Migração, contato dialetal e o estabelecimento da variedade urbana de Imperatriz (MA)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL40-v13n4a2019-6

Palavras-chave:

Contato Dialetal, Migração, Variedade urbana, Fala Rural, Português Brasileiro

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de variáveis sociais do estudo de duas variáveis linguísticas, com dados de falantes da cidade de Imperatriz (MA), com o objetivo de identificar a consolidação dessa variedade urbana com passado rural recente. A variedade de Imperatriz é resultante de um processo de contato induzido (TRUDGILL, 1986; BRITAIN; TRUDGILL, 1999), devido à migração de falantes de diversas variedades regionais do Português Brasileiro, associado a um crescimento urbano acelerado. A estratificação da amostra por idade buscou mapear os sucessivos ciclos econômicos da cidade, o que permite situar a aquisição da variedade local em relação aos diferentes períodos de ocupação populacional, indo do período de maior isolamento como comunidade rural até os de intensa migração. O resultado de tempo aparente aponta, entre os falantes mais jovens, que adquiriram a variedade local no período de intensa urbanização, decréscimo no uso de variantes associadas à fala rural, aumento de variantes prestigiadas em grandes cidades, como a prevalência de formas verbais marcadas de 3ª pessoa do plural com sujeito de 3ª do plural sobre as formas não marcadas, a diminuição da semivogal, como em [ʹpaɪ̭ə] (palha), e o aumento da lateral seguida de semivogal, como em [ʹpalɪ̭ə]. São apresentadas evidências de que, em relação à implementação da consoante lateral, a direcionalidade da mudança também está relacionada à presença de um forte contingente de migrantes de diferentes regiões do Pará, que apresentam baixa ocorrência da semivogal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Orleane Evangelista Santana, Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL)

Professora de Língua Portuguesa e Linguística do  do Centro de Ciências Humanas, Sociais e Letras (CCHSL) da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (UEMASUL)

Christina Abreu Gomes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Titular do Departamento de Linguística e Filologia. 

Sociolinguística: Variação e Mudança Linguística. Aquisição da Variação

Referências

AGUILERA, V. de A. O papel da geolinguística no Brasil e a sua interface com a história da formação do português brasileiro. In: RAMOS, C. de M. de A. et al (org.). Pelos caminhos da dialetologia e da sociolinguística: entrelaçando saberes e vidas – homenagem a Socorro Aragão. São Luís: EDUFMA, 2010. p. 69-90.

AMARAL, A. O dialeto caipira. 2. ed. São Paulo: HUCITEC/Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1976.

BORTONI-RICARDO, S. M. The urbanization of rural dialect speakers: a sociolinguistic study in Brazil. Cambridge: Cambridge University Press, 1985.

BORTONI-RICARDO, S. M. Contato de dialetos no Distrito Federal, Brasil. In: BORTONI-RICARDO, S. M.; VELLASCO, A. M. (org.). O falar candango. Brasília: Editora UNB, 2010. p. 17-32.

BRANDÃO, S. F. Um estudo variacionista sobre a lateral palatal. Letras de Hoje. Porto Alegre, v. 42, n. 3, p. 89-99, 2007. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/issue/view/63. Acesso em: 28 maio 2012.

BRITAIN, D.; TRUDGILL, P. Migration, new-dialect formation and sociolinguistic refunctionalisation: reallocation as an outcome of dialect contact. Transactions of the Philological Society, v. 97, n. 2, p. 245-256, 1999. DOI https://doi.org/10.1111/1467-968X.00050

CASTRO, E. F. Sobre o uso da semivogal [y] e a inserção da lateral palatal [ʎ] no Português Brasileiro. 83 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

CHAVES, L. M. do N.; MELO, F. E. S. de. A despalatalização de /ʎ/ na Zona Urbana de Rio Branco (AC). Cadernos do CNLF, v. 8, n. 4, p. 84-98, 2009. Disponível em: http://www.filologia.org.br/rph/ANO18/54SUP/013.pdf. Acesso em: 14 dez. 2014.

FARIA, N. V. M. de. A concordância verbal no português de Belo Horizonte. 119 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Faculdade de Letras, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

FERREIRA, M. M. A Variação da Lateral Palatal Segundo Transcrição do Banco de Dados VARSUL. 155 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

FRANKLIN, A. Breve história de Imperatriz. Imperatriz: Ética, 2005.

FRANKLIN, A. Apontamentos para a história econômica de Imperatriz. Imperatriz: Ética, 2008.

FREIRE, J. B. Variação da Lateral Palatal na Variedade e de Jacaraú (Paraíba). 111 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.

GOMES, C. A.; MELO, M. A. S. L.; BARCELLOS, M. E. M. Dinâmica da variação sociolinguística em contexto de exclusão social. Revista Virtual de Estudos da Linguagem, v. 14, p. 127-143, 2016.

GRACIOSA, D. Concordância verbal na fala culta carioca. 102 f. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas). Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio Janeiro, Rio de Janeiro, 1991.

KERSWILL, P.; WILLIAMS, A. Creating a new town koine: children and language change in Milton Keynes. Language in Society, v. 29, n. 1, p. 65-115, 2000. DOI https://doi.org/10.1017/S0047404500001020

KERSWILL, P.; WILLIAMS, A. New towns and koineization: social linguistic and correlates. Linguistics, v. 43, n. 5, p. 1.023-1.048, 2005. DOI https://doi.org/10.1515/ling.2005.43.5.1023

LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

LABOV, W. The intersection of sex and social class in the course of linguistic change. Language Variation and Change, v. 2, p. 205-254, 1990. DOI https://doi.org/10.1017/S0954394500000338

LABOV, W. Principles of linguistic change: internal factors. Oxford: Blackwell, 1994.

LABOV, W. Principles of linguistic change: external factors. Cambridge: Blackwell, 2001, p. 572.

LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; SILVA, J. A. A. da. A concordância verbal. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O português afro-brasileiro. Bahia: EDUFBA, 2009. p. 331-371. DOI https://doi.org/10.7476/9788523208752

MONGUILHOTT, I. de O. e S. Variação na concordância verbal de terceira pessoa em Florianópolis. 150 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Faculdade de Letras, Universidade de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

NARO, A. J. The social and structural dimensions of a syntactic change. Language, v. 57, n. 1, p. 63-98, 1981. DOI https://doi.org/10.1353/lan.1981.0020

NUNES, C. F. Variações do Fonema /ʎ/ no falar de quatro localidades do Sudoeste do Pará: uma descrição geo-sociolinguística. 177 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Pará. Pós-Graduação em Letras. 2006.

OLIVEIRA, D.; MOTA, J. As variantes do fonema lateral palatal em inquéritos do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). In: III SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E III SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ANÁLISE DO DISCURSO. Vitória da Conquista: UESB, 2007. v. 1. p. 205-209.

PINHEIRO, N. L. de A. O processo de variação das palatais lateral e nasal no português de Belo Horizonte. 142 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

QUANDT, V. O. A lateral palatal no português do Brasil e no português europeu. 215 f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) - Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2014.

SANKOFF, G. Linguistic Outcomes of Language Contact. In: CHAMBERS, J.; TRUDGILL, P.; SCHILLING-ESTES, N. (ed.). Handbook of Language Variation and Change. Oxford: Blackwell, 2002. p. 638-668. DOI https://doi.org/10.1111/b.9781405116923.2003.00034.x

SANTOS, K. B. Análise variacionista da vocalização da lateral palatal em Papagaios-MG. 76 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

SANTOS, J. M.; CHAVES, L. M. do N. Realização da Lateral Palatal /ʎ/ no Atlas Linguístico do Acre (ALIAC). Revista Philologus, n. 54, p. 142-159, 2012.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. J. A concordância de número no português do Brasil: um caso típico de variação inerente. In: HORA, D. da (org.). Diversidade Linguística no Brasil. João Pessoa: Idéia, 1997. p. 93–114.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. J. Perceptual vs. Grammatical Constraints and Social Factors in Subject-Verb Agreement in Brazilian Portuguese. University of Pennsylvania, Working Papers in Linguistics, v. 16, p. 163-171, 2010.

SOARES, E. P. As palatais lateral e nasal no falar paraense: uma análise variacionista e fonológica. 184 f. Tese (Doutorado em Linguística), Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2008.

TRUDGILL, P. J. Dialects in Contact. Oxford: Blackwell, 1986.

TRUDGILL, P. J. The chaos before the order: New Zealand English and the second stage of new dialect formation. In: JAHR, E. H. (ed.). Advances in Historical Sociolinguistics. Berlin: Mouton de Gruyter, 1998. p. 197-207.

VIEIRA, S. R. A não-concordância em dialetos populares: uma regra variável. Graphos, v. 2, n. 1, p. 115-133, 1997.

WILLIAMS, A.; KERSWILL, P. Dialect levelling: Continuity vs. change in Milton Keynes, Reading, and Hull. In: FOULKES, P.; DOCHERTY, G. (ed.). Urban Voices: accent studies in the British Isles. New York: Oxford University Press, 1999. p. 141– 162.

Downloads

Publicado

14-12-2019

Como Citar

EVANGELISTA SANTANA, O.; ABREU GOMES, C. Migração, contato dialetal e o estabelecimento da variedade urbana de Imperatriz (MA). Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 13, n. 4, p. 1465–1493, 2019. DOI: 10.14393/DL40-v13n4a2019-6. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/46772. Acesso em: 10 ago. 2022.