As construções existenciais e o problema da avaliação linguística

Autores

  • Elyne Giselle de Santana Lima Aguiar Vitório Universidade Federal de Alagoas - Campus do Sertão

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL35-v12n3a2018-16

Palavras-chave:

Ter existencial, Haver existencial, Concordância verbal, Avaliação linguística

Resumo

Tendo em vista que o estudo de uma comunidade de fala não deve se esgotar na descrição e caracterização de seus traços linguísticos, mas também deve buscar explicitar suas atitudes avaliativas, pois o prestígio ou o estigma que uma comunidade associa a determinada variante pode acelerar ou barrar uma mudança na língua, mensuramos as normas subjetivas dos falantes maceioenses em relação à variação ter e haver em construções existenciais e à concordância verbal associada a essas formas verbais. Para tanto, recorremos à Teoria da Variação e Mudança Linguística (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 1968; LABOV, 1972) e utilizamos um teste de reação subjetiva composto por 20 questões, que foi aplicado a 60 informantes maceioenses. Nossos dados apontam não só que ter é o verbo existencial preferido, mas na situação formal e nos tempos pretérito imperfeito e perfeito e futuro do presente, há um aumento na escolha de haver, o que parece indicar que estamos diante de um marcador linguístico, como também que haver e ter na terceira pessoa do plural – 3PP são as variantes preferidas, sendo mais frequentes na situação formal e nos tempos pretérito imperfeito e perfeito, sugerindo que não há estigma no uso dessas variantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, N. M. Gramática metódica da Língua Portuguesa. São Paulo: Saraiva, 1999.

AVELAR, J. De verbo funcional a verbo substantivo: uma hipótese para a supressão de haver no português brasileiro. Letras de Hoje, v. 41, n. 1, p. 49-74, 2006a. https://doi.org/10.17851/2237-2083.14.2.99-143

AVELAR, J. Gramática, competição e padrões de variação: casos com ter/haver e de/em no português brasileiro. Revista de Estudos da Linguagem, 4, p. 99-144, 2006b.

AVELAR, J.; CALLOU, D. Sobre a emergência do verbo possessivo em contextos existenciais no português brasileiro. In: CASTILHO, A. et al. (org.) Descrição, história e aquisição do português brasileiro. São Paulo: Pontes, 2007, p. 375-402.

BAGNO, M. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2011.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.

BERLINCK, R.; DUARTE, E.; OLIVEIRA, M. Predicação. In: KATO, M.; NASCIMENTO, M. (org.). Gramática do português culto falado no Brasil. São Paulo: Contexto, 2015.

BORTONE, M. E.; ALVES, S. B. O fenômeno da hipercorreção. In: BORTONI-RICARDO, S. M. et al. (org.). Por que a escola não ensina gramática assim? São Paulo: Parábola, 2014.

BORTONI-RICARDO, S. M. Um modelo para a análise sociolinguística do português do Brasil. In: BAGNO, M. (org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2004.

CALLOU, D.; AVELAR, J. Sobre ter e haver em construções existenciais: variação e mudança no português do Brasil. Revista Gragoatá, n. 9, p. 85-100, 2000.

CALLOU, D.; AVELAR, J. Ter/Haver – constructions and verbal agreement. In: MOTA, M. A.; VIEIRA, S. R. (Ed.). Journal of Portuguese Linguistics. 12-2, p. 187-208, 2013.

CALLOU, D.; BATISTA, P.; ALMEIDA, E. “Houveram/tiveram muitas reuniões”: construções existenciais e a concordância verbal. Cuadernos de La ALFAL, n. 7, marzo, p. 185-194, 2015.

CALLOU, D.; DUARTE, E. A fixação do verbo ter em contextos existenciais. Actas do XX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2005.

CASTILHO, A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

CARDOSO, S.; MOTA, J. Estudos geolinguísticos: caminhos seguidos no território brasileiro. Lingüística, v. 33-1, 2017, p. 89-105.

CUNHA, C.; CINTRA, L. F. L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

DUARTE, E. Do pronome nulo ao pronome pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil. In: ROBERTS, I.; KATO, M. Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

DUARTE, E. A perda do Princípio “Evite Pronome” no Português Brasileiro. Tese (Doutorado). IEL-UNICAMP, 1995.

DE MELLO, G. Pluralización del verbo “haber” impersonal en el español hablado culto de once ciudades. Boletín del Instituto Caro y Cuervo. Tomo XLVI, p. 445-471, 1991.

DUTRA, C. Ter e haver na norma culta de Salvador. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2000.

FONTANELLA, M. B. Evolución de los usos de “ser-estar” y “haber-tener” en el español bonaerense. Lingüística, n. 9, ALFAL, p. 11-124, 1997.

FREITAG, R. et al. Como o brasileiro acha que fala? Desafios e propostas para a caracterização de “português brasileiro”. Signo y Seña, n. 28, p. 65-87, 2015.

FREITAG, R. et al. Como os brasileiros acham que falam? Percepções sociolinguísticas de universitários do sul e do nordeste. Todas as Letras, v. 18, n. 2, p. 64-84, 2016.

LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Pennsylvania, University of Pennsylvania Press, 1972.

MARINS, J. As repercussões da remarcação do Parâmetro do Sujeito Nulo: um estudo diacrônico das sentenças existenciais com ter e haver no PB e no PE. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ – FL, 2013.

MORENO FERNÁNDES, F. Principios de sociolingüística y sociología del lenguaje. Barcelona: Ariel, 1998.

OLIVEIRA, J. Variação dos verbos ter e haver em sentenças existenciais no sertão alagoano. 2017. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso). Delmiro Gouveia, Universidade Federal de Alagoas – Campus do Sertão, 2017.

PERINI, M. A. Gramática descritiva do português brasileiro. Petrópolis: Vozes. 2016.

RONCARATI, C. Prestígio e preconceito lingüísticos. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Preconceito lingüístico e cânone literário, no 36, p. 45-56, 1. sem. 2008.

SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. J. Sociolinguistic correlates of negative evaluation: variable concord in Rio de Janeiro. Language Variation and Change, n. 26.3, p. 331-357.

SILVA, R. Variação ter/haver na fala pessoense. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Curso de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2001.

SOUZA, F. Tem chance de haver ainda existir no falar popular? A variação dos verbos existenciais em amostra do NORPOFOR. Dissertação (Mestrado Acadêmico). Universidade Estadual do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Fortaleza, 2015.

VITÓRIO, E. Ter e haver existenciais: gramática versus uso. Revista Urutágua: acadêmica multidisciplinar, n. 21, p. 90-98, 2010a.

VITÓRIO, E. Aquisição e variação dos verbos ter e haver existenciais no PB. Veredas online, Juiz de Fora, Atemática – 1/2010, p. 53-63, 2010b.

VITÓRIO, E. A alternância dos verbos ter e haver em construções existenciais na escrita jornalística. In: SINIEL, 2012, Recife. Anais. Recife: 2012, p. 434-450.

VITÓRIO, E. O (des)uso do verbo haver existencial. Web-Revista Sociodialeto. v. 6, n. 17, 228-249, nov. 2015.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Empirical foundations for a theory of language change. University of Texas Press, 1968.

Downloads

Publicado

21-09-2018

Como Citar

VITÓRIO, E. G. de S. L. A. As construções existenciais e o problema da avaliação linguística. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 1825–1858, 2018. DOI: 10.14393/DL35-v12n3a2018-16. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40617. Acesso em: 20 maio. 2022.