associação Brasileira de Lingüística, São Paulo, n. 14, p. 97-104, 1993. Disponível em: https://www.abralin.org/site/wp-content/uploads/2018/12/boletim14a.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

ROCHA, I. L. V. O sistema de pontuação na escrita ocidental: uma retrospectiva. DELTA, São Paulo, v. 13, n. 1 fev. 1997. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44501997000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 28 jun. 2021. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-44501997000100005

ROCHA LIMA, C. H. Gramática normativa da língua portuguesa. 45 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

ROSA, M. C. Renascimento: a pontuação de impressos. Boletim da Associação Brasileira de Lingüística, São Paulo, n. 14, p. 65-74, 1993. Disponível em: https://www.abralin.org/site/wp-content/uploads/2018/12/boletim14a.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

ROSA, M. C. Pontuação em impressos renascentistas: o surgimento da sentença ortográfica. Revista de Estudos Linguísticos, Belo Horizonte, ano 4, v. 1, p. 17-29, jan.-jun. 1995. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/1003/1112. Acesso em: 28 jun. 2021. DOI https://doi.org/10.17851/2237-2083.3.1.17-29

SANTOS, E. O. A pontuação na Carta de Pero Vaz de Caminha comparada à proposta de João de Barros. In: MACHADO FILHO, A. V. L.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). O Português Quinhentista: Estudos Lingüísticos. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2002. p. 367-376.

SILVA, A. C. Estudo dos sinais de pontuação em material didático de língua portuguesa do Ensino Fundamental II: uma análise crítica. 2016. 156 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras). – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2016. Disponível em: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/2483. Acesso em: 28 jun. 2021.

SWIGGERS, P. Historiografia da Linguística: princípios, perspectivas, problemas. In: BATISTA, R. O. (org). Historiografia da Linguística. São Paulo: Contexto, 2019. p. 45-80.

VIEIRA, F. E. Gramática tradicional: história crítica. São Paulo: Parábola Editorial, 2018.

VIEIRA, F. E. Tradição gramatical: história, epistemologia e ensino. In: BAGNO, M.; VIEIRA, F. E. (org.). História das línguas, histórias da linguística: homenagem a Carlos Alberto Faraco. São Paulo: Parábola, 2020. p. 85-124.

VIEIRA, F. E. A sintaxe no Brasil: notas historiográficas e eixos temáticos de investigação. Alfa, São Paulo, v. 64, 2020b. Acesso em: 28 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5794-e12288

Downloads

Publicado

20-08-2021

Como Citar

MARIS, M. Aspectos sintáticos e prosódicos do sistema de pontuação: notas sobre a gramatização do português quinhentista. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 410–448, 2021. DOI: 10.14393/DL50-v16n2a2022-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/62037. Acesso em: 22 maio. 2022.