A ascensão da Língua Portuguesa em São Tomé e Príncipe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL51-v16n3a2022-4

Palavras-chave:

São Tomé e Príncipe, Português, Línguas Locais

Resumo

Este artigo discute a ascensão do português em São Tomé e Príncipe. Com base em processos históricos de interação social nos períodos colonial e pós-colonial, observou-se a difusão da língua portuguesa em detrimento das línguas locais, ainda que o input em português fosse, inicialmente, limitado. Em decorrência de pressões assimilatórias, reforçadas ao longo dos séculos XIX e XX, a população não portuguesa favoreceu o uso e a transmissão intergeracional do português, comportamento validado pelas elites locais. Após 1975, o português foi, então, consolidado, como a língua transmitida pelas gerações mais velhas, tornando-se a língua materna da maior parte da população de São Tomé e Príncipe, possibilitando, assim, a emergência de variedades singulares do português, as quais são marcadas pelo contato com as demais línguas locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Macedo Balduino, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Filologia e Língua Portuguesa, Universidade de São Paulo (USP).

Manuele Bandeira, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Doutora em Filologia e Língua Portuguesa (USP), professora adjunta da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB).

Referências

AFONSO, B. A problemática do bilinguismo e ensino da língua portuguesa em S. Tomé e Príncipe. 2018. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade Nova de Lisboa, 2008.

AGOSTINHO, A. L. Fonologia e método pedagógico do lung’Ie. 2015. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

AGOSTINHO, A. L. BANDEIRA, M; ARAUJO, G. O Lung’ie na educação escolar de São Tomé e Príncipe. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, 55, 3, 591-618, 2016. DOI https://doi.org/10.1590/010318135164183401

AKESSON, L. Narrating São Tomé: Cape Verdean memories of contract labour is portuguese empire. Etnográfica, v. 20, n. 1, p. 57-76, 2016. DOI https://doi.org/10.4000/etnografica.4178

ARAUJO, G.; AGOSTINHO, A. L. Padronização das línguas nacionais de São Tomé e Príncipe. Língua e Instrumentos Linguísticos, v. 26, p. 49-81, 2010.

ARAUJO, G.; HAGEMEIJER, T. Dicionário Santome-Português/Português- Santome. São Paulo: Hedra, 2013.

ARAUJO, G. Há uma política linguística para o português em São Tomé e Príncipe?. In: SOUZA, S.; OLMO, F.C. (org.). Línguas em português - A Lusofonia numa visão Crítica. Porto: Universidade do Porto Press, 2020.

BAGNO, M. Norma linguística, hibridismo e tradução. Traduzires, v. 1, n. 1, p. 19-32, 2012.

BALDUINO, A. M. A nasalidade vocálica no português falado em São Tomé e Príncipe. 2018. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

BANDEIRA, M. Reconstrução fonológica e lexical do protocrioulo do Golfo da Guiné. 2017. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

BAXTER, A. O Português dos Tongas de São Tomé. In: OLIVEIRA, M. D; ARAUJO, G. (org.). O Português na África Atlântica. São Paulo: Humanitas/ Fapesp, 2018. p. 297-324.

BERTHET, M. Reflexões sobre as roças em São Tomé e Príncipe. Estudos Históricos (Rio de Janeiro), v. 25, n. 50, p. 331-351, 2012. DOI https://doi.org/10.1590/S0103-21862012000200004

BERTHET, M. São Tomé e Príncipe: reflexões sobre alguns aspectos de sua história agrícola no pós-independência. Estudos Ibero-Americanos, v. 42, n. 3, p. 961-986, 2016. DOI https://doi.org/10.15448/1980-864X.2016.3.23107

BOURDIEU, P. The forms of capital. In: RICHARDSON, J. Handbook of theory and research for the Sociology of education. Westport, CT: Greenwood, 1986. p. 241-258.

BOUCHARD, M. Linguistic variation and change in the Portuguese of São Tomé. 2017. Tese (Doutorado em Filosofia) - Departamento de Linguística, New York University, New York, 2017. DOI https://doi.org/10.5334/jpl.192

BOWERN, C. Linguistic fieldwork – A practical guide. London: Palgrave Macmillan, 2008. DOI https://doi.org/10.1057/9780230590168

BRANDÃO, S. F.; PESSANHA, D.; PONTES, S.; CORRÊA, M. Róticos na variedade urbana do português de São Tomé. PAPIA, v. 27, n. 2, p. 293-315, 2017.

CALDEIRA, A. Crenças religiosas e ritos mágicos na ilha de Ano Bom: uma aproximação histórica. Povos e Culturas, v. 11, p. 87-111, 2007.

CRYSTAL, D. English as a global language. Cambridge: CUP, 1997.

FARACLAS, N (Ed.). Agency in the Emergence of Creole Languages. The Role of Women, Renegades, and People of African and Indigenous Descent in the Emergence of the Colonial Era Creoles. Amsterdam/Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 2012. DOI https://doi.org/10.1075/cll.45

FARACO, C. Lusofonia: utopia ou quimera? Língua, história e política. In: LOBO, T. et al. (org.). Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias [on-line]. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 31-50.

FERRAZ, L. I. The creole of São Thome. Johannesburg: Witwatersrand University Press, 1979.

FIGUEIREDO, C. A concordância plural variável no sintagma nominal do português reestruturado da comunidade de almoxarife, São Tomé. 2010. Tese (Doutorado em Letras), Universidade de Macau, Macau.

GALVÃO, H.; SELVAGEM, C. Império ultramarino português. Monografia do Império. Lisboa: Empresa Nacional de Publicidade, 1951. v. 2.

GOMES, L. Escravidão: do primeiro leilão de cativos em Portugal à morte de Zumbi dos Palmares. 1. ed. Rio de Janeiro: Globo Livros, 2019. V. 1.

GONÇALVES, R. Propriedade de subcategorização verbal no português de S. Tomé. 2010. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade de Lisboa, 2010.

GONÇALVES, R.; HAGEMEIJER, T. O português num contexto multilingue: o caso de São Tomé e Príncipe. Revista Científica da Universidade Eduardo Mondlane, v.1, n.1, p. 84-103, 2015.

GROSJEAN, F., MELLO, H. A.; REES, K. Bilingüismo Individual. Revista UFG, v. 10, n. 5, p. 163-176, 2017.

HAGEMEIJER, T. As ilhas de Babel: A crioulização no Golfo da Guiné. Revista Camões, v. 6, p. 74-88, 1999.

HAGEMEIJER, T. Initial vowel agglutination in the Gulf of Guinea creoles. In: ABOH, E.; SMITH, N. (ed.). Complex processes in new languages. Amsterdam/Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 2009. p. 29-50. DOI https://doi.org/10.1075/cll.35.04hag

HAGEMEIJER, T. The Gulf of Guinea creoles: genetic and typological relations. Journal of Pidgin and Creole Languages, v. 26, n. 1, p. 111-154, 2011. DOI https://doi.org/10.1075/jpcl.26.1.05hag

HAGEMEIJER, T. From creoles to Portuguese: Language shift in São Tomé and Príncipe. In: LÓPEZ, L.; GONÇALVES, P.; AVELAR, J. (ed.). The Portuguese language continuum in Africa and Brazil. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2018. p. 169-184. DOI https://doi.org/10.1075/ihll.20.08hag

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (INE). 2016. São Tomé e Príncipe em Números. São Tomé: 2001. Disponível em: https://www.ine.st/index.php/component/phocadownload/category/58-educacao.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (INE). 2010. São Tomé e Príncipe em Números. São Tomé: 2001. Disponível em: https://www.ine.st/index.php.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (INE). 2012. São Tomé e Príncipe em Números. São Tomé: 2001. Disponível em: https://www.ine.st/index.php

LADHAMS, J. Article agglutination and the African contribution to the Portuguese based Creoles, 2007. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/322224100_Article_agglutination_and_the_African_contribution_to_the_Portuguese-based_Creoles. Acesso em: 12 maio 2020.

LUCCHESI, D.; BAXTER, A. A transmissão linguística irregular. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (ed.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 427 – 445. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

MAURER, P. Principense Grammar texts, and vocabulary of the Afro-Portuguese creole of the island of Príncipe, Gulf of Guinea. London: Battlebridge Publications, 2009.

MILLS, W. A elite do poder. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

MILHEIRO, A. V. São Tomé e Príncipe e o trabalho do Gabinete de Urbanização Colonial (1944-1974). In: Actas do Colóquio Internacional São Tomé e Príncipe numa perspectiva interdisciplinar, diacrónica e sincrónica, 2012. p. 87-127.

MOSCA, G. La classe politica. México: Fondo de Cultura Econômica, 1992.

MYERS-SCOTTON, C. The roots of language contact. In: MYERS-SCOTTON, C. (org.). Contact linguistics: bilingual encounters and grammatical outcomes. Oxford: University Press, 2002. p. 30-52. DOI https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780198299530.001.0001

NASCIMENTO, A. História da Ilha do Príncipe. Lisboa: Oeiras, 2010.

NASCIMENTO, A. Atlas da lusofonia. São Tomé e Príncipe. Lisboa: Prefácio, 2008.

PRATAS, F. O sistema pronominal do cabo-verdiano (variante de Santiago). 2002. Dissertação (Mestrado em Linguística), Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2002.

ROUGÉ, J. Dictionnaire étymologique des créoles portugais d’Afrique. Paris: Karthala, 2004.

SANTIAGO, A. M; AGOSTINHO, A. L. Situação linguística do português em São Tomé e Príncipe. A Cor das Letras, v. 21, n. 1, p. 39-61, 2020. DOI https://doi.org/10.13102/cl.v21i1.4970

SANTOS, V. G. Aspectos prosódicos do português de Guiné-Bissau: a entoação do contorno neutro. 2015. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SEIBERT, G. Comrades, Clients and Cousins. Colonialism, Socialism and Democratization in São Tomé and Príncipe. Leiden: Brill, 2006. DOI https://doi.org/10.1163/9789047408437

SEIBERT, G. Novos elementos para a história da introdução do cacau em África, 2008. Disponível em: http://www2.iict.pt/?idc=102&idi=12770. Acesso em: 6 set. 2015.

SEIBERT, G. Tenreiro, Amador e os angolares ou a reinvenção da história da ilha de São Tomé. Realis — Revista de Estudos Antiutilitaristas e Poscoloniais, v. 2, n. 2, p. 21-39, 2012.

SEIBERT, G. Colonialismo em São Tomé e Príncipe: hierarquização, classificação e segregação da vida social. Anuário Antropológico, 2015. Disponível em: http://journals.openedition.org/aa/1411. Acesso em: 10 jan. 2019. DOI https://doi.org/10.4000/aa.1411

TRASK, R. Dicionário de linguagem e linguística. São Paulo: Editora Contexto, 2011.

Downloads

Publicado

17-06-2022

Como Citar

BALDUINO, A. M.; BANDEIRA, M. A ascensão da Língua Portuguesa em São Tomé e Príncipe . Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 16, n. 3, p. 991–1025, 2022. DOI: 10.14393/DL51-v16n3a2022-4. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/59115. Acesso em: 18 ago. 2022.