Bakhtin e Chico Buarque em diálogo no contexto escolar

uma sala de aula carnavalizada?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL43-v14n3a2020-3

Palavras-chave:

Bakhtin, Sala de aula, Chico Buarque, Carnavalização

Resumo

O texto em tela pretende abordar os conceitos bakhtinianos de dialogismo, polifonia e carnavalização (Bakhtin 1997, 2002, 2013, 2014) em consonância com os escritos de Geraldi (2013), Freitas (2013) e Kraemer (2013), que apontaram a aplicabilidade da arquitetura bakhtiniana no contexto escolar. Para esse fim, apresentamos a possibilidade de um trabalho dialógico com as crônicas musicais de Chico Buarque como forma de estimular a leitura crítica dos alunos e sua responsividade, subvertendo as relações hierárquicas na sala de aula, configurando um processo de carnavalização. Nesse sentido, o presente trabalho pretende constituir-se como subsídio teórico-metodológico para os professores de língua portuguesa da educação básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Gonçalves Dias Pitta, Prefeitura Municipal de Vila Velha

Professor da rede municipal de ensino de Vila Velha - ES. Graduado em Letras Português pela Universidade Federal do Espírito Santo e Mestre em Letras pelo Instituto Federal do Espírito Santo.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Trad. Paulo Bezerra. 5 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

BAKHTIN, M. Questões de estilística no ensino da língua. Tradução, posfácio e notas de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2013.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. São Paulo: Editora Hucitec, 2014.

BUARQUE, C. Sonho de um carnaval. São Paulo: Editora Musical Arlequim Ltda., 1965.

FERNANDES, R. (org.). Chico Buarque: o poeta das mulheres, dos desvalidos e dos perseguidos. São Paulo: LeYa, 2013.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Editora Olho d’Água, 1997.

FREITAS, M. T. de A. Implicações do ser no mundo e responder aos desafios que a educação nos apresenta. In: FREITAS, M. T. (org.). Educação, arte e vida em Bakhtin. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

GERALDI, J. W. Bakhtin tudo ou nada diz aos educadores: os educadores podem dizer muito com Bakhtin. In: FREITAS, M. T. (org.). Educação, arte e vida em Bakhtin. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

HOMEM, W. Histórias de canções: Chico Buarque. São Paulo: Leya, 2009.

KRAMER, S. A educação como resposta responsável: apontamentos sobre o outro como prioridade. In: FREITAS, M. T. (org.). Educação, arte e vida em Bakhtin. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

SILVA, A. V. da. A lírica buarqueana. In: FERNADES, R. (org.). Chico Buarque: o poeta das mulheres, dos desvalidos e dos perseguidos. São Paulo: Leya, 2013.

TELLES, T. Chico Buarque na sala de aula 1: Leitura, interpretação e produção de textos. 3 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

09-04-2020

Como Citar

DE CARVALHO, L. Q.; DIAS PITTA, R. G. Bakhtin e Chico Buarque em diálogo no contexto escolar: uma sala de aula carnavalizada?. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 14, n. 3, p. 790–808, 2020. DOI: 10.14393/DL43-v14n3a2020-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/47493. Acesso em: 25 maio. 2022.