Memória fonológica de falantes de português brasileiro como língua de herança

Autores

  • Denise Barros Weiss UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA
  • Maíra Candian de Paula Dutra Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Aline Alves Fonseca Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL34-v12n2a2018-22

Palavras-chave:

Português como Língua Estrangeira (PLE), Língua de Herança, Fonética, Fonologia, Memória.

Resumo

O foco desta pesquisa é a análise de um aspecto fonológico da aprendizagem de Português como Língua de Herança (PLH) na variedade brasileira. O objetivo geral é verificar se um falante de língua de herança, ao aprender a língua depois de adulto, mobiliza traços fonéticos/fonológicos recuperados da variante a que foi exposto na primeira infância. Apoiamo-nos em Cummins (1983), empregando seu conceito de Língua de Herança em Doi (2006), Flores e Melo-Pfeifer (2014) e Spinassé (2006), abordando e diferenciando os conceitos de língua materna, segunda língua e língua estrangeira; e em Miranda (2012), que fez uma análise acústico-comparativa das vogais do português brasileiro com as do inglês norte-americano. Os dados foram obtidos através de um protocolo de investigação composto por questionários e entrevistas aplicados a falantes de português brasileiro como língua de herança que se encaixam na seguinte situação: filhos de pai ou mãe brasileiros que aprenderam a língua portuguesa na infância em um ambiente de não imersão. Os dados demonstram que a variação dialetal dos participantes é compatível com as variedades a que eles foram expostos na primeira infância e diferente da variedade utilizada pelos professores com os quais tiveram instrução formal no português. Os detalhes fonéticos presentes na fala dos participantes apoiam nossa hipótese de que há uma memória processual fonético-fonológica atuante, que foi adquirida na primeira infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise Barros Weiss, UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

Professora do Departamento de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. Área de atuação: ensino de Português como língua estrangeira; formação de professores na área de Português língua materna e estrangeira.

Maíra Candian de Paula Dutra, Universidade Federal de Juiz de Fora

Graduada em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Bolsista de iniciação científica no projeto "Memória fonológica do Português como língua de herança"

Aline Alves Fonseca, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professora adjunta do Departamento de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. Área de interesse: Fonética e fonologia; psicolinguística.

Referências

BADDELEY, A; ANDERSON, M. C.; EYSENCK, M. W. M. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BARBOSA, P. A., MADUREIRA, S. Manual de Fonética Acústica Experimental. Aplicações a Dados do Português. São Paulo SP: Cortez Editora. 2015.

BISOL, L. Harmonização vocálica: uma regra variável. 1981. Tese (Doutorado em Lingüística). Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 1981.

BOERSMA, P.; WEENICK, D. PRAAT: doing phonetics by computer (version: 5.3.22), 2008. Disponível em: http://www.praat.org Acessado em 28/09/2017.

CALLOU, D.; MORAES, J.; LEITE, Y. A variação de /s, r/ em posição final de sílaba e os dialetos brasileiros. 1994. (ms)

CÂMARA Jr., J. M. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Editora Vozes. 1970.

CRISTÓFARO-SILVA, T. Fonética e Fonologia do Português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 4ª Ed. São Paulo: Editora Contexto. 2001.

CUMMINS, J. Heritage language education: a literature review. Toronto, ON: Ministry of Education, 1983.

DAVIES, A. The Native Speaker: myths and reality. Multilingual Matters, 2003.

DOI, E. T. Doi. O ensino de japonês no Brasil como língua de imigração. Estudos Lingüísticos. XXXV, p. 66-75, 2006. Web.

FLORES, C.; MELO-PFEIFER, S. O conceito “Língua de Herança” na perspectiva da Linguística e da Didática de Línguas: considerações pluridisciplinares em torno do perfil linguístico das crianças luso descendentes na Alemanha. Domínios de Lingu@Gem. v. 8, n. 3, 2014. P. 16-45. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem. Acessado em 28/09/2017

IZQUIERDO, I. Memória. 2a Ed. Porto Alegre: ARTMED Editora. 2011.

IZQUIERDO, I. et al. Memória: tipos de mecanismos-achados recentes. Revista USP, São Paulo, n. 98, p. 12, 2013.

KRASHEN, S. Principles and practices in second language acquisition. Oxford: Pergamon Press, 1982.

LEE, S.-H.; OLIVEIRA, M. A. Variação Inter- e Intra-Dialetal no Português Brasileiro: Um Problema para a Teoria Fonológica. In: HORA, D.; COLLISCHONN, G. (Orgs.). Teoria Lingüística: fonologia e outros temas. João Pessoa. 2003. p. 67-91.

LEE, S.-H.; OLIVEIRA, M.A. Phonological theory and language variation in BP mid vowels. Proceedings of the Seoul International Conference on Linguistics. Seoul, Korea. 2006. p. 298-306.

LICO, A. L. C. Ensino do Português como Língua de Herança: Prática e Fundamentos. Revista SIPLE. Brasília, 2011. Ano 2, Número 1. Disponível em: http://www.siple.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=177:2-ensino-do-portugues-como-lingua-de-heranca-pratica-e-fundamentos&catid=57:edicao-2&Itemid=92 Acessado em 28/09/2017.

LUK, J. C. M.; LIN, A. M. Y. The Native-Speaking English Teachers in the Global ELT Industry. In: Classroom Interactions as Cross-Cultural Encounters: native speakers in ESL lessons. New Jersey. Routledge, 2007. P. 21-32.

MIRANDA, I. N. Análise Acústico- Comparativa de Vogais do Português Brasileiro com vogais do Inglês Norte-Americano. Vitória, 2012. 147p. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo.

MONARETTO, V. N. O.; QUEDNAU, L. R.; HORA, D. As consoantes do Português. In: BISOL, L. (Org.) Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 3a Ed. Porto Alegre: EDIPUCRS. 2001. p. 195-228.

OLIVEIRA, K. C. S.; LEITE, M. A.; SILVA, P. C. D. Memória. CADERNOS CESPUC, nº 23, Belo Horizonte, 2013. P 19-29.

OLIVEIRA, M. A.; LEE, S.-H. Variação Lingüística, Teoria Fonológica e Difusão Lexical. ACTAS DO XV CONGRESSO INTERNACIONAL DA ALFAL. Montevideo, Uruguay. Formato CD. ISBN 978-9974-8002-6-7. 2008.

OLIVEIRA, M. A. Variação lingüística e problemas para uma teoria fonológica. ANPOL. São Paulo. 2006.

PENNYCOOK, A. The Cultural Politics of English as an International Language. Routledge. Vol. III, nº 3. Outubro, 1995. P. 21-23.

RAMPTON, B. H. Displacing the ''native speaker'': expertise, affiliation and inheritance. ELT JOURNAL. Volume 44, nº 2. April, 1990. P. 97–101. https://doi.org/10.1093/eltj/44.2.97

RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. (orgs.) Sociolinguística interacional. São Paulo: Loyola, 2002.

SCHLATTER, M; GARCEZ, P. M. Línguas Adicionais (Espanhol e Inglês). In: Rio Grande do Sul, Secretaria de Estado da Educação, Departamento Pedagógico. (Orgs.). Referências curriculares do Estado do Rio Grande do Sul: linguagem, códigos e suas tecnologias. Porto Alegre: Secretaria de Estado da Educação, Departamento Pedagógico, 2009, v. 1, p. 127-172.

SOUZA, A.; BARRADAS, O. Português como língua de herança: políticas linguísticas na Inglaterra. REVISTA SIPLE. Brasília, 2013. Ano 4, Número 1. Disponível no link: http://www.siple.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=297:portugues-como-lingua-de-heranca-politicas-linguisticas-na-inglaterra&catid=69:edicao-6&Itemid=112 Acessado em 28/09/2017.

SPINASSÉ, K. P. Os conceitos Língua Materna, Segunda Língua e Língua Estrangeira e os falantes de línguas alóctones minoritárias no Sul do Brasil. CONTINGENTIA, Vol. 1, novembro 2006, Web. 20 Fev 2016.

VIEGAS, M. C. Alçamento das vogais médias pretônicas: uma abordagem sociolingüística. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 1987.

______. O alçamento de vogais médias pretônicas e os itens lexicais. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 2001.

WEISS, D. B. Conversação em aula de português para estrangeiros. Niterói, 2007. Tese de doutoramento. Disponível no repositório de teses da UFF: http://www.bdtd.ndc.uff.br/tde_arquivos/23/TDE-2006-07-10T123150Z-202/Publico/Denise%20Weiss-tese.pdf. Acessado em 28/09/2017.

WEISS, D. B. Português como língua de herança: o papel da memória no uso de variantes fonéticas. In: GONÇALVES, L. (org.). Português como Língua Estrangeira, de Herança e Materna: abordagens, contextos e práticas. Boavista Press. New Jersey, 2017. p. 95-104.

Downloads

Publicado

29-06-2018

Como Citar

WEISS, D. B.; DUTRA, M. C. de P.; FONSECA, A. A. Memória fonológica de falantes de português brasileiro como língua de herança. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 1267–1293, 2018. DOI: 10.14393/DL34-v12n2a2018-22. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/40099. Acesso em: 16 ago. 2022.