A expressão variável do imperativo no português brasileiro

uma análise sob o viés construcional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL48-v15n4a2021-5

Palavras-chave:

Modo imperativo, Variação linguística, Gramática de Construções, Mesclagem, Teoria Baseada no Uso

Resumo

O imperativo de 2ª pessoa do singular no português brasileiro pode ser visto como uma construção com propriedades específicas nos termos de Goldberg (1995, 2006) bem como de Traugott e Trousdale (2013). Essa construção expressa-se por meio três instâncias construcionais: o imperativo verdadeiro (indicativo + tu), o imperativo supletivo (subjuntivo + você) e o imperativo abrasileirado (indicativo + você), conforme Scherre (2007), Paredes Silva et al. (2000) e Carvalho (2020). Neste artigo, com o intuito de estabelecer relações entre a Linguística Cognitiva e a Sociolinguística, discutem-se as interações entre essas construções com base na Teoria da Mesclagem Conceptual, de Fauconnier e Turner (2002), bem como a produtividade das formas imperativas na língua à luz da Teoria Baseada no Uso, de Bybee (2013). Nesse sentido, é possível entender que o imperativo abrasileirado tenha se originado a partir de um processo de mesclagem entre o imperativo verdadeiro e o imperativo supletivo e se espraiado no território nacional ao longo do tempo como uma construção típica do português brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Fernando de Carvalho, UFMG

Doutorando em Linguística Teórica e Descritiva (POSLIN/UFMG).

Referências

BAGNO, M. É imperativo mudar de atitude! In: Gramática, pra que te quero? Curitiba: Aymara, 2010.

BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. atualizada pelo Novo Acordo Ortográfico. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BYBEE, J. L. Used-based Theory and Exemplar Representations of Construction. In: HOFFMANN, T. H.; TROUSDALE, G. (org). The Oxford Handbook of Construction Grammar. Oxford University Press, 2013. DOI https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780195396683.013.0001

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexicon Editora Digital, 2007.

CARVALHO, L. F. de. O estatuto variável do imperativo de 2a pessoa do singular em missivas mineiras: um estudo sociolinguístico de cunho histórico (séculos XIX e XX). Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

DINIZ, J. S. A expressão variável do imperativo de 2a pessoa do singular no português brasileiro: análise de cartas pessoais dos séculos XIX e XX. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

FARIA, I. H. O uso da linguagem. In: MATEUS, M. H. M.; BRITO, A. M.; FARIA, I. H.; FROTA, S.; MATOS, G.; OLIVEIRA, F.; VIGÀRIO, M.; VILLALVA, M. Gramática da língua portuguesa. Lisboa: Caminho, 2006. p. 55-84.

FAUCONNIER, G. Mental spaces. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

FAUCONNIER, G. Mappings in thought and language. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. DOI https://doi.org/10.1017/CBO9781139174220

FAUCONNIER, G.; TURNER, M. Conceptual blending and the mind´s hidden complexities. New York: Basic Books, 2002.

FERRARI, L. Modelos de gramática em linguística cognitiva: princípios convergentes e perspectivas complementares. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Letras e cognição, n. 41 p. 149-165, 2010.

FILLMORE, C. J.; KAY, P.; O'CONNOR, M. C. Regularity and idiomaticity in grammatical constructions: the case of let alone. Language. vol. 64, n. 03, p. 501-538, sep., 1988. DOI https://doi.org/10.2307/414531

GOLDBERG, A. E. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

GOLDBERG, A. E. Constructions at work: the nature of generalization in language. Oxford: Oxford University Press, 2006.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Gerência de Estudos e Análises da Dinâmica Demográfica. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 2000-2060. Revisão 2013.

LABOV, W. Sociolinguistic Patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change. Oxford/Cambridge: Blackwell, 1994.

LANGACKER, R. Foundations of cognitive grammar. vol. I: Theoretical prerequisites. Standford CA: Stanford University Press, 1987.

LANGACKER, R. Foundations of cognitive grammar. vol II: Descriptive applications. Standford CA: Stanford University Press, 1991.

LOPES, C. R. dos S.. Pronomes pessoais. In: VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007. p. 103-114.

LOPES, C. R. dos S.; CAVALCANTE, S. R. de O.. A cronologia do voceamento no português brasileiro: expansão de você-sujeito e retenção do clítico-te. Linguística, v. 25, p. 30- 65, jun., 2011.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

PAREDES SILVA, V. L.; SANTOS, G. M.; RIBEIRO, T. de O. Variação na 2ª pessoa: o Pronome sujeito e a forma do imperativo. Gragoatá, UFF, v. 9, n. 9, p. 115-123, 2000.

PINTZUK, S. VARBRUL programs. 1988.

ROCHA LIMA, C. H. da. Gramática normativa da língua portuguesa. 51. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2010 [1972].

ROMAINE, S. Socio-historical linguistics: its status and methodology. New York: Cambridge University Press, 2010 [1982].

TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G. Constructionalization and constructional changes. New York: OUP, 2013. DOI https://doi.org/10.1093/acprof:oso/9780199679898.001.0001

RIVA, H. C. Dicionário onomasiológico de expressões idiomáticas usuais na língua portuguesa do Brasil. (Tese em Análise Linguística) – Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2008.

RUMEU, M. C. de B. Formas variantes do imperativo de segunda pessoa nos séculos XIX e XX: a expressão do social. Signum: Estudos da Linguagem, v. 19, n. 2, p. 310-41, 2016. DOI https://doi.org/10.5433/2237-4876.2016v19n2p310

RUMEU, M. C. de B. A inserção do você no português brasileiro escrito dos séculos XIX e XX: reflexos nas construções imperativas de 2SG. Labor Histórico, v. 5, n. Especial 1, p. 15-38, 2019. DOI https://doi.org/10.24206/lh.v5iespecial.24395

SALOMÃO, M. M. M. Gramática das construções: a questão da integração entre sintaxe e léxico. Veredas: revista de estudos linguísticos, v. 6, n. 1, p. 63-64, jan./jun., 2002.

SCHERRE, M. M. P. Norma e uso na expressão do imperativo em revistas em quadrinhos da Turma da Mônica. In: SILVA, D. E. G. da; LARA, G. M. P.; MENEGAZZO, M. A. (org.). Estudos de Linguagem: inter-relações e Perspectivas. Campo Grande: Editora UFMS, 2003. p. 177-191.

SCHERRE, M. M. P. Aspectos sincrônicos e diacrônicos do imperativo gramatical no Português Brasileiro. Alfa, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 189-222, 2007.

SCHERRE, M. M. P. Padrões sociolinguísticos do português brasileiro: a importância da pesquisa variacionista. Tabuleiro de Letras. n. 4, p. 01-32, jun., 2012.

SCHERRE, M. M. P.; FREITAS, V. A. de L.; DIAS, J. G.; JESUS, É. T. de; OLIVEIRA, H. R. de. Restrições sintáticas e fonológicas na expressão variável do imperativo no português do Brasil. In: II Congresso Nacional da ABRALIN e XIV Instituto Linguístico. Florianópolis, Taciro – Produção de Cds Multimídia, 2000. p.1333-1347.

SCHERRE, M. M. P.; TESCH, L. M.; YACOVENCO, L. C. Variação e mudança na fala e na escrita: caminhos e fronteiras. Revista (Con)textos Linguísticos, v. 8, n. 10.1, p. 87-106, 2014.

SEARLE, J. R. Speech acts: an essay in the philosophy of language. Cambridge University Press, 1969. DOI https://doi.org/10.1017/CBO9781139173438

SOUZA, A L. A gramática de construções. In: HERMONT, A. B.; ESPIRITO SANTO, R. S.; CAVALCANTE, S. M. S. (org.). Linguagem e Cognição: diferentes perspectivas – de cada lugar um outro olhar.1. ed. Belo Horizonte: PUCMINAS, 2010.

Downloads

Publicado

21-12-2021

Como Citar

CARVALHO, L. F. de. A expressão variável do imperativo no português brasileiro: uma análise sob o viés construcional. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 15, n. 4, p. 1022–1058, 2021. DOI: 10.14393/DL48-v15n4a2021-5. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/58615. Acesso em: 11 ago. 2022.