O tratamento das figuras de linguagem em gramáticas setecentista e oitocentista de língua portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL50-v16n2a2022-4

Palavras-chave:

Gramaticografia, Figuras de Linguagem, Rede conceitual, Continuidade, Descontinuidade

Resumo

Esta pesquisa busca analisar qual o tratamento dado às figuras de linguagem (doravante F.L), na gramaticografia de língua portuguesa produzida nos séculos XVIII e XIX, mais especificamente em três fontes canônicas, a saber: A arte da grammatica de língua Portuguesa, de Antonio Reis Lobato, datada de 1770, a Grammatica  Philosofica de Língua Portugueza, de Jerônimo Soares Barbosa, publicada em 1822 e a Grammatica Portugueza elementar fundada sob o methodo histórico-comparativo, de Teófilo Braga, publicada em 1876. Para tanto utilizamos como referencial teórico a noção de rede conceitual em Polachini (2018), relações lógicas entre termos, em Swiggers (2004; 2010); Paradigma Tradicional de Gramatização, em Vieira (2018). A presente pesquisa revelou as inconsistências e convergências dos autores das gramáticas analisadas no tocante ao tratamento dado às figuras de linguagem. A categoria rede conceitual possibilitou a percepção de continuidades e descontinuidades a partir das relações de equivalência, intersecção e contrariedade entre os metatermos analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Darcijane dos Santos Nunes, UFPB

Doutoranda em Linguística (PROLING-UFPB). Atua como professora de língua inglesa da Educação Básica III lotada na Secretária de Educação do Estado da Paraíba.

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas, SP: Unicamp, 1992.

BARBOSA, J. S. Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza. Lisboa: Typographia da Academia das Sciencias, 1822.

BARROS, J. Grammatica da lingua portuguesa, 1540. (Digitalizada em PDF)

BRAGA, T. Grammatica portuguesa elementar: fundada sobre o methodo historico-comparativo,1786. (Digitalizada em PDF)

BATISTA, R, de O. de; SILVA, É. A. C. da. Halliday e sua retórica: posicionamentos teóricos na linguística moderna. Confluência, revista do Instituto de Língua Portuguesa, Rio de Janeiro, nº 56, 1º semestre de 2019. DOI https://doi.org/10.18364/rc.v1i56.297

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

NUNES, D. dos S. Efeitos de sentido de figuras de linguagem no gênero anúncio publicitário: uma abordagem dialógica. 81 f. Dissertação (mestrado em Linguística) -Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/7718

DIONÍSIO. Tékhne Grammatikē. Séc. I a.C. In: CHAPANSKI, G. Uma tradução da Tékhne Grammatike, de Dionísio Trácio, para o português. 2003. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003. Disponível em: http://www.classicas.ufpr.br/projetos/dissertacoes/GisseleChapanskiTekhneGrammatike.pdf .

FÁVERO, L. L.; MOLINA, M. A. G. História das ideias linguísticas: origem, método e limitações. Revista da ANPOLL, n. 16, p. 143-146, jan.-jun. 2004. DOI https://doi.org/10.18309/anp.v1i16.553

FIORIN, J. L. Figuras de Retórica. São Paulo, Contexto, 2014.

GURGEL, S. A representatividade como critério de seleção de fontes: um problema epistemológico. Estudos Lingüísticos XXXVI (2), maio-agosto, p. 266-273, 2007.

KOERNER, E. F. K. O problema da metalinguagem na historiografia linguística. In: Quatro décadas de historiografia linguística: estudos selecionados. Coleção Linguística 11. Estúdio de Artes Gráficas – Braga. Agosto de 2014. p. 75 à 90.

KOERNER, E. F. K. História da linguística. N. o 46 – 1.º semestre de 2014 – Rio de Janeiro Disponível em: http://llp.bibliopolis.info/confluencia/rc/index.php/rc/ar ticle/view/4/6. Acesso em: 30 jan. 2020. DOI https://doi.org/10.18364/rc.v1i46.4

LOBATO, A. J. dos Reis. A arte da grammatica da língua portuguesa, 1770. (Digitalizada em PDF)

POLACHINI, B. Uma história serial e conceitual da gramática brasileira oitocentista de língua portuguesa. - São Paulo, 2018.458 f. Tese (Doutorado)- Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Departamento de Linguística. Área de concentração: Semiótica e Linguística Geral.

SWIGGERS, P. 2004. Modelos, métodos y problemas en la historiografía de la lingüística. Nuevas aportaciones a la historiografía lingüística. CORRALES ZUMBADO, C., et al. Actas del IV Congreso Internacional de la SEHL, La Laguna (Tenerife), 22 al 25 de octubre de 2005, vol. I. Madrid: Arco Libros. p. 113-146

VIEIRA, F. E. A gramática tradicional: história crítica.1 ed. São Paulo: Parábola, 2018.

Downloads

Publicado

21.08.2021

Como Citar

NUNES, D. dos S. O tratamento das figuras de linguagem em gramáticas setecentista e oitocentista de língua portuguesa. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 16, n. 2, p. 449–486, 2021. DOI: 10.14393/DL50-v16n2a2022-4. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/61433. Acesso em: 26 nov. 2022.