Toponímia indígena no Acre

a fauna, a flora e as águas em nomes de espaços geográficos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL46-v15n2a2021-2

Palavras-chave:

Toponímia indígena, Acre, Motivação toponímica, Atlas Toponímico da Amazônia Ocidental Brasileira

Resumo

A Toponímia, disciplina que estuda o nome dos lugares, é um dos ramos da Onomástica, ciência responsável pelo estudo do nome próprio. O presente trabalho tem como objetivo traçar um perfil dos topônimos indígenas da zona rural do Estado do Acre, destacando as motivações ligadas à fauna, à flora e às águas na nomeação dos espaços acreanos. Os dados – coletados nos mapas fornecidos pelo IBGE: os municipais com escala de 1: 250 000 e o mapa físico do estado do Acre com escala 1:1000 000 – foram analisados com base na proposta teórico-metodológica de Dick (1990, 1992), especialmente quanto ao modelo taxionômico, composto por 27 taxes, subdivididas em categorias de natureza física e natureza antropocultural, e quanto à catalogação e armazenamentos dos dados nas fichas lexicográfico-toponímicas (DICK, 2004). A análise revelou que, dos 392 topônimos indígenas coletados, 74% são nomes ligados a características físico-geográficas, 20% concernentes a fatores antropoculturais e 6% com classificação não identificada. A pesquisa demonstrou que a motivação toponímica se baseia, principalmente, nos aspectos da flora, da fauna e da hidrografia revelados nos extratos linguísticos de origem Tupi – predominante no corpus analisado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rozangela de Melo Martins da Costa, Secretaria de Educação do Estado do Acre - SEE/AC

Mestre em Letras: linguagem e identidade, pela Universidade Federal do Acre. Professora de Geografia em turmas de Educação Básica no estado do Acre.

Alexandre Melo de Sousa, Universidade Federal do Acre

Professor Associado da Universidade Federal do Acre, nas áreas da Linguística Geral, Linguística Aplicada à Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Mestre e Doutor em Linguística pela Universidade Federal do Ceará.

Referências

ACRE. Governo do Estado do Acre. Programa Estadual de Zoneamento Ecológico e Econômico do Estado do Acre, fases I e II. Zoneamento Ecológico econômico: recursos naturais e meio ambiente e indicativos para a gestão territorial. Rio Branco: SECTMA, 2000/2006/2010.

ANDRADE, K. S. Atlas toponímico de origem indígena do Estado de Tocantins. Goiás: Editora da PUC, 2010.

ANDRADE, K. S. Atlas toponímico de origem indígena do Estado de Tocantins: Projeto ATITO. 2006. 186 f. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

ANDRADE, K. S.; DICK, M. V. de P. do A. A interdisciplinaridade no contexto da Toponímia: reflexões iniciais de uma proposta aplicada ao ensino. In: ISQUERDO, A. N.; SEABRA, M. C. T. C. de. (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia e terminologia. Campo Grande: Editora UFMS, 2012. p. 193-207. (Vol. VI).

ANDRADE, K.; FLORES, K. M. Imaginário e representação na formação da toponímia do Tocantins colonial. Revista Filologia e Linguística Portuguesa, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 239-255, jul./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v19i2p239-255.

AQUINO, T. V. de; IGLESIAS, M. P. Povos e Terras Indígenas no Estado do Acre - Governo do Estado do Acre - Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais - Programa estadual de Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Acre - Fase II – Rio Branco, 2005.

AULETE, F. J. C. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa Caldas Aulete. 5. ed. Rio de Janeiro: Delta, 1970.

BUENO, F. da S. Grande dicionário etimológico-prosódico da Língua Portuguesa: vocábulos, expressões da língua geral e científica, sinônimos, contribuições do tupi-guarani. São Paulo: Saraiva, 1963.

CARVALHINHOS, P. de J. Toponímia e memória: quando o passado não é utopia. In: BRAGA, R. C. G. et al. (org.). Memória e Utopia. Rondonópolis: Previsão: 2010.

CARVALHINHOS, P. de J. Interface onomástica/ literatura: a toponímia, o espaço e o resgate de memória na obra de memórias da rua do ouvidor de Joaquim Manuel de Macedo. In: Cadernos do CNLF, Rio de Janeiro, v. XII, n. 10, p. 83-99, agosto, 2009.

CARVALHINHOS, P. de J. As origens dos nomes de pessoas. Domínios de Lingu@gem: Revista Eletrônica de Linguística, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 1-18, jan./jun. 2007. ISSN 1980-5799. Available from: http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/11401. Access on: Jun. 20 2020.

CARVALHINHOS, P. de J. Onomástica e lexicologia: o léxico toponímico como catalisador e fundo de memória. Estudo de caso: os sociotoponyms de Aveiro (Portugal). Revista USP, São Paulo, n. 56, p. 172-179, dez./fev. 2002-2003. Available from: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/download/33819/36557. Access on: Jun. 25 2020. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i56p172-179

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa. São Paulo, Nova Fronteira, 1986.

DARGEL, A. P. T. P. Entre buritis e veredas: o desvendar da toponímia do Bolsão sul-mato-grossense. Mato Grosso do Sul, 2003. Dissertação (Mestrado) – UFMS, 2003.

DICK, M. V. de P.do A. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Arquivo do Estado, 1992.

DICK, M. V. de P. do A. Rede de conhecimento e campo lexical: hidrônimos e hidrotoponyms na onomástica brasileira. In: ISQUERDO, A. N.; KRIEGER, M. da G. As ciências do léxico. Campo Grande: UFMS, 2004. (Vol. II).

DICK, M. V. de P. do A. Etnia e etnicidade: um novo modo de nomear. Projeto ATESP/ATB. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; FINATTO, Maria José Bocorny. As ciências do léxico. Campo Grande: UFMS, 2010. (Vol. IV)

DICK, M. V. de P. do A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas/FFLCH/USP, 1990. (Coletânea de Estudos).

FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: características gerais da população. Available from: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Access on: Mar. 10 2020.

IGLESIAS, M. P.; ÔCHOA, M. L. P.; TEIXEIRA, G. de A. Índios no Acre: História e organização. Rio Branco: Comissão Pró-Índio do Acre, 2003.

ISQUERDO, A. N. Prefácio. In: AMARAL, E. T. R. do; SAIDE, M. S. Nomes próprios de pessoa: introdução à antroponímia brasileira. São Paulo: Blucher, 2020.

ISQUERDO, A. N. Léxico regional e léxico toponímico: interfaces linguísticas, históricas e culturais. In: ISQUERDO, A. N.; SEABRA, M. C. T. C. de (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia e terminologia. Campo grande: Editora da UFMS, 2012. p. 115-139. (Vol. VI).

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1992. p. 368.

MARTINS, R. de M. O perfil da toponímia indígena na zona rural do Estado do Acre. 2017. 147 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Acre, Programa de Pós-Graduação Letras, Linguagem e Identidade. Rio Branco, 2017.

MELATTI, J. C. Índios do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2007.

MORAIS, M. de J. Acreanidade: invenção e re-invenção da identidade acreana. Niterói. Tese (Doutorado em Geografia), UFF. 2008.

NAVARRO, E. de A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global, 2013.

NEVES, M. V. História Nativa do Acre. In: ACRE. Acre, Governo do Estado do Acre: povos do Acre: história indígenas da Amazônia Ocidental. Rio Branco: Fem, 2002.

RANZI, C. M. D. Raízes do Acre. 3. ed. Rio Branco: EDUFAC, 2008.

SALAZAR-QUIJADA, A. La toponímia em Venezuela. Caracas: Universidad Central de Venezuela, 1985.

SAMPAIO, T. O Tupi na geografia nacional. 5. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1987.

SEABRA, M. C. T. C.; SANTOS, M. M. D. dos. Toponímia de Minas Gerais em registros cartográficos históricos. In: ISQUERDO, A. N.; SEABRA, M. C. T. C. de (org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande: UFMS, 2012. (Vol. VI).

SILVA, S. S. (coord.). Acre: uma visão temática de sua Geografia. Rio Branco: EDUFAC, 2008.

SOUSA, A. M. de. Desbravando a Amazônia Ocidental Brasileira: estudo toponímico dos acidentes humanos e físicos acreanos. 2007. 127 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Linguística. Fortaleza, 2007.

SOUSA, A. M. de. Projeto Atlas Toponímico da Amazônia Ocidental Brasileira: gênese e trajetória. Ícone – Revista de Letras, São Luís de Montes Belos, v. 2, n. 1, p. 31-42, 2008. Available from: https://www.revista.ueg.br/index.php/icone/article/view/5126. Access on: Mar. 20 2020.

SOUSA, A. M. de. Considerações sobre a toponímia acreana: as marcas deixadas pelos desbravadores nordestinos em nomes de seringais e colocações. Caderno Seminal Digital, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 39-50, 2010. DOI https://doi.org/10.12957/cadsem.2010.10245

SOUSA, A. M. de. Língua, cultura e sociedade: a toponímia acreana. São Carlos: Pedro e João Editores, 2019.

SOUSA, A. M. de; DARGEL, A. P. T. P. Onomástica: interdisciplinaridade e interfaces. Revista Gtlex, Uberlândia, v. 3, n. 1, p. 7-22, 2020. DOI https://doi.org/10.14393/Lex5-v3n1a2017-1

TIBIRIÇA, L. C. Dicionário de topônimos brasileiros de origem tupi. 2. ed. São Paulo: Traço, 1997.

Publicado

04.02.2021

Como Citar

COSTA, R. de M. M. da; DE SOUSA, A. M. Toponímia indígena no Acre: a fauna, a flora e as águas em nomes de espaços geográficos. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 15, n. 2, p. 299–321, 2021. DOI: 10.14393/DL46-v15n2a2021-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/57006. Acesso em: 21 maio. 2024.