A figuração do agir em relatórios de estágio

linguagem, escrita e ação no contexto da formação inicial de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL43-v14n3a2020-8

Palavras-chave:

Figuração do agir, Figuras de ação, Relatórios de estágio, Formação de professores, Estágio

Resumo

Neste artigo, na área da Linguística Aplicada, nos propomos a analisar, baseados nos fundamentos teórico-metodológicos do Interacionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 2008, 2009), como professores em formação inicial representam discursivamente, em relatórios de estágio, o seu agir nas atividades de regência e como o processo de figuração do agir, mediado, nesse caso, pela escrita, contribui para a formação e para o desenvolvimento profissional de professores. Para isso, analisamos as figuras de ação (BULEA, 2010) que três duplas de estagiários do curso de Letras da Universidade Federal do Ceará mobilizaram para representarem, em relatórios de estágio, o seu agir nas atividades de ensino. A partir da segmentação de fragmentos por critérios temáticos e enunciativo-discursivos, identificamos as ocorrências de figuras de ação nos três relatórios. Em nossa análise, constatamos a predominância da figura de ação acontecimento passado, que, mobilizada em segmentos de relativo interativo, apresentam uma apreensão retrospectiva do agir compreendido em sua singularidade. A quase totalidade dessa figura nos relatórios analisados nos indica que os estagiários estavam mais interessados em relatar as condutas desenvolvidas em sala de aula, sem, contudo, analisarem, por exemplo, a validade e a produtividade dos procedimentos relatados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADAM, J-M. Linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo: Cortez, 2008.

AMIGUES, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, A. R. (org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. São Paulo: Contexto, 2004.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 4. Ed. SP: Martins Fontes, 2003.

BOTELHO, J. L.; LEURQUIN, E. A influência da organização textual na construção de sentidos em relatórios escritos por professores de língua portuguesa em formação. In: LEURQUIN, E. V. L. F. et ali. (org.). Linguagens, discurso e formação de professores: dissertações do MINTER UFC/UFMA. Fortaleza: Edições UFC, 2010.

BRONCKART, J.-P. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas: Mercado de Letras, 2008.

BRONCKART, J.-P. Os gêneros de textos e os tipos de discurso como formatos das interações propiciadoras de desenvolvimento. In: MACHADO, A. R; MATENCIO, M. L. (org.). Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.

BRONCKART, J.-P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. São Paulo: EDUC, 2009.

BULEA, E. Linguagem e efeitos desenvolvimentais da interpretação da atividade. Campinas: Mercado de Letras, 2010.

BULEA, E.; BRONCKART, J.-P. As potencialidades praxiológicas e epistêmicas dos (tipos de) discursos. Scripta, 2008, vol. 22, no. 12, p. 43-84.

BULEA, E.; LEURQUIN, E; CARNEIRO, F. O agir do professor e as figuras de ação: por uma análise interacionista. In: BUENO, L; LOPES, M; CRISTOVÃO, V. (org.). Gêneros textuais e formação inicial: uma homenagem à Malu Matêncio. 1. ed. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013.

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.

FAÏTA, D. Gêneros de discurso, gêneros de atividade, análise da atividade do professor. In: MACHADO, A. R. (org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004.

GURGEL, M. C. A figuração do agir e os seus efeitos formativos: linguagem, subjetividade, ação e desenvolvimento profissional nas atividades de formação inicial de professores. 2018. 439f. - Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Linguística, Fortaleza (CE), 2018.

LEURQUIN, E. V. L. F. O relatório de observação de aulas como um viés de acesso ao ensino aprendizagem de língua materna. In: MATTES, M; THEOBALD, P. (org.). Ensino de línguas: questões práticas e teóricas. Fortaleza: Edições UFC, 2008.

LEURQUIN, E. V. L. F. O que dizem os professores sobre seu agir professoral? In: GERHARDT, A. F. L. M. (org.). Revista da ANPOLL. Campinas: Pontes, 2013a, v. 1, p. 299-332.

LEURQUIN, E. V. L. F. O gênero acadêmico relatório na formação inicial do professor de língua materna. In: BUENO, L.; LOPES, M. A. P. T.; CRISTÓVÃOS, V. L. L. (org). Gêneros textuais e formação inicial. Campinas: Mercado de Letras, 2013b, p. 87-107.

LOUSADA, E. G. Entre o trabalho prescrito e o realizado: um espaço para a emergência do trabalho real do professor. 2006. 212f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

MACHADO, A. R. (org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. São Paulo: Contexto, 2004.

MACHADO, A. R.; MATENCIO, M. L. (org.). Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.

MACHADO, A. R.; BRONCKART, J. P. (Re-)configurações do trabalho do professor construídas nos e pelos textos: a perspectiva metodológica do grupo ALTER-LAEL. In: ABREU-TARDELLI, L. S.; CRISTOVÃO, V. L. (org.) Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas: Mercado de Letras, 2009.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glaís Cordeiro. Campinas. São Paulo. Mercado das Letras, 2004.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Downloads

Publicado

21-05-2020

Como Citar

GURGEL, M. C. A figuração do agir em relatórios de estágio: linguagem, escrita e ação no contexto da formação inicial de professores. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 908–946, 2020. DOI: 10.14393/DL43-v14n3a2020-8. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/47678. Acesso em: 14 ago. 2022.