Biopolítica e gestão da saúde

o discurso sobre o parto normal na página O renascimento do parto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL43-v14n3a2020-1

Palavras-chave:

Parto normal, Biopolítica, Gestão de saúde, Redes Sociais, Discurso

Resumo

Em 2011, a pesquisa Nascer no Brasil, realizada pela Fundação Oswaldo Cruz, apontou taxas alarmantes de cesáreas no país, mostrando que 52% dos partos são feitos via cesariana. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, esse índice não deve ultrapassar 15%, uma vez que a cirurgia traz mais riscos de vida e complicações para mãe e bebê. Iniciam-se então, por parte do governo, diversas iniciativas para controle dessa taxa. A partir desse cenário, propomo-nos a analisar de que maneira as redes sociais têm contribuído para a modificação da mentalidade em torno do parto normal, através do discurso em prol da vida, bem-estar e produtividade. Utilizamos como aporte teórico os conceitos de sociedade de controle e biopolítica, presentes na obra de Foucault, discutidos por Hardt e Negri. Selecionamos como corpus postagens de uma das principais páginas de apoio ao parto natural, "O renascimento do parto". Os resultados apontam que a página tem utilizado o discurso científico e a divulgação de dados da Medicina Baseada em Evidências (MBE) a fim de discursivizar os benefícios do parto normal em favor da vida da mãe e bebê, fazendo um contraponto à cesárea. Assim, o discurso sobre a vida nas suas mais variadas esferas perpassa as publicações na rede social e problematiza a forma de se pensar o parto, proporcionando a ele uma imagem positiva de preservação da vida, saúde, bem-estar e manutenção de uma boa sexualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monique Galdino, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba

Referências

ANDREZZO, A. F. O desafio do direito à autonomia: uma experiência do plano de parto no SUS. [Dissertação] Mestrado em Saúde Pública – Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2016, 111 p. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6136/tde-07112016-141429/en.php. Acesso em: 20 jan. 2019.

ARCHANJO, P. C. V. Foucault e a Medicina social como estratégia biopolítica. Disponível em: http://m.sabedoriapolitica.com.br/products/foucault-e-a-medicina-social-como-estrategia-biopolitica/ 2017. Acesso em: 14 fev. de 2019.

ARNEY, W. R. Power and the profession of Obstetrics. Londres, The University of Chicago Press, 1982.

BARACUHY, R; PEREIRA, T. A Biopolítica dos corpos na sociedade de controle. In: Gragoatá. Publicação dos Programas de Pós-Graduação do Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense, nº 34, p. 317-324. Niterói: EdUFF, 2014.

BRASIL. Agência Brasil. Número de Cesarianas Cai pela Primeira Vez no Brasil. 2017. In: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-03/numero-de-cesarianas-cai-pela-primeira-vez-no-brasil. Acesso em: 20 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde - Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. 2011. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/arquivos/anexos/nascerweb.pdf Acesso em : 28 mar. 2019.

BRASIL. Fundação Perrseu Abramo – Partido dos trabalhadores. Pesquisa em: https://fpabramo.org.br/2013/03/25/violencia-no-parto-na-hora-de-fazer-nao-gritou/. Acesso em: 31 mar. 2019.

CONCEIÇÃO, S. Educando mulheres, vendendo saúde: propagandas e outros textos de jornais curitibanos dos anos 1920. [Dissertação]. Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2012. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/28155/R%20-%20D%20-%20SARASVATI%20YAKCHINI%20ZRIDEVI%20CONCEICAO.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 05 mar. 2019.

DINIZ, S. G. Assistência ao parto e relações de gênero: elementos para uma releitura médico-social. Dissertação (Mestrado em Medicina), Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

FOUCAULT, M. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: Ditos & Escritos V - Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. Disponível em: http://escolanomade.org/wp-content/downloads/foucault_%20etica_cuidado_si.pdf. Acessado em : 20 jul. 2018.

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica. Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1975.

FOUCAULT, M. Soberania e Disciplina. In: Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979a.

FOUCAULT, M. Genealogia e Poder. In: Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979b.

FOUCAULT, M. O Nascimento da Medicina Social. I: Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979c.

FOUCAULT, M. L’impossible Prison: Recherches sur lê Systeme Pénitentiaire ao XIX Siècle. Paris: Du Seuil, 1980

FOUCAULT, M. Aula de 17 de março de 1979. In: FOUCAULT, M. Em Defesa da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FOUCAULT, M. Segurança, Território, População. Curso no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. Nascimento da Biopolítica. Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GREGOLIN, M. R. Discursos e Imagens do Corpo: heterotopias da (in)visibilidade na web. In: FLORES, G.; NECKEL, N.; GALLO, S (org.). Análise de Discurso em Rede: cultura e mídia. Campinas, São Paulo: Pontes Editores, 2015.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. Rio de Janeiro: Record, 2004.

HOTIMSKY, S. N.; SCHRAIBER, L. B. Humanização no contexto da formação em obstetrícia. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 10, n 3. 2005, p. 639-49. DOI https://doi.org/10.1590/S1413-81232005000300020

KÊNIA, M. O Nascimento Biopolítico: convocações dos dispositivos de mídia em prol da cesariana e medo do parto normal. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2016. 144p. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/19112/2/M%C3%ADriam%20K%C3%AAnia.pdf. Acesso em: 28 mar. 2018.

MAIA, M. B. Humanização do parto: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2010. DOI https://doi.org/10.7476/9788575413289

MONTEIRO, E.; BARACUHY, R. A Biopolítica da Mídia para o “Corpo-Velho”: a estatística da vida na produção de identidades. In: SANTOS FILHO, I. O.; NASCIMENTO, M. E.; BARBOSA, M. S. (org.). Análise do Discurso: mídia, poder e heterogeneidades. Série Socialidades, 2. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2014.

Organização Mundial da Saúde. Maternidade segura. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra: OMS, 1996.

PALHARINI, L. A. Autonomia para quem? O discurso médico hegemônico sobre a violência obstétrica no Brasil. In: Cadernos Pagu (49), 2017. DOI https://doi.org/10.1590/18094449201700490007

RIFFEL, M. J. A Ordem da Humanização do Parto na Educação da Vida. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 238p. 2005. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/7097. Acesso em: 20 fev. 2019.

SARGENTINI, V. Contribuições da semiologia histórica à Análise do Discurso. In: SARGENTINI, V. et al.; (org.). Discurso, Semiologia e História. São Carlos: Claraluz, 2011. p. 107-126.

SARGENTINI, V. et al. A cidade em nós: discursos, objetivações e subjetivações. In: GREGOLIN, M. R.; NEVES, I. S. (org.). Moara - Revista eletrônica do programa de Pós-Graduação em Letras Universidade Federal do Pará. Ed 43, 2015. pp. 142-160. DOI https://doi.org/10.18542/moara.v1i43.2631

SINDSAÚDE. Sindicato dos Trabalhadores e Servidores em Serviços Públicos da Saúde Pública e Previdência do Estado do Paraná. Violência obstétrica é tema de audiência na Assembleia de MG. Belo Horizonte, 2012.

SOUSA, K.M. Discurso e biopolítica na sociedade de controle. In: TASSO, I.; NAVARRO, P. (org.). Produção de identidades e processos de subjetivação em práticas discursivas [online]. Maringá: Eduem, 2012. pp. 41-55. Disponível em: http://books.scielo.org/id/hzj5q/pdf/tasso-9788576285830-03.pdf. Acesso em: 18 mar. 2019. DOI https://doi.org/10.7476/9788576285830.0003

Downloads

Publicado

26-02-2020

Como Citar

GALDINO, M.; FERNANDES DE SANTANA, W. K. Biopolítica e gestão da saúde: o discurso sobre o parto normal na página O renascimento do parto. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 739–762, 2020. DOI: 10.14393/DL43-v14n3a2020-1. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/47673. Acesso em: 28 maio. 2022.