Marcas de uso e redes medioestruturais de verbetes sobre homossexual masculino em dicionários escolares

Autores

  • Hugo Leonardo Gomes dos Santos Universidade Federal do Ceará (UFC) http://orcid.org/0000-0002-1180-8254
  • Antônio Luciano Pontes Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)
  • Pedro Henrique Lima Praxedes Filho Universidade Estadual do Ceará (UECE)

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL36-v12n4a2018-17

Palavras-chave:

Homossexual masculino, Dicionário escolar, Marcas de uso, Pejorativo

Resumo

Nosso objetivo foi investigar quais as marcas de uso utilizadas nos dicionários escolares tipo 3 do Programa Nacional do Livro Didático 2012 para indicar as restrições e os contextos de uso de palavras relacionadas a homossexual masculino, bem como suas implicações para a compreensão dos sentidos ali expressos. Buscamos fundamentação teórica nos campos da Metalexicografia e da Lexicografia Pedagógica (WELKER, 2004; PONTES, 2009; 2012; GARRIGA ESCRIBANO, 1994; 1995; FAJARDO, 1997) e operamos uma pesquisa descritiva e qualitativa. Apresentamos um levantamento de 11 entradas relacionadas a homossexual masculino, totalizando 44 verbetes extraídos de cinco dicionários escolares. A partir das definições selecionadas, elaboramos redes de fluxo de sentido, redes medioestruturais, e analisamos o posicionamento das marcas de uso empregadas por cada dicionário, nas redes elaboradas, e os padrões de marcação de cada palavra. Em relação às conclusões, podemos destacar dois aspectos: (1) a marca mais recorrente em nosso corpus foi a que se refere ao uso pejorativo, indicando os contextos discriminatórios em que essas palavras são empregadas; e (2) palavras marcadas, como “bicha”, “baitola” e “maricas”, por exemplo, estão posicionadas às margens da rede e o fluxo de sentidos converge dessas palavras para as palavras não marcadas “gay” e “homossexual”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hugo Leonardo Gomes dos Santos, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Doutorando em Linguística pela Universidade Federal do Ceará. Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará. Professor da educação básica da Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza, Ceará.

Antônio Luciano Pontes, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)

Doutor em Linguística pela Universidade Estadual Paulista. Professor Titular do Curso de Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Pedro Henrique Lima Praxedes Filho, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

Doutor em Letras/Inglês e Literatura Correspondente pela Universidade Federal de Santa Catarina. Fez estágio pós-doutoral no Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Professor do Curso de Letras da Universidade Estadual do Ceará.

Referências

ARAÚJO, N. C. A gíria como marca de uso nos dicionários escolares. 2015. 68f. Monografia (graduação em Letras) – Curso de Letras, Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2015.

BECHARA, E. C. (org.). Dicionário escolar da Academia Brasileira de Letras. 3. ed. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Com direito à palavra: dicionários em sala de aula. Brasília: MEC, SEB, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=12059&Itemid=. Acesso em: jan. 2018.

FAJARDO, A. Las marcas lexicográficas: concepto y aplicación práctica en la Lexicografía española. Revista de Lexicografía, v. III, p. 31-57, 1996-1997.

FERREIRA, A. B. de H. Pederastia. Dicionário Aurélio de português online. Disponível em: https://dicionariodoaurelio.com/pederastia. Acesso em: jan. 2018.

FERREIRA, A. B. de H. Aurélio Júnior: dicionário escolar da língua portuguesa. 2. ed. Curitiba: Positivo, 2011.

GARRIGA ESCRIBANO, C. Las marcas de uso: despectivo en el DRAE. Revista de Lexicografía, v. I., p. 113-147, 1994-1995.

GARRIGA ESCRIBANO, C. La marca de “vulgar” en el DRAE: de “Autoridades” a 1992. Sintagma, v. 6, p. 5-13, 1994.

GEIGER, P. (org.). Caldas Aulete: minidicionário contemporâneo da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2011.

MICHAELIS. Pederastia. Michaelis: dicionário brasileiro de língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2018. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/pederastia/. Acesso em: jan. 2018.

PIRES DE OLIVEIRA, A. M. P.; ISQUERDO, A. N. Apresentação. In: PIRES DE OLIVEIRA, A. M. P.; ISQUERDO, A. N. (orgs.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. Campo Grande, MS: EdUFMS, 2001, p. 9-11.

PONTES, A. L. Marcas de uso em dicionários escolares brasileiros. Material didático [Notas de aula], 2012.

PONTES, A. L. Dicionário para uso escolar: o que é como se lê. Fortaleza: EdUECE, 2009.

PONTES, A. L. O dicionário na sala de aula: saberes e aplicações. In: PONTES, A. L.; COSTA, M. A. R. (org.). Ensino de língua materna na perspectiva do discurso: uma contribuição para o professor, v 2. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2008, p. 27-59.

PORTO DAPENA, J.-Á. Manual de técnica lexicográfica. Madrid: Arcos Libros S. L., 2002.

PRIBERAM. Pederastia. Dicionário Priberam de língua portuguesa (online). Priberam Informática S.A., 2013. Disponível em: https://www.priberam.pt/dlpo/pederastia. Acesso em: jan. 2018.

RAMOS, R. A. (ed. resp.). Dicionário didático de língua portuguesa. 2. ed. São Paulo: SM, 2011.

SANTOS, H. L. G. dos. Verbetes lexicográficos e Processos: uma abordagem metalexicográfica e sistêmico-funcional de dicionários escolares. 2016. 126f. Dissertação (mestrado acadêmico em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual do Ceará, Centro de Humanidades, Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada. Fortaleza, 2016. Disponível em: http://www.uece.br/posla/dmdocuments/Disserta%C3%A7%C3%A3o_Hugo%20Leonardo_.pdf. Acesso em: jan. 2018.

SARAIVA, K. S. A.; OLIVEIRA, R. C. G. Saraiva jovem: dicionário da língua portuguesa ilustrado. São Paulo: Saraiva, 2010.

STREHLER, R. G. Variação e Dicionários. Linguagem em Foco, v. 04, p. 105-124, 2013.

STREHLER, R. G. Marcas de uso nos dicionários. In: PIRES DE OLIVEIRA, A. M. P.; ISQUERDO, A. N. (orgs.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2001, p. 171-180.

WEINMANN, A. de O.; CULAU, F. V. Notas sobre o politicamente correto. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 14, n. 2, p. 628-645, 2014. DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2014.12663

WELKER, H. A. Dicionários: uma pequena introdução à lexicografia. Brasília: Thesaurus, 2004.

Downloads

Publicado

19-01-2019

Como Citar

SANTOS, H. L. G. dos; PONTES, A. L.; PRAXEDES FILHO, P. H. L. Marcas de uso e redes medioestruturais de verbetes sobre homossexual masculino em dicionários escolares. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 4, p. 2384–2410, 2019. DOI: 10.14393/DL36-v12n4a2018-17. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/41313. Acesso em: 16 ago. 2022.