Expressividade na escrita escolar

ensino/aprendizagem da língua viva

Autores

  • Sirleide de Almeida Lima Possui graduação em Letras - Licenciatura em Português (2009) e Mestre em Estudos Linguísticos (2013) pela Universidade Federal de Goiás. Foi professora substituta - CEPAE - UFG da Universidade Federal de Goiás. Atua principalmente nos seguintes temas: análise do discurso, leitura, escrita e ensino.
  • Sinval Martins de Sousa Filho Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL35-v12n3a2018-11

Palavras-chave:

Língua materna, Enunciado concreto, Expressividade, Gênero poético

Resumo

Neste artigo, analisamos a expressividade de textos escolares produzidos em oficina de poesia e averiguamos marcas linguístico-discursivas em montagens e desmontagens de arranjos lexicogramaticais. A proposta da oficina propiciou aos jovens discussões sobre diferentes gêneros discursivos; especialmente, dos textos ligados aos gêneros poéticos que permitem reflexões sobre a língua e um trabalho com recursos expressivos que se concretizam de maneira singular. Inscritos nos pressupostos filosófico-linguísticos de Bakhtin, discutimos qual repercussão a definição de língua como objeto dos estudos linguísticos e a necessidade de sistematização epistemológica têm nos valores que recaem sobre as reflexões dos procedimentos didático-metodológicos no ensino de língua materna. O aporte metodológico centra-se no estudo de caso e nas postulações metodológicas de Bakhtin para o estudo de enunciados. Os resultados permitem-nos considerar que a produção escrita articulada a um processo de interação verbal melhora a proficiência escritora e os graus de adequação discursiva dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sirleide de Almeida Lima, Possui graduação em Letras - Licenciatura em Português (2009) e Mestre em Estudos Linguísticos (2013) pela Universidade Federal de Goiás. Foi professora substituta - CEPAE - UFG da Universidade Federal de Goiás. Atua principalmente nos seguintes temas: análise do discurso, leitura, escrita e ensino.

Mestre em Estudos Linguísticos

Sinval Martins de Sousa Filho, Universidade Federal de Goiás

Professor Associado (DE) na Faculdade de Letras - Universidade Federal de Goiás, onde atua na Graduação (Licenciatura em Língua Portuguesa e Bacharelado em Linguística) e na Pós-graduação (Estudos Linguísticos), é Pós-Doutor em Psicolinguística (UnB), Mestre e Doutor em Letras e Linguística (UFG/Unicamp). Foi consultor/professor da Secretaria da Educação do Estado do Tocantins e Formador Nacional e Consultor do Ministério da Educação - MEC. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Língua Portuguesa, Linguística e formação inicial e continuada de professores. Tem atuado principalmente nas seguintes áreas temáticas: língua portuguesa, língua xerente, educação intercultural, educação bilíngue, gêneros textuais/discursivos e análise linguística, letramento, léxico e sintaxe, . De outubro de 2008 a outubro de 2010, atuou como coordenador de Estágio - Licenciatura em Língua Portuguesa da Faculdade de Letras/UFG. De março de 2010 a abril de 2012 foi coordenador do Subprojeto Letras: Português - PIBID/CAPES-UFG. Atualmente, é líder, juntamente com Silvia L. B. Braggio, do grupo de pesquisa Grupo de Educação e Língua Indígena da Universidade Federal de Goiás/CNPq e também é líder do projeto Leitura e escrita: ações de mediação pedagógica. Participa como pesquisador dos projetos de pesquisa 'Projeto Línguas Indígenas Ameaçadas: Documentação (descrição e análise) e Tipologia Sociolinguísticas ( CNPq ? processo n. 501337/2003-2), iniciado em agosto de 2003, coordenado pela profa. Silvia L. B. Braggio e Rede de Estudos da Língua Portuguesa ao Redor do Mundo, coordenado pela profa. Vânia Casseb. Coordena o projeto de pesquisa Aquisição da língua Xerente. Foi subcoordenador do Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística da UFG e conselheiro do Museu Antropológico/UFG, no período de 2014 a 2017.

Referências

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997. 415 p.

______. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2006. 193 p.

______. Questões de estilística no ensino da língua. São Paulo: Editora 34, 2013. 120 p.

BEZERRA, M. A.; REINALDO, M. A. Análise Linguística: afinal, a que se refere? São Paulo: Cortez, 2013. 96 p.

BRITTO, L. P. L. A sombra do caos - ensino de língua x tradição gramatical. Campinas: Mercado de Letras / ALB, 2004. 288 p.

CUMPRI, M. L. Algumas reflexões sobre léxico e gramática. Entrepalavras, Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 41-50, 2012. Disponível em: http://www.entrepalavras.ufc.br/revista/index.php/ Revista /article/view/41. Acesso em: 31 maio 2016.

DOMINGUES, J. E. Ubuntu, o que a África tem a nos ensinar. Blog Ensinar História. Disponível em: http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/ubuntu-o-que-a-africa-tem-a-nos-ensinar/. Acesso em: 28 abril 2015.

FARACO, C. A.; CASTRO, G. Por uma teoria linguística que fundamente o ensino de língua materna (ou de como apenas um pouquinho de gramática nem sempre é bom). Educar em Revista, Paraná, n. 15, p. 109-117, 1999. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/educar /article/view/2061/1713. Acesso em: 02 janeiro 2017.

FERNANDES, M. Poeminhas cinéticos. In:______. Trinta anos de mim mesmo. Rio de Janeiro: Editorial Nórdica. 1972, p. 16.

FRANCHI, C. Mas o que é mesmo “gramática”? In: POSSENTI, S. (org.). Mas o que é mesmo “gramática”? São Paulo: Parábola, 2006. 156 p.

GERALDI, J. W. Palavras escritas, indícios de palavras ditas. Linguagem em (Dis)curso, Santa Catarina, v. 3, n. especial, p. 9-26, 2010. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/243/25 8. Acesso em: 02 maio 2016.

HOGEMANN, E. R. R. S. et al. Ubuntu: estendendo a reflexão sobre a etnodiversidade. Raízes e Rumos, Rio de Janeiro, v. 3, p. 14-23, 2015. Disponível em: http://www.seer.unirio. br/index.php/raizeserumos/article/view/5103. Acesso em: 15 maio 2016.

LIMA, H. A semente que veio da África. São Paulo: Salamandra, 2005. 56 p.

MARCUSCHI, L. A. O papel da Linguística no ensino de línguas. Diadorim, Rio de Janeiro, n. 18 v. 2, p. 12-31, jul-dez. 2016. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/diadorim/article/view/5358/3929. Acesso em: 15 maio 2017.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2006. 312 p.

Downloads

Publicado

21-09-2018

Como Citar

LIMA, S. de A.; SOUSA FILHO, S. M. de. Expressividade na escrita escolar: ensino/aprendizagem da língua viva. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 1662–1698, 2018. DOI: 10.14393/DL35-v12n3a2018-11. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40641. Acesso em: 16 ago. 2022.