As fontes gramaticais e a divisão de conteúdos da De Institutione Grammatica Libri Tres (1572) de Manuel Álvares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL50-v16n2a2022-2

Palavras-chave:

Historiografia da Linguística, Gramaticografia, Língua Latina, Humanismo renascentista, Linguística Missionária

Resumo

No presente artigo, fruto de pesquisa desenvolvida no grupo de pesquisas Filologia, línguas clássicas e línguas formadoras da cultura nacional (FILIC/CNPq/UFF), no campo da Historiografia da Linguística, mais especificamente no campo da História da Gramática, ou Gramaticografia, investigamos a obra De Institutione Grammatica Libri Tres (1572) de Pe. Manuel Álvares, SJ (1526-1583). Iniciamos nosso texto com a contextualização da obra gramatical e analisamos as fontes gramaticais antigas utilizadas pelo humanista português. Na segunda parte de nosso estudo, apresentamos a divisão de conteúdos da gramática de Álvares, descrevendo o sumário da obra quinhentista, que teve grande impacto no pensamento linguístico do mundo europeu e da América portuguesa, entre os séculos XVI e XVIII. A obra é de interesse para a Historiografia da Linguística no Brasil. A sequência de conteúdos gramaticais encontrada teve continuidade em textos modernos que descrevem a língua latina, sendo ainda a obra influente, indiretamente, na tradição gramatical ocidental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Kaltner, UFF

Doutor em Letras Clássicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Professor Associado da Universidade Federal Fluminense, docente do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem da UFF.

Janaina Fernanda de Oliveira Lopes, UFF

Mestre em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

ÁLVARES, M. De Institutione Grammatica libri tres. Lisboa: João Barreira, 1572.

ÁLVARES, M. Libri tres de Institutione Grammatica [1572]. Regii: Apud Jos. Davolium, 1823.

CARDOSO, S. A gramática latina no séc. XVI: as partes orationis na gramática do Pe. Manuel Álvares (1572) e na Minerva de Sanctius (1587). Revista da Faculdade de Letras línguas e Literaturas, Porto, v. 12, p. 159-172, 1995. Disponível em: https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2703.pdf. Acesso em: 17 jun. 2021.

CAVALIERE, R. Gramaticografia da língua portuguesa no Brasil: tradição e inovação. Limite, n. 6, p. 217-236, 2012.

FERNANDES, G. De Institutione Grammatica Libri Tres (1572) de Manuel Álvares (1526-1583). Revista da Academia Brasileira de Filologia, Rio de Janeiro, v. 4, p. 85-99, 2007. Disponível em: http://www.filologia.org.br/abf/rabf/4/085.pdf. Acesso em: 17 jun. 2021.

FRANCA, L. O método pedagógico dos jesuítas. Rio de Janeiro: Agir, 1952.

FRANCA, L. O método pedagógico dos jesuítas: o Ratio Studiorum. São Paulo: Kírion, 2019.

KALTNER, L. Escrever sobre a areia: estudos culturais sobre o Brasil do século XVI (Volume 1). Rio de Janeiro: Sapere, 2013.

KALTNER, L. O latim na colonização do Brasil quinhentista. Cadernos de Letras da UFF, Dossiê:Línguas e culturas em contato, Rio de Janeiro, n. 53, p.39-60, 2016. DOI https://doi.org/10.22409/cadletrasuff.2016n53a243

KEMMLER, R. De institvtione grammatica libri tres (Lisboa, 1573): a edição princeps da ars minor de Manuel Álvares. Revista Portuguesa de Humanidades, Braga, v. 17, 2013a. Disponível em:

https://repositorio.utad.pt/bitstream/10348/8206/1/Kemmler%20-%202014d%20-%20Ars%20minor%20RPH.pdf. Acesso em: 17 jun. 2021.

KEMMLER, R. Para uma melhor compreensão da história da gramática em Portugal: agramaticografia portuguesa à luz da gramaticografia latinoportuguesa nos séculos XV a XIX. Veredas – Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, Santiago de Compostela, v. 19, 2013b. Disponível em: https://digitalis-dsp.uc.pt/bitstream/10316.2/34567/1/Veredas19_artigo9.pdf?ln=pt-pt. Acesso em: 17 jun. 2021.

LEITE, S. História da Companhia de Jesus no Brasil. Tomo I. Tipografia Porto Médico, 1938.

MIRANDA, M. O Padre Manuel Álvares e a primeira gramática global. In: Diocese do Funchal – A Primeira Diocese Global: História, Cultura e Espiritualidades. Volume 2, p. 505-513, Funchal: Esfera do Caos, 1995.

MIRANDA, M. Humanismo jesuítico e identidade da Europa: “uma comunidade pedagógica europeia”. Hvmanitas, Coimbra, v. 53, p. 84-111, 2001.

MIRANDA, M. O Humanismo no Colégio de São Paulo (séc. XVI) e a tradição humanística europeia. Hvmanitas, Coimbra, v. 62, p. 243-263, 2010. DOI https://doi.org/10.14195/2183-1718_62_13

MIRANDA, M. A Ratio Studiorum e o desenvolvimento de uma cultura escolar na Europa moderna. Hvmanitas, Coimbra, v. 63, p. 473-490, 2011. DOI https://doi.org/10.14195/2183-1718_63_26

NAVARRO, E. O ensino da gramática latina, grega e hebraica no Colégio das Artes de Coimbra no tempo de Anchieta. In: PINHO, S. et al. Actas do Congresso Internacional Anchieta em Coimbra – Colégio das Artes da Universidade (1548-1998). v.1. Coimbra: Fundação Eng. António de Almeida, 2000. p. 385-406.

PONCE DE LEÓN, R. A gramática racionalista em Portugal no século XVI (1497-1610). In: DUARTE, S.; PONCE DE LEÓN, R. (org.). A Gramática Racionalista na Península Ibérica (Séculos XVI-XIX). Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Centro de Linguística da Universidade do Porto, 2015. p. 9-40.

RODRIGUES, F. História da Companhia de Jesus na Assistência de Portugal. Tomo II, v. 2. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa, 1938.

SPRINGHETTI, E. Storia e fortuna della Grammatica di Emmanuele Alvares, S. J. Humanitas, Coimbra, v. 13-14, 1961-1962. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/eclassicos/publicacoes/ficheiros/humanitas13-14/07_Springhetti.pdf. Acesso em: 17 jun. 2021.

SWIGGERS, P. A historiografia da linguística: objeto, objetivos, organização. Confluência. Rio de Janeiro, n. 44-45, p. 1-21, 2013. Disponível em: http://llp.bibliopolis.info/confluencia/pdf/1171.pdf. Acesso em: 17 jun. 2021.

TORRES, A. Gramática e linguística: Ensaios e Outros Estudos. Braga: Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Filosofia, Instituto de Letras e Ciências Humanas, Centro de Estudos Linguísticos, 1998.

Downloads

Publicado

05-08-2021

Como Citar

KALTNER, L.; LOPES, J. F. de O. As fontes gramaticais e a divisão de conteúdos da De Institutione Grammatica Libri Tres (1572) de Manuel Álvares. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 384–409, 2021. DOI: 10.14393/DL50-v16n2a2022-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/61716. Acesso em: 18 maio. 2022.