Da categorização radial à representação construcional

como a Gramática de Construções pode explicar efeitos de prototipicidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL48-v15n4a2021-3

Palavras-chave:

Categoriais radiais, Protótipo, Gramática de Construções Baseada no Uso, Representação redundante

Resumo

Com base nos resultados de um experimento psicolinguístico, Muniz (2019) argumenta que os verbos “cortar”, “quebrar” e “rasgar” do português brasileiro definem categorias semânticas com estrutura radial. Neste artigo, investigamos se esses resultados podem ser atribuídos à existência de níveis construcionais redundantes na representação do conhecimento linguístico, tal como advogado pela Gramática de Construções Baseada no Uso. A fim de verificar essa hipótese, foi realizado um experimento de produção induzida no qual os participantes deveriam fornecer descrições orais de vídeos em que eram encenados eventos de separação. Os resultados forneceram evidências favoráveis à nossa hipótese, sugerindo que pode ser promissora a aproximação entre os estudos sobre categorização radial, de um lado, e as pesquisas em Gramática de Construções, de outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Pinheiro, UFRJ

Professor do Departamento de Linguística e Filologia da UFRJ, onde atua em cursos de graduação e no Programa de Pós-Graduação em Lingu´ística. 

Referências

BOHNEMEYER, J., BOWERMAN, M.; BROWN, P. Cut and break clips. In: LEVINSON, S. C.; ENFIELD, N. J. (ed.). Manual for the field season 2001. Nijmegen: Max Planck Institute for Psycholinguistics, 2001.

CROFT, W. Verbs: aspect and causal structure. Oxford: University Press, 2012. DOI https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780199248582.001.0001

DIESSEL, H. The grammar network: How linguistic structure is shaped by language use. Cambridge: University Press, 2019. DOI https://doi.org/10.1017/9781108671040

DIESSEL, H. Usage-based Construction Grammar. In: DABROWSKA, E.; DAGMAR, D. (ed.). Handbook of Cognitive Linguistics. Berlin: Mouton de Gruyter, 2015.

FILLMORE, C. J.; KAY, P.; O’CONNOR, C. Regularity and idiomaticity in grammatical constructions: the case of let alone. Language, v. 63, n. 3, 1988. DOI https://doi.org/10.2307/414531

GEERAERTS, D. Where does prototipicality come from? In: RUDZA-OSTIN, B. (ed.). Topics in Cognitive Linguistics. Amsterdam: John Benjamins, 1988. DOI https://doi.org/10.1075/cilt.50.09gee

GEERAERTS, D. Prospects and problems of prototype theory. In: GEERAERTS, D. (ed.). Cognitive Linguistics: Basic readings. Berlin / New York: Mouton de Gruyter, 2006. DOI https://doi.org/10.1515/9783110199901

GOLDBERG, A. E. Constructions at work: The nature of generalization in language. Cambridge: University Press, 2006.

HOFFMANN, T. From constructions to construction grammar. In: DANCYGIER, B. (ed.) The Cambridge Handbook of Cognitive Linguistics. Cambridge : University Press, 2017.

LAKOFF, G. Women, fire and dangerous things: What categories reveal about the mind. Chicago: University of Chicago Press, 1987. DOI https://doi.org/10.7208/chicago/9780226471013.001.0001

LANGACKER, R. A usage-based model. In: RUDZKA-OSTYN, B. (ed.). Topics in Cognitive Linguistics. Amsterdam: John Benjamins, 1988. DOI https://doi.org/10.1075/cilt.50.06lan

LANGACKER, R. Foundations of Cognitive Grammar – Vol. II : Descriptive application. Stanford: University Press, 1991.

LEITE DE OLIVEIRA, D. Foco sentencial em russo sob uma perspectiva construcionista baseada no uso: a construção com o marcador éto. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 61, n. 1, 2019. DOI https://doi.org/10.20396/cel.v61i1.8654200

PEREK, F. Argument structure in Usage-Based Construction Grammar. Amsterdam / Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 2015. DOI https://doi.org/10.1075/cal.17

PEREK, F. Alternation-based generalizations are stored in the mental grammar: Evidence from a sorting task experiment. Cognitive Linguistics, v. 23, n. 3, 2012. DOI https://doi.org/10.1515/cog-2012-0018

PINHEIRO, D. Um modelo gramatical para a linguística funcional-cognitiva : da Gramática de Construções para a Gramática de Construções Baseada no Uso. In: ALVARO, P. T. ; FERRARI, L. (org.). Linguística Cognitiva: da linguagem aos bastidores da mente. Campos: Brasil Multicultural, 2016.

ROSCH, E. ; MERVIS, C. B. Family resemblances: Studies in the internal structure of categories. Cognitive Psychology, v. 7, n. 4, 1975. DOI https://doi.org/10.1016/0010-0285(75)90024-9

Downloads

Publicado

20.12.2021

Como Citar

MUNIZ, J. C.; PINHEIRO, D. Da categorização radial à representação construcional: como a Gramática de Construções pode explicar efeitos de prototipicidade. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 15, n. 4, p. 932–978, 2021. DOI: 10.14393/DL48-v15n4a2021-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/58712. Acesso em: 1 dez. 2022.