Lexicografia Pedagógica

um relato da experiência do uso de dicionários para ensinar italiano a um grupo da 'melhor idade'

Autores

  • Fábio Henrique de Carvalho Bertonha Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL36-v12n4a2018-4

Palavras-chave:

Lexicografia, Ensino, Aprendizagem, Língua italiana, Idoso

Resumo

Este artigo visa relatar a experiência de seu autor ao ministrar a língua italiana para estudantes da terceira idade. Sabe-se que o envelhecimento é um processo natural na vida humana, porém, há uma tendência à exclusão dos idosos. Diante dessa questão, algumas instituições educacionais passaram a oferecer cursos voltados para esse público a fim de reinserir a população idosa na sociedade a qual faz parte. Em Barretos, o UNIFEB é uma universidade que oferece cursos de línguas estrangeiras para esses estudantes mais velhos. Neste artigo, há o relato do autor que ministra, voluntariamente, língua italiana para alunos idosos do projeto de extensão chamado UAMI. Objetiva-se compartilhar as atividades experienciadas, algumas características específicas, expectativas e interesses desse grupo consoante a estudos contemporâneos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Henrique de Carvalho Bertonha, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Doutorando junto ao Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, pela UNESP/São José do Rio Preto. Mestre pela mesma instituição. Sua área de concentração corresponde à Linguística Aplicada, cuja linha de pesquisa é Lexicologia e Lexicografia, pela UNESP-IBILCE. Graduou-se no curso de Bacharelado em Letras com Habilitação de Tradutor (inglês e italiano, em 2010; francês e espanhol, em 2016) também pela mesma universidade. Pesquisa na área de Lexicografia, lidando com dicionários especiais. Atua como tradutor autônomo/freelancer e ministra aulas das respectivas línguas de formação.

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes, 1993.

BAGNO, M.; RANGEL, E. O. Dicionários em sala de aula. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. 155 p.

BENEDETTI, I. C. Dicionário Martins Fontes Italiano-Português. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BIDERMAN, M. T. C. O dicionário padrão da língua. Alfa. São Paulo: UNESP, v. 28 (supl.), p. 27-43, 1984.

BINON, J; VERLINDE, S. A contribuição da lexicografia pedagógica à aprendizagem e ao ensino de uma língua estrangeira ou segunda. In: LEFFA, V. J. (org.). As palavras e sua companhia: o léxico na aprendizagem de línguas. Pelotas: Educat, 2000. p. 93-118

BORDINI, M. G.; AGUIAR, V. T. Literatura: a formação do leitor (alternativas metodológicas). 2. ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1993.

CORACINI, M. J. Concepções de leitura na (pós)-modernidade. In: LIMA, R. C. C. P. (org). Leituras: múltiplos olhares. Campinas, SP: Mercado de Letras, S. J. da Boa Vista, SP: Unifeob, 2005.

DEBRAY, M. Débats Parlementaires. In: Journal Officiel de la République Française, v. 11, p. 593, 1961. Disponível em: http://archives.assemblee-nationale.fr/1/cri/1960-1961-droit/003.pdf. Acesso em: 19 out. 2018.

FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário Eletrônico Aurélio versão 7.0. 5. ed. Curitiba: Editora Positivo Informática LTDA, 2010.

FRIEDAN, B. The fountain of age. New York: Simon & Schuster, 1993.

FULGÊNCIO L.; BASTIANETTO P. In Italiano: Manual de Gramática Contrastiva para falantes de português. Perugia: Guerra Edizioni, 1993.

HADDAD, E. G. M. A ideologia da velhice. São Paulo: Cortez, 1986.

HALL, G. Exploring English Language Teaching: Language in Action. New York: Routledge, 2011. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203827840

HAYATI, A. M; MOHAMMADI, M. P. A comparative study of using bilingual and monolingual dictionaries in reading comprehension of intermediate level. The Reading Matrix, [s. l.], v. 5, n. 2, sept. 2005. Disponível em: http://www.readingmatrix.com.articles. Acesso em: 25 mar. 2018.

HOUAISS, A. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa versão 1.0. Editora Objetiva, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período de 1980-2050. Revisão. Rio de Janeiro, 2004.

JOP. Filastrocca della gn. FattoreMamma Network, Milano, 15 março 2018. Disponível em https://www.filastrocche.it/contenuti/filastrocca-della-gn/. Acesso em: 15 nov. 2018.

JOP. La pazza. FattoreMamma Network, Milano, 15 março 2018. Disponível em: https://www.filastrocche.it/contenuti/scioglilingua-0017-4/. Acesso em: 15 nov. 2018.

JOP. Scioglilingua. FattoreMamma Network, Milano, 15 março 2018. Disponível em: https://www.filastrocche.it/nostalgici/scioglil/s_15.htm. Acesso em: 15 nov. 2018.

LEFFA, V. J. (org.). As palavras e sua companhia: o léxico na aprendizagem de línguas. Pelotas: Educat, 2000.

MOREIRA, G. L. O uso do dicionário monolíngue na sala de aula: uma ferramenta para compreensão leitora em língua espanhola por alunos avançados de espanhol/le. 2009, 229 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2009.

NATION, I. S. P. Learning vocabulary in another language. 3. ed. UK: Cambridge, 2002.

NESI, H. The specification of dictionary reference skills in higher education. In: HARTMANN, R. R. K. (ed.) Thematic Network Projects. Subproject 9 – Dictionaries – Dictionaries in Language Learning, Final Report Year Three, p. 53-67, 1999. Disponível em: http://www.web.fu-berlin.de/elc/tnp1/SP9dossier.pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

PEREIRA, E. T. O idoso e o aprendizado de uma nova língua: o descortinar de trocas sociais e afetivas. 2005. 207 f. Dissertação. (Mestrado em Gerontologia Social). Programa de Estudos Pós-Graduados em Gerontologia Social. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 2005.

PIUMINI, R. Coniglio senza consiglio. Parole in gioco, Roma, 13 agosto 2010. Disponível em: https://paroleingioco.wordpress.com/2010/08/13/coniglio-senza-consiglio/. Acesso em: 15 nov. 2018.

POLITO, A. G. Michaelis dicionário escolar italiano: italiano-português, português-italiano. 2. ed. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2009.

ROQUE, A. S. S.; SABINO, M. A. Mil e uma maneiras de aprender provérbios italianos com jogos e atividades. São José do Rio Preto/SP: IBILCE-UNESP, 2008. 124p.

SCHLEPPEGRELL, M. The Older Language Learner. Washington, D.C.: ERIC Clearinghouse on Language and Linguistics. 1987. Disponível em: http://files.eric.ed.gov/fulltext/ED287313.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

SCHÜTZ, R. Motivação e desmotivação no aprendizado de línguas. English Made in Brazil. 2014. Disponível em: http://www.sk.com.br/sk-motiv.html. Acesso em: 25 mar. 2018.

SILVA, V. R. R.; SILVA, I. M.; CORREIA, G. A. M. Estudos epistemológicos sobre a ideia de número no contexto dos anos iniciais do Ensino Fundamental. In: I Simpósio Latino-Americano de Didática da Matemática, 2016. Bonito. Anais do I Simpósio Latino-Americano de Didática da Matemática. Campo Grande, MS: UFMS, 2016, p. 1-15. Disponível em: http://ladima.tuseon.com.br/uploads/file_manager/source/d7322ed717dedf1eb4e6e52a37ea7bcd/Trabalhos/ITAMAR%20MIRANDA%20DA%20SILVA.pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

VINTRÓ DE DEUS, N. A. Adulto: aluno infiel ou incompreendido? Aspectos lingüísticos, sociais e afetivos que permeiam o ensino da língua inglesa (LE) para adultos. 2007. 170 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Instituto de Letras, Universidade de Brasília, UnB, Brasília, 2007.

WELKER, H. A. Pesquisando o uso de dicionários. Revista Linguagem & Ensino, v. 9, n. 2, p. 223-243, jul./dez. 2006.

ZAVAGLIA, C. Xeretando a linguagem em italiano. 1. ed. Barueri: Disal Editora, 2010. v. 1. 128p.

ZINGARELLI, N. Vocabolario della Lingua Italiana. 12. ed. Bologna: Zanichelli, 2013.

Downloads

Publicado

19-01-2019

Como Citar

BERTONHA, F. H. de C. Lexicografia Pedagógica: um relato da experiência do uso de dicionários para ensinar italiano a um grupo da ’melhor idade’. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 4, p. 1973–2009, 2019. DOI: 10.14393/DL36-v12n4a2018-4. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/41568. Acesso em: 21 maio. 2022.