Concepções de aprendizagem subjacentes às atividades do livro didático Português

Projeto Teláris

Autores

  • Elisane Scapin Cargnin UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
  • Angela Maria Rossi UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA
  • Luciane Kirchhof Ticks UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL33-v12n1a2018-19

Palavras-chave:

Perspectivas de aprendizagem, Livro didático Projeto Teláris

Resumo

O presente estudo tem o objetivo de identificar qua(is) perspectivas teóricas de aprendizagem são mobilizadas para subsidiar as atividades que constituem o livro didático Projeto Teláris, utilizado no ensino fundamental, a fim de contribuir para o trabalho do professor em sala de aula e para uma reflexão acerca do papel do LD. Para tanto, analisamos a unidade 3 do Livro Didático (LD) de Língua Portuguesa, Projeto Teláris, produzido para os Anos Finais do Ensino Fundamental, e aprovado em segundo lugar pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), no triênio 2014-2016. Os critérios de seleção do livro didático de língua portuguesa foram: a) ser aprovada no Plano Nacional do Livro Didático; b) ser um dos livros mais usados em escolas da rede pública de Santa Maria, RS. Como principais pressupostos teóricos, consideramos as perspectivas de aprendizagem behaviorista (SKINNER, 1974), cognitivista (CHOMSKY, 1997) e sociocultural (VYGOTSKY, 1995). Na análise dos dados, identificamos a organização retórica da unidade, bem como as perspectivas de aprendizagem que orientam as atividades que a compõem. Como resultados, constatamos que LD está alinhado, em alguns momentos, a uma visão behaviorista, por meio de atividades de memorização, e, em outros, à perspectiva cognitivista, pela exploração de algumas estratégias de leitura, pelo uso de textos autênticos e pela exploração de atividades gramaticais com base nos textos apresentados na unidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisane Scapin Cargnin, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

Mestra e doutoranda em Letras (UFSM)

Angela Maria Rossi, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

Mestra em Letras- UFSM

Luciane Kirchhof Ticks, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

Professora Adjunta do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas (DLEM) e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Referências

BORGATTO, A. T.; BERTIN. T.; MARCHEZI. V. Projeto Teláris Português 8º ano. São Paulo: Ática, 2012.

BRAIT, B. (2002). Interação, gênero e estilo. In: PRETI, D. (Org.). Interação na fala e na escrita. Projetos PARALELOS – NURC/SP, v. 5, p. 125-157.

BUNZEN, C.; ROJO, R. Livro didático de língua portuguesa como gênero de discurso: autoria e estilo. In: COSTA VAL, M. G; MARCUSCHI, B. (Org.). Livros didáticos de língua portuguesa: letramento e cidadania. Belo Horizonte: Ceale, Autêntica, 2005.

CARDOSO, R. C. T. The communicative approach to foreign language teaching: a short introduction - managing theory and practice in the classroom. Campinas, SP: Pontes, 2004.

CHOMSKY, N. Novos horizontes no estudo da linguagem. Delta, v. 13, n. special issue, p. 1-16. São Paulo, 1997.

COLE, M; SCRIBNER, S. Introdução. In: COLE, M. et al. (Orgs.). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. São Paulo: Martins Fontes, 2007. p. 17-36.

FRIEDRICH, J. O aporte específico da escola. In: FRIEDRICH, J. Lev Vigotski - Mediação, aprendizagem e desenvolvimento: Uma leitura filosófica e epistemológica. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012.

FERREIRA, M. M. A perspectiva sócio-cultural e sua contribuição para a aprendizagem de língua estrangeira: em busca do desenvolvimento. Revista Intercâmbio, volume XXI: 38-61, 2010. São Paulo: LAEL/PUC-SP. ISSN 1806-275x.

HALLIDAY, M. A. K. Context of situation. In: HALLIDAY, M. A. K.; HASAN, H. Language, context and text: aspects of a language in a social-semiotic perspective. Oxford: Oxford University, 1989.

HICKMANN, M. Psychosocial aspects of language acquisition. In: FLETCHER, P.; GARMAN, M. (Eds.). Language acquisition. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. p. 9-29.

JOHNS, A.M. Pedagogical Genres. In: Text, role and context: developing academic literacies. Cambridge: Cambridge University Press, 1997. https://doi.org/10.1017/CBO9781139524650

KOCH, I.; CUNHA-LIMA, M. L. Do cognitivismo ao sociointeracionismo. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à linguística: fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, 2004. p. 251-300.

LEGENDRE, M. Jean Piaget e o construtivismo na educação. In: GAUTHIER, C. TARDIF, M. A pedagogia: teorias e práticas da Antiguidade aos nossos dias. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 395- 424, 2010a.

_____. Lev Vygotsky e o construtivismo na educação. In: GAUTHIER, C. TARDIF, M. A pedagogia: Teorias e práticas da Antiguidade aos nosso dias. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 425- 446, 2010b.

MEURER, J. L. Genre as diversity, and rhetorical mode as unit in language. Ilha do Desterro, 43, p. 61-82, 2002.

MORATO, E. O interacionismo no campo lingüístico. In: MUSSALIN, F.; BENTES, A. C. (Orgs.). Introdução à lingüística: Fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, p. 311-352, 2004.

NEWMAN, F.; HOLZMAN, L. Praxis: A zona de desenvolvimento proximal. In: NEWMAN, F.; HOLZMAN, L. Lev Vygotsky: cientista revolucionário. São Paulo: Editora Loyola, p. 71-110. 1993.

PIETRARÓIA, C. M. C. Percurso de leitura: léxico e construção do sentido na leitura em língua estrangeira. São Paulo: Annablume, 1997.

ROJO, R. (org). Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas. In KLEIMAN, A. (org). Ação e mudança na sala de aula: Uma pesquisa sobre letramento e interação. 1999. p. 175-186.

______. Letramento e capacidades de leitura para a cidadania. ROJO, R. .Letramento e capacidades de leitura para a cidadania. In: Anais do SEE: CENP, São Paulo, 2004. Disponível em:

https://www.google.com.br/?gws_rd=ssl#q=rojo+(r).+letramento+e+capacidades+de+leitura+para+a+cidadania+referencia. Acesso em: 11 abr. 2017.

SILVA, E. T. da. Livros didáticos: do ritual de passagem a ultrapassagem. Em aberto. Brasília, 1996, p. 8-11. Disponível em:

http://www.publicacoes.inep.gov.br/arquivos/%7B5F8D6FDF-2BF0-476F-9271-88ADE36BAD1A%7D_Em_Aberto_69.pdf. Acesso em: 01 jun. 2016.

SKINNER, B. F. Sobre o behaviorismo. Tradução de Maria da Penha Villalobos. São Paulo: Cultrix, 1974.

______. Tecnologia do ensino. Tradução de Rodolpho Azzi. São Paulo: Herder; Editora da USP, 1972.

STAATS, A. W. Behaviorismo social: uma ciência do homem com liberdade e dignidade (traduzido por Antonio Ribeiro de Almeida). In: Arquivos Brasileiros de Psicologia. Rio de Janeiro, 32(4): 97-116, out./dez. 1980.

STERNBERG, R. Psicologia cognitiva. Porto Alegre: artmed, 2000.

TERRA. M. O behaviorismo em discussão. Disponível em:

http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/b00008.htm. Acesso em: 12 jun. 2016.

TICKS, L. K. (2006). In: MOTTA-ROTH, D.; BARROS, N. C. A.; RICHTER, M. G. (org.). Linguagem, Cultura e Sociedade. 1ed. Porto Alegre: Editora e Gráfica Eficiência, v. 1, p. 169-189.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas. Tomo III. Madri: Visor, 1995.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WALLACE, C. Reading. Oxford, O.U.P, 1992.

WATSON, J. Psychology as the behaviorist views it. Psychological Review: 101 (2): 248-253, 1994. https://doi.org/10.1037/0033-295X.101.2.248

Downloads

Publicado

29.03.2018

Como Citar

SCAPIN CARGNIN, E.; ROSSI, A. M.; KIRCHHOF TICKS, L. Concepções de aprendizagem subjacentes às atividades do livro didático Português: Projeto Teláris. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 12, n. 1, p. 551–580, 2018. DOI: 10.14393/DL33-v12n1a2018-19. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/38532. Acesso em: 18 maio. 2024.