Aspectos sintáticos e prosódicos do sistema de pontuação

notas sobre a gramatização do português quinhentista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL50-v16n2a2022-3

Palavras-chave:

Pontuação, Sintaxe, Prosódia, Gramatização quinhentista, Historiografia da Linguística

Resumo

Partindo de problemas conceituais relativos às relações entre fala e escrita representadas pela pontuação, este artigo, recorte de minha tese de doutorado em desenvolvimento, investiga o tratamento teórico-normativo conferido a esse fenômeno linguístico em obras inaugurais da gramaticografia portuguesa. Mais especificamente, o trabalho procura analisar a categorização da pontuação como parte da ortografia da língua, bem como identificar, interpretar e inter-relacionar os aspectos sintáticos e prosódicos a partir dos quais os sinais de pontuação são normatizados durante os Quinhentos. Para tanto, o tratado de Pero Magalhães de Gândavo (1981 [1574]) foi delimitado como corpus, mas, com vistas à reconstituição do horizonte de retrospecção da pesquisa (cf. AUROUX, 2014), dados sobre os sinais de pontuação utilizados e/ou normatizados em manuscritos medievais, em impressos renascentistas e na gramática de João de Barros (1540) também integram as notas aqui desenvolvidas. Trata-se de um estudo que, situado na Historiografia da Linguística (cf. ALTMAN, 2019; BATISTA, 2015, 2019; KOERNER, 2014; SWIGGERS, 2019), conjuga aspectos externos e internos de análise, embora eleja como foco a materialidade linguística das obras. O levantamento bibliográfico realizado e as análises dos dados evidenciam que, desde os primeiros gestos de gramatização do português, o sistema de pontuação já era apresentado a partir de confluências entre sintaxe e prosódia, ou entre a delimitação de constituintes oracionais e a demarcação de pausas próprias à entonação. Sugerem, assim, a pertinência de se olhar para a pontuação de um ponto de vista menos polarizado quanto a essas duas dimensões constitutivas de sua normatização ao longo da história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariana Maris, UFPB

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal da Paraíba (PROLING-UFPB). Integrante do grupo de pesquisa HGEL – Historiografia, Gramática e Ensino de Línguas (UFPB).

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. 3 ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

ALTMAN, C. História, estórias e historiografia da linguística brasileira. In: BATISTA, R. O. (org.) Historiografia da Linguística. São Paulo: Contexto, 2019. p. 19-43.

ARAÚJO, S. C. A história (1576) de Pero Magalhães de Gândavo: notas para uma releitura desde a retórica e a gramática. Lócus: revista de história, v. 15, n. 2, p. 71-83, 2009. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/20120. Acesso em: 28 jun. 2021.

BARROS, J. Grammatica da lingua Portuguesa. Olyssipone: apud Ludouicum Rotorigiu[m], Typographum, 1540. Disponível em: https://purl.pt/12148. Acesso em: 28 jun. 2021.

BASTOS, N. M. O. B. Gramaticografia portuguesa – séculos XVI e XIX. In: BASTOS, N. M. O. B.; FÁVERO, L. L.; MARQUESI, S. C. (org.). Língua Portuguesa: pesquisa e ensino (vol. 1). São Paulo: EDUC/Fapesp, 2007, p. 141-152.

BATISTA, R. O. Introdução à historiografia da linguística. São Paulo: Cortez, 2013.

BATISTA, R. O. Retórica de ruptura e descontinuidade nas ciências da linguagem: um estudo pela Historiografia da Linguística. Confluência, Rio de Janeiro, n. 49, p. 119-141, 2015. Acesso em: 28 jun. 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.18364/rc.v1i49.

CAVALIERE, R. A gramática no Brasil: ideias, percursos e parâmetros. Rio de Janeiro: Lexikon, 2014.

COELHO, O.; HACKEROTT, M. M. S. Historiografia Linguística. In: GÓIS, M. L. S.; GONÇALVES, A. V. (org.). Ciências da linguagem: o fazer científico. Campinas: Mercado de Letras, 2012. p. 381-407.

COELHO, S. F. A pontuação nas minas setecentistas. 2018. 134 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/LETR-AY8QVR. Acesso em: 28 jun. 2021.

CORRÊA, M. L. Pontuação: sobre seu ensino e concepção. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, ano 13, n. 24, p. 52-65, dez. 1994.

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 6 ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2013.

GÂNDAVO, P. M. Regras que ensinam a maneira de escrever e a ortografia da língua portuguesa: com o diálogo que adiante se segue em defensão da mesma língua. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1981 [1574]. Disponível em: https://purl.pt/324. Acesso em: 28 jun. 2021.

HOUAISS, A. Elementos de bibliologia. São Paulo: Hucitec; Brasília: INC, Fundação Nacional Pró-Memória, 1983.

KEMMLER, R. Para uma melhor compreensão da história da gramática em Portugal: a gramaticografia portuguesa à luz da gramaticografia latino-portuguesa nos séculos XV a XIX. Veredas, Santiago de Compostela, v. 19, p. 145-176, jun. 2013. Disponível em: https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/36/36. Acesso em: 28 jun. 2021.

KOERNER, E. F. K. O problema da metalinguagem em historiografia da linguística. In: ALTMAN, C.; KEMMLER, R. (ed.). Quatro décadas de historiografia da linguística: estudos selecionados. Trás-os-Montes e Alto Douro: Centro de Estudos em Letras, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, 2014, p. 75-90.

LIMA, M. M. R. A pontuação na perspectiva da tradição gramatical: breve revisão crítica e implicações para o ensino e para a aprendizagem no contexto escolar. 2019. 56 f. Monografia (Especialização em Gramática da Língua Portuguesa: Reflexão e Ensino). – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/34177. Acesso em: 28 jul. 2021.

MACHADO FILHO, A. V. L. A pontuação em João de Barros: preceitos e usos. In: MACHADO FILHO, A. V. L.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). O Português Quinhentista: Estudos Lingüísticos. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2002. p. 351-366.

MACHADO FILHO, A. V. L. A pontuação em manuscritos medievais portugueses. Salvador: EDUFBA, 2004.

MATTOS E SILVA, R. V. O que nos diz sobre a sintaxe a pontuação de manuscritos medievais portugueses. Boletim da Associação Brasileira de Lingüística, São Paulo, n. 14, p. 75-86, 1993. Disponível em: https://www.abralin.org/site/wp-content/uploads/2018/12/boletim14a.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

MATTOS E SILVA, R. V. Reconfigurações socioculturais e lingüísticas no Portugal de quinhentos em comparação com o período arcaico. In: MACHADO FILHO, A. V. L.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). O Português Quinhentista: Estudos Lingüísticos. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2002. p. 27-41.

MOLLICA, M. C. M. Sintaxe e pontuação no português contemporâneo. Boletim da Associação Brasileira de Lingüística, São Paulo, n. 14, p. 97-104, 1993. Disponível em: https://www.abralin.org/site/wp-content/uploads/2018/12/boletim14a.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

ROCHA, I. L. V. O sistema de pontuação na escrita ocidental: uma retrospectiva. DELTA, São Paulo, v. 13, n. 1 fev. 1997. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44501997000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 28 jun. 2021. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-44501997000100005

ROCHA LIMA, C. H. Gramática normativa da língua portuguesa. 45 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2006.

ROSA, M. C. Renascimento: a pontuação de impressos. Boletim da Associação Brasileira de Lingüística, São Paulo, n. 14, p. 65-74, 1993. Disponível em: https://www.abralin.org/site/wp-content/uploads/2018/12/boletim14a.pdf. Acesso em: 28 jun. 2021.

ROSA, M. C. Pontuação em impressos renascentistas: o surgimento da sentença ortográfica. Revista de Estudos Linguísticos, Belo Horizonte, ano 4, v. 1, p. 17-29, jan.-jun. 1995. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/relin/article/view/1003/1112. Acesso em: 28 jun. 2021. DOI https://doi.org/10.17851/2237-2083.3.1.17-29

SANTOS, E. O. A pontuação na Carta de Pero Vaz de Caminha comparada à proposta de João de Barros. In: MACHADO FILHO, A. V. L.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). O Português Quinhentista: Estudos Lingüísticos. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2002. p. 367-376.

SILVA, A. C. Estudo dos sinais de pontuação em material didático de língua portuguesa do Ensino Fundamental II: uma análise crítica. 2016. 156 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras). – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2016. Disponível em: http://www.repositorio.ufal.br/handle/riufal/2483. Acesso em: 28 jun. 2021.

SWIGGERS, P. Historiografia da Linguística: princípios, perspectivas, problemas. In: BATISTA, R. O. (org). Historiografia da Linguística. São Paulo: Contexto, 2019. p. 45-80.

VIEIRA, F. E. Gramática tradicional: história crítica. São Paulo: Parábola Editorial, 2018.

VIEIRA, F. E. Tradição gramatical: história, epistemologia e ensino. In: BAGNO, M.; VIEIRA, F. E. (org.). História das línguas, histórias da linguística: homenagem a Carlos Alberto Faraco. São Paulo: Parábola, 2020. p. 85-124.

VIEIRA, F. E. A sintaxe no Brasil: notas historiográficas e eixos temáticos de investigação. Alfa, São Paulo, v. 64, 2020b. Acesso em: 28 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-5794-e12288

Downloads

Publicado

20.08.2021

Como Citar

MARIS, M. Aspectos sintáticos e prosódicos do sistema de pontuação: notas sobre a gramatização do português quinhentista. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 16, n. 2, p. 410–448, 2021. DOI: 10.14393/DL50-v16n2a2022-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/62037. Acesso em: 16 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)