O uso de folksonomias na campanha de Jair Bolsonaro no YouTube

análise dos conteúdos do primeiro turno das eleições de 2018

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL45-v15n1a2021-2

Palavras-chave:

Folksonomias, Vídeos, Eleições, Política

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar as hashtags e as tags ocultas inseridas nos vídeos de Jair Bolsonaro no YouTube publicados durante o período de campanha do primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras de 2018, com base em teorias sobre internet e campanhas eleitorais, YouTube, folksonomias e tipos de campanha eleitoral. A pesquisa se caracteriza como documental, de métodos mistos e assistida por computador. As análises demonstram que as hashtags praticamente não foram mobilizadas pela campanha de Bolsonaro no YouTube, mas as tags ocultas, visíveis apenas no código HTML, foram amplamente utilizadas. Entre essas tags, destacaram-se as que fazem referência a pessoas, partidos políticos e pautas políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, M. S. Desarranjo da visibilidade, desordem informacional e polarização no Brasil entre 2013 e 2018. 2019. 360 f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BAUER, M. W.; AARTS, B. Corpus Construction: a principle for qualitative data collection. I: BAUER; M. GASKELL, G. (ed.) Qualitative researching with text, image and sound. Londres: Sage, 2000. DOI https://doi.org/10.4135/9781849209731

BEAUDOIN, J. Flickr Image Tagging: Patterns Made Visible. Bulletin of the American Society for Information Science and Technology, Maryland, Outubro/Novembro, p. 26-29, 2007. DOI https://doi.org/10.1002/bult.2007.1720340108.

BORBA, F. Propaganda negativa nas eleições presidenciais brasileiras. Opinião Pública. v. 21, n. 2, p. 268-295, 2015. DOI https://doi.org/10.1590/1807-01912015212268 .

BRASIL. Lei n. 9.504, de 30 de setembro de 1997. Brasília, DF. Disponível em: http://www.tse.jus.br/legislacao/codigo-eleitoral/lei-das-eleicoes/lei-das-eleicoes-lei-nb0-9.504-de-30-de-setembro-de-1997. Acesso em : 31 mar. 2019.

BRASIL. Lei n. 12.034/2009, de 9.887, de 30 de setembro de 2009. Altera o Código Eleitoral. Brasília, DF. Disponível em: http://www.tse.jus.br/legislacao/codigo-eleitoral/lei-das-eleicoes/lei-das-eleicoes-lei-nb0-9.504-de-30-de-setembro-de-1997. Acesso em: 31 mar. 2019.

BRUGNAGO; F. CHAIA, V. A nova polarização política nas eleições de 2014: radicalização ideológica da direita no mundo contemporâneo do Facebook. Aurora: revista de arte, mídia e política, v. 7, n. 21, p. 99-129, 2015.

BURGESS, J.; GREEN, J. YouTube: Online Video and Participatory Culture. Londres: Polity Press, 2018.

CALEFFI, P. M. The hashtag: new word or new rule? Skase Journal of Theoretical Linguistics, Lund University, v. 12, n. 2, 2015.

CATARINO, M. E.; BAPTISTA, A. A. Folksonomias: características das etiquetas na descrição de recursos da web. Inf. Inf., Londrina, v. 14, n. esp., p. 46-67, 2009. DOI http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2009v14n1espp46.

CRESWELL, J. 30 essential skills for the qualitative researcher. Los Angeles: Sage Publications, 2015.

DUVERGER, M. Ciência Política, Teoria e Método. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

ELLIOT, A.; URRY, J. Mobile lives. Londres: Routledge, 2010. Versão Kindle.

ELLIOT, V. Thinking about the Coding Process in Qualitative Data Analysis. The Qualitative Report, v. 23, n. 11, p. 2850-2861, 2018.

FIGUEIREDO, M.; ALDÉ, A.; DIAS, H.; JORGE, V. Estratégias de persuasão eleitoral: uma proposta metodológica para o estudo da propaganda eleitoral. Opinião Pública, v. 4, n. 3, p. 182-203, p.182-203, 1997.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n.3, p, 20-29, 1995. DOI https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000300004

GÜNTHER, H. Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: Esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 22, n. 2, p. 201-210, 2006. DOI https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010

KELLE, U. Computer-Assisted Analysis: Coding and Indexing. In: BAUER; M. GASKELL, G. (ed.) Qualitative researching with text, image and sound. Londres: Sage, 2000.

KRIPPENDORFF, K. Content analysis: An introduction to its methodology. Londres: Sage, 2003.

MACIEL, A. P.; ALARCON, A. O.; GIMENES, A. R. Partidos políticos e espectro ideológico: parlamentares, especialistas, esquerda e direita no Brasil. Revista Eletrônica de Ciência Política, v. 8, n. 3, p. 72-88, 2017. DOI http://dx.doi.org/10.5380/recp.v8i3.54834.

MANIN, B. Metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 29, n. 1, p. 5-34, 1995.

MARQUES, F. P. J.; SAMPAIO, R. C.; AGGIO, C. O. Introdução. In: MARQUES, F. P. J.; SAMPAIO, R. C.; AGGIO, C. O. (org.). Do clique à urna: internet, redes sociais e eleições no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2013. ePub.

MILLER, D. Facebook is dead and buried. The Guardian, Londres, 19 de dezembro de 2013. Disponível em: https://bit.ly/2QEAjFc. Acesso em: 15 mar. 2017.

MOITA-LOPES, L. P. Lingüística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA-LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 85-108.

MOITA LOPES, L. P. Fotografias da Linguística Aplicada brasileira na modernidade recente: contextos escolares. In: MOITA LOPES, L. P. (org.) Linguística Aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013, p. 15-37.

MORRISON, J. Why are they tagging and why do we want to them to? Bulletin of the American Society for Information Science and Technology, Maryland, Outubro/Novembro, p. 12-15, 2007. DOI https://doi.org/10.1002/bult.2007.1720340105.

NEAL, D. Folksonomies and Image Tagging: Seeing the Future? Bulletin of the American Society for Information Science and Technology, Maryland, Outubro/Novembro, p. 7-11, 2007. DOI https://doi.org/10.1002/bult.2007.1720340104.

NEUENDORF, K. The content analysis guidebook. Londres: Sage, 2001.

ONWUEGBUZIE, A. J., COLLINS, K. M. A Typology of Mixed Methods Sampling Designs in Social Science Research. The Qualitative Report, v. 12, n. 2, 281-316, 2007.

ROSA, A. A. C. Novos letramentos, novas práticas? Um estudo das apreciações de professores sobre multiletramentos e novos letramentos na escola. 2016. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

SALDAÑA, J. The coding manual for qualitative researchers. Londres: Sage Publications, 2016.

SIQUEIRA, E. N. N. Categorizações, conjuntos e audiência no Instagram: repensando folksonomias a partir da hashtag #favelatour. 2018. 140 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

STROMER-GALLEY, J. Interação online e por que os candidatos a evitam. In: MARQUES, F. P. J.; SAMPAIO, R. C.; AGGIO, C. O. (org.). Do clique à urna: internet, redes sociais e eleições no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2013. ePub.

WAL, T. V. Folksonomy definition and wikipedia. Disponível em: http://www.vanderwal.net/random/entrysel.php?blog=1750. 22 nov. 2006. Acesso em: 28 fev. 2018.

WORTHAM, J. Still on Facebook, but finding less to like. The New York Times, Nova Iorque, 16 nov. 2013. Disponível em: https://nyti.ms/2W8rK6u. Acesso em: 28 fev. 2018.

Publicado

17.04.2020

Como Citar

SIQUEIRA, E. N. N. . O uso de folksonomias na campanha de Jair Bolsonaro no YouTube: análise dos conteúdos do primeiro turno das eleições de 2018. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 15, n. 1, p. 41–75, 2020. DOI: 10.14393/DL45-v15n1a2021-2. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/52932. Acesso em: 9 dez. 2022.