A categorização do gênero discursivo conto de fadas tradicional sob a ótica bakhtiniana

Autores

  • Patrícia Cristina de Oliveira Duarte Universidade Estadual do Norte do Paraná
  • Nerynei Meira Carneiro Bellini Universidade Estadual do Norte do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-12

Palavras-chave:

Linguística Aplicada, Ensino de língua portuguesa, Categorização, Gênero discursivo conto de fadas, Círculo de Bakhtin

Resumo

Pertencente ao mundo maravilhoso, o gênero conto de fadas sempre exerceu forte fascínio sobre os homens, por carregar em si a essência da natureza/existência humana, complexa, mística, incerta. O levantamento do estado da arte permite constatar que há um expressivo volume de trabalhos acadêmicos desenvolvidos sobre os contos de fadas, principalmente, os tradicionais, tanto na área de Letras como em Educação. Todavia, embora bastante estudado, o gênero tem sido focalizado, essencialmente, pelo prisma da literatura, ou seja, entendido como gênero literário, não como gênero discursivo, no sentido que o Círculo de Bakhtin lhe atribui; disso resulta uma categorização que não abarca todas as dimensões/categorias bakhtinianas dos gêneros. Há expressiva dificuldade para lidar, por exemplo, com o conceito dos gêneros conto de fadas tradicional, conto maravilhoso e mito, pertencentes à linha do Maravilhoso (COELHO, 2000), mas, nem por isso constituindo-se um único gênero. Este trabalho, portanto, fundamentando-se nas postulações do Círculo de Bakhtin, objetiva apresentar a categorização do gênero discursivo conto de fadas tradicional, sob a ótica bakhtiniana, distinguindo-o dos gêneros conto maravilhoso e mito. A categorização, por conseguinte, pauta-se nas dimensões postuladas por Bakhtin (2003): conteúdo temático, construção composicional e estilo, associadas às condições de produção. A caracterização apresentada é resultante da análise de um corpus representativo, constituído de dez contos pertencentes ao gênero conto de fadas tradicional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Cristina de Oliveira Duarte, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Centro de Letras, Comunicação e Artes - área de linguística e prática de ensino de língua portuguesa

Nerynei Meira Carneiro Bellini, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Centro de Letras, Comunicação e Artes - área de teoria literária e literatura comparada / prática de ensino de língua espanhola

Referências

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 3ª Ed. São Paulo: Editora Unesp, 1993.

_______. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARROS, E. M. D. Gestos de ensinar e de aprender gêneros textuais: a sequência didática como instrumentos de mediação. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina/PR, 2012.

BETTELHEIM, B. A psicanálise dos contos de fadas. São Paulo: Paz e terra, 2007.

BRAIT, B. Bakhtin e o círculo. São Paulo: Contexto, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Rio de Janeiro / Brasília: DP&A, 1998.

CALADO, E. O encantamento da bruxa: o mal nos contos de fadas. João Pessoa: Ideia, 2005.

CALVINO, Í. O mundo é uma alcachofra. In: _____. Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CANTON, K. E o príncipe dançou: o conto de fadas, da tradição oral à dança contemporânea. São Paulo: Ática, 1994.

CARNEIRO, N. M. O caleidoscópio de José J. Veiga: intersecções estruturais em narrativas insólitas. Assis, 2004. 200 f. Tese de Doutorado – Faculdade de Ciências e Letras de Assis – Universidade Estadual Paulista. Assis, 2004.

CLARK, K.; HOLQUIST, M. Mikhail Bakhtin. São Paulo: Perspectiva, 2009.

COELHO, N. N. O conto de fadas. São Paulo: Ática, 1987.

______. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo: Moderna, 2000.

______. O conto de fadas: símbolos, mitos, arquétipos. 4ª ed. São Paulo: Paulinas, 2012.

CONTOS DE FADAS: DE PERRAULT, GRIMM, ANDERSEN & OUTROS. Apresentação Ana Maria Machado; tradução Maria Luiza X. A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

DARNTON, R. O grande massacre de gatos, e outros episódios da história cultural francesa. Tradução de Sonia Coutinho. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

DOLZ, J; SCHNEUWLY, B; DE PIETRO. Relato da elaboração de uma sequência didática: o debate público. Roxane Rojo (trad.). In: Pour um enseignement de l’oral: Initiation aux genres formels àl’école. Paris: ESF Editeur, pp. 27-46, 1998.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita: elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas/SP: Mercado das Letras, 2004, p. 41-70.

DUARTE, P. C. O. Era uma vez um estágio de língua portuguesa: diálogos sobre formação docente inicial, o gênero discursivo conto de fadas e suas contrapalavras contemporâneas. 2015. 513 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015.

ELIADE, M. Mito e realidade. São Paulo, Perspectiva, 1972.

ESTÉS, C. P. Contos dos Irmãos Grimm. (trad. Lia Wyler). Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FIORIN, J. L. Introdução ao Pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2008.

FREUD, S. A interpretação dos sonhos. Rio de Janeiro: Imago, 1987.

GARCÍA, F. O ‘Insólito’ na Narrativa Ficcional: a questão e os conceitos na teoria dos gêneros literários. In: ______. (Org.). A banalização do insólito: questões de gênero literário – mecanismos de construção narrativa. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2007.

_____. O insólito na narrativa de Mário de Carvalho: uma questão de gênero literário. Revista Augustus, Rio de Janeiro, Ano 15, n° 30, agosto de 2010.

GREIMAS, A. J. Des dieux et des homens. Paris: PUF, 1985.

JESUALDO. A Literatura Infantil. São Paulo: Cultrix, 1993.

JOLLES, A. Formas Simples. São Paulo: Cultrix, 1976.

JUNG, C. G. Os arquétipos do inconsciente coletivo. Tradução Maria Luiza Appy e Dora Mariana Ferreira da Silva. Petrópolis: Vozes: 2000.

MACHADO, I. Gêneros discursivos. In: BRAIT, B. (org.) Bakhtin: conceitos-chave. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2005.

MACHADO, A. M. In: Prefácio de CONTOS DE FADAS: DE PERRAULT, GRIMM, ANDERSEN & OUTROS. Apresentação Ana Maria Machado; tradução Maria Luiza X. A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

MEREGE, A. L. Os contos de fadas: origens, história e permanência no mundo moderno. São Paulo: Claridade, 2010.

MICHELLI, R. Do maravilhoso ao insólito: caminhos da literatura infantil e juvenil. In: GARCÍA, F.; BATALHA, M. C. (orgs.) Vertentes teóricas e ficcionais do insólito. Rio de Janeiro: Caetés, 2012.

MIELIETINSKI, E. M. A poética do mito. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica: Língua Portuguesa. Curitiba: SEED, 2008.

PAULA, L.; STAFUZZA, G. Prefácio. In: PAULA, L.; STAFUZZA, G. Círculo de bakhtin: teoria inclassificável. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010.

______. Círculo de Bakhtin: uma análise dialógica de discurso. Revista Estudo da Linguagem. Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 239-258, jan./jun. 2013.

PAZ, N. Mitos e ritos de iniciação nos contos de fadas. São Paulo: Cultrix, 1995.

ROAS, D. Tras los Límites de lo Real. Una definición de lo fantástico. Madrid: Pági-nas de Espuma, 2011.

RODRIGUES. R. H. A Constituição e Funcionamento do Gênero Jornalístico Artigo: Cronotopo e Dialogismo. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem – LAEL – PUCSP). São Paulo: PUCSP, 2001.

______. Os gêneros do discurso na perspectiva dialógica da linguagem: a abordagem do Círculo de Bakhtin. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005. p, 152-183.

ROJO, R. H. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005, p. 184-207.

______. Gêneros do discurso/texto como objeto de ensino de línguas: um retorno ao trivium? In: SIGNORINI, I. (org.). (Re)discutir gênero, texto e discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008, p. 73-108.

______. A teoria dos gêneros discursivos do Círculo de Bakhtin e os multiletramentos. In ROJO, R. H. R. (Org.) Escol@ conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

SOBRAL, A. Do dialogismo ao gênero: as bases do pensamento do Círculo de Bakhtin. Campinas: Mercado de letras, 2009.

______. Gêneros discursivos, posição enunciativa e dilemas da transposição didática: novas reflexões. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 46, n. 1, p. 37-45, jan./mar. 2011.

STAM, R. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Ática, 2000.

TODOROV, T. Os gêneros do discurso. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

______. Introdução à literatura fantástica. Trad. Maria Clara Correa Castello. São Paulo: Perspectiva, 2007.

VOLOBUEF, K. Frestas e arestas. A prosa de ficção do romantismo na Alemanha e no Brasil. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (FEU), 1999.

VOLOCHINOV, V. N.; BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. 9 ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Organizadores Michael Cole et al. Tradução José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 5ª. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

WARNER, M. Da fera à Loira: sobre contos de fadas e seus narradores. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ZIPES, J. Fairy tale as myth/ Myth as fairy tale. Kentucky: The University Press of Kentucky, 1993. Disponível em: <http://www.imdb.com/title/tt0126029/taglines>. Acesso em: 30/05/2012.

Downloads

Publicado

29-03-2018

Como Citar

DUARTE, P. C. de O.; BELLINI, N. M. C. A categorização do gênero discursivo conto de fadas tradicional sob a ótica bakhtiniana. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 320–358, 2018. DOI: 10.14393/DL33-v12n1a2018-12. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/38670. Acesso em: 16 ago. 2022.