O deslocamento populacional como fator propulsor da mudança linguística

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL40-v13n4a2019-3

Palavras-chave:

Deslocamento populacional, Mudança linguística, Português afro-brasileiro, Contato entre línguas, Morfossintaxe

Resumo

O artigo analisa o efeito do deslocamento populacional na implementação de mudanças linguísticas em uma variedade do português popular brasileiro, o português afro-brasileiro, no contexto da polarização sociolinguística do Brasil. O algoritmo da polarização sociolinguística prevê um nivelamento linguístico, com a difusão das variantes linguísticas de prestígio nas grandes cidades para todas as classes sociais e para todas as regiões do país, desencadeando mudanças “de cima para baixo” na norma popular do português brasileiro, em que as antigas formas produzidas pelo contato entre línguas no passado estão sendo substituídas pelas formas urbanas com prestígio social. O deslocamento de indivíduos de comunidades rurais para os centros urbanos em busca de trabalho e o seu retorno às suas comunidades de origem têm sido um fator que impulsiona essas mudanças. Para comprovar essa hipótese, foram computados os resultados quantitativos da variável explanatória referente ao deslocamento populacional produzidos por dez análises sociolinguísticas sobre aspectos da morfossintaxe em variação na fala de comunidades rurais afro-brasileiras isoladas. Os dados empíricos comprovaram a hipótese, demonstrando que o deslocamento populacional é realmente um fator propulsor da mudança linguística no contexto social observado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Referências

ANDRADE, P. R. Um fragmento da constituição sócio-histórica do português do Brasil: variação na concordância nominal de número em um dialeto afro-brasileiro. 2003. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística) - UFBA, Salvador, 2003. DOI https://doi.org/10.18226/610001/mostraxvi.2016.45

CAVALCANTE, R. A negação sentencial. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009. p. 251-268.

CHAMBERS, J. Sociolinguistic Theory: linguistic variation and its social significance. Oxford: Blackwell, 1995.

COSERIU, E. Sincronia, diacronia e história. Rio de Janeiro: Presença, 1979.

ECKERT, P. Three waves of variation study: the emergence of meaning in the study of sociolinguistic variation. Annual Review of Anthropology, v. 41, p. 87-100, 2012. DOI https://doi.org/10.1146/annurev-anthro-092611-145828

ECKERT, P.; MCCONNELL, S. Comunidade de prática: lugar onde co-habitam linguagem, gênero e poder (1992). In: OSTERMANN, A. C.; FONTANA, B. (org.). Linguagem, gênero e sexualidade: clássicos traduzidos. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. DOI https://doi.org/10.1590/s0102-311x2010001200022

FARACO, C. A. Norma Culta Brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.

FARACO, C. A. História sociopolítica da língua portuguesa. São Paulo: Parábola, 2016. DOI https://doi.org/10.17231/comsoc.34(2018).2961

FERREIRA, C. Remanescentes de um falar crioulo brasileiro. In: FERREIRA, C. et al. Diversidade do português do Brasil. Salvador: EDUFBA, 1984. p. 21-32.

GUY, G.; ZILLES, A. M. S. Sociolingüística Quantitativa: instrumental de análises. São Paulo: Parábola, 2007.

LABOV, W. The Social Stratification of English in New York City. Washington, DC: Center for Applied Linguistics, 1966.

LABOV, W. What can be learned about change in progress from synchrony descriptions. In: SANKOFF, D.; CEDERGREN, H. (ed.). Variation Omnibus. Edmonton: Linguistic Research, 1981. p. 177-199.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Internal Factors. Oxford: Basil Blackwell, 1994.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Social Factors. Oxford: Blackwell, 2001a.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Cognitive and Cultural Factors. Oxford: Wiley Blackwell, 2001b.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

LUCCHESI, D. A variação na concordância de gênero em uma comunidade de fala afro-brasileira: novos elementos sobre a formação do português popular do Brasil. 2000. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000. DOI https://doi.org/10.1590/1807-01912016223524

LUCCHESI, D. Sistema, mudança e linguagem: um percurso na história da linguística moderna. 2. ed. São Paulo: Parábola, 2004.

LUCCHESI, D. Alterações no quadro dos pronomes pessoais e na aplicação da regra de concordância verbal nas normas culta e popular como evidências da polarização sociolinguística do Brasil e da relevância histórica do contato entre línguas. Lingüística (Alfal), Santiago, v. 19, p. 52-87, 2007. DOI https://doi.org/10.31819/9783865278555-017

LUCCHESI, D. Aspectos gramaticais do português brasileiro afetados pelo contato entre línguas: uma visão de conjunto. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (org.). Português brasileiro II: contato linguístico, heterogeneidade e história. Niterói: EDUFF, 2008. p. 366-390. DOI https://doi.org/10.35520/diadorim.2018.v20n0a23286

LUCCHESI, D. História do Contato entre Línguas no Brasil. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009a. p. 41-73. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D. Metodologia. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009b. p. 155-166. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D. Caracterização sociolinguística do português afro-brasileiro. In: LUCCHESI, D; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009c. p. 535-542. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D. A concordância de gênero. In: LUCCHESI, D; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009d. p. 295-330. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D. A representação da primeira pessoa do plural. In: LUCCHESI, D; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009e. p. 457-470. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D. Racismo linguístico ou ensino democrático e pluralista? Grial – Revista Galega de Cultura, Vigo – Espanha, n. 190, tomo XLIX, p. 86-95, 2011a.

LUCCHESI, D. Ciência ou dogma? O caso do livro do MEC e o ensino de língua portuguesa no Brasil. Revista Letras, Curitiba, n. 83, p. 163-187, jan./jun. 2011b. DOI https://doi.org/10.5380/rel.v83i1.24713

LUCCHESI, D. A Teoria da Variação Linguística: um balanço crítico. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 793-805, maio/ago. de 2012a.

LUCCHESI, D. A deriva secular na formação do português brasileiro: uma visão crítica. In: LOBO, T.; CARNEIRO, Z.; SOLEDADE, J.; ALMEIDA, A.; RIBEIRO, S. (org.). ROSAE: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2012b. p. 249-274. DOI https://doi.org/10.7476/9788523212308

LUCCHESI, D. A diferenciação da língua portuguesa no Brasil e o contato entre línguas. Estudos de Lingüística Galega, Santiago de Compostela, n. 4, julho de 2012c, p. 45-65. DOI https://doi.org/10.15304/cc.2017.1080.61

LUCCHESI, D. Língua e Sociedade Partidas: a polarização sociolinguística do Brasil. São Paulo: Contexto, 2015a.

LUCCHESI, D. O contato entre línguas na história sociolinguística do Brasil. In: VALENTE, A. (org.). Unidade e Variação na Língua Portuguesa: suas representações. São Paulo: Parábola, 2015b. p. 80-100.

LUCCHESI, D. A periodização da história sociolinguística do Brasil. D.E.L.T.A., n. 33, v. 2, 2017, p. 347-382. DOI https://doi.org/10.1590/0102-445067529349614964

LUCCHESI, D. Por que a crioulização aconteceu no Caribe e não aconteceu no Brasil? Condicionamentos sócio-históricos. Gragoatá, Niterói, v. 24, n. 48, p. 227-255, jan.-abr. 2019. DOI https://doi.org/10.22409/gragoata.2019n48a33628

LUCCHESI, D.; BAXTER, A. Processos de crioulização na história sociolingüística do Brasil. In: CARDOSO, S.; MOTA, J.; MATTOS E SILVA, R. V. (org.). Quinhentos anos de história lingüística do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo do Estado da Bahia, 2006. p. 163-218. DOI https://doi.org/10.1590/0102-445067529349614964

LUCCHESI, D.; BAXTER, A. A transmissão Linguística Irregular. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009. p. 101-24. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009.

LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; SILVA, J. A. A. A concordância verbal. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009. p. 331-372. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; SILVA, J. A. A.; FIGUEIREDO, C. O português afro-brasileiro: as comunidades analisadas. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009. p. 75-100. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D.; MELLO, C. A alternância dativa. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009a. p. 427-456. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

LUCCHESI, D.; MELLO, C. A alternância dativa no português afro-brasileiro: um processo de reestruturação original da gramática. Papiá - Revista de Crioulos de Base Ibérica. Brasília, Universidade de Brasília, n. 19, 2009b. p. 153-184.

LUCCHESI, D.; SOUZA, J. A variação no uso do pronome reflexivo no português afro-brasileiro como o resultado de mudanças induzidas pelo contato entre línguas no passado. Diadorim, Rio de Janeiro, v. 20 – Especial, p. 458-488, 2018. DOI https://doi.org/10.35520/diadorim.2018.v20n0a23286

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2004.

MEIRA, V. O modo subjuntivo. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: Edufba, 2009. p. 389-408.

MILROY, J.; MILROY, L. Varieties and Variation. In: COULMAS, F. (ed.). The Handbook of Sociolinguistics. Oxford: Blackwell, 1997. p. 47-64. DOI https://doi.org/10.1002/9781405166256.ch3

MILROY, L. Language and Social Network. Oxford: Blackwell, 1980.

MILROY, L.; MILROY, J. Social network and social class: toward an integrated sociolinguistic model. Language in Society, n. 21, p. 1-26, 1992. DOI https://doi.org/10.1017/s0047404500015013

NARO, A.; SCHERRE, M. Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2007.

VOTRE, S. Relevância da variável escolaridade. In: MOLLICA, C.; BRAGA, M. L. (org.). Introdução à sociolingüística. São Paulo: Contexto, 2003. p. 51-58.

WARDHAUG, R.; FULLER, J. An Introduction to Sociolinguistics. Oxford: Wiley-Blackwell, 2015.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança lingüística. São Paulo: Parábola, 2006 [1968].

Downloads

Publicado

14-12-2019

Como Citar

LUCCHESI, D. O deslocamento populacional como fator propulsor da mudança linguística. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 13, n. 4, p. 1359–1400, 2019. DOI: 10.14393/DL40-v13n4a2019-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/47005. Acesso em: 27 maio. 2022.