Júri (dis)simulado

proposta de atividade para o estudo do gênero textual/discursivo “depoimento pessoal” sob o viés da oralidade e da variação linguística

Autores

  • Carla Beatriz Frasson Universidade Federal de Uberlândia
  • Marlúcia Maria Alves Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL30-v11n3a2017-7

Palavras-chave:

Ensino de língua portuguesa, Gêneros textuais/discursivos, Oralidade, Variação linguística

Resumo

Este artigo evidencia que o trabalho adaptado com o júri escolar, aqui designado como “Júri (dis)simulado”, configura-se como uma prática de letramento realizada num contexto significativo de aprendizagem. Respaldamo-nos teoricamente em Bakhtin (2003), Bortoni-Ricardo e Dettoni (2001), Hilgert (1996), Marcuschi (2008), dentre outros. Por meio desse artigo, apresentamos uma proposta de material didático que estimule nos alunos, sobretudo, a leitura e análise do gênero textual/discursivo “depoimento pessoal”, buscando ultrapassar os limites da consciência ingênua para a consciência crítica desse gênero, reconhecendo as intenções explícitas e implícitas nele transmitidas. A atividade didática aqui proposta possibilita aos estudantes um momento orientado de estudo, focando de maneira crítica e analítica o continuum oralidade e escrita desse gênero, bem como a observação da importância de questões como respeito ao turno conversacional, assalto ao turno, marcas de oralidade, entonação das frases e intensidade da voz, dentre outros fatores. Permeando essas questões, também objetivamos possibilitar atividades de reflexão sobre a língua e a linguagem, desconstruindo falsas crenças e preconceitos linguísticos de que há uma variedade linguística melhor ou superior a outras. Por meio do “Júri (dis)simulado”, pretendemos promover o trabalho não só com as variedades de maior prestígio, mas também com as variedades por vezes estigmatizadas pela maior parte da sociedade e que, frequentemente, são utilizadas pelos alunos. Assim, as atividades objetivam também valorizar as variedades de não prestígio que caracterizam a identidade dos alunos e que se fazem presentes no gênero textual/discursivo “depoimento pessoal”, para, então, desenvolvemos competências de uso da variedade culta da própria língua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Beatriz Frasson, Universidade Federal de Uberlândia

Possui licenciatura em Letras pela Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (2005). Atualmente, participa do Mestrado Profissional em Letras, promovido pela Universidade Federal de Uberlândia (MG).

Marlúcia Maria Alves, Universidade Federal de Uberlândia

Possui graduação em Letras - Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Minas Gerais (1992), graduação em Letras - Língua Francesa pela Universidade Federal de Minas Gerais (1995), mestrado em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (1999) e doutorado em Linguística pela Universidade Federal de Minas Gerais (2008). Atualmente atua como Professor Adjunto 4 no curso de Letras (licenciatura) no Instituto de Letras e Linguística da Universidade Federal de Uberlândia. Atua também no PROFLETRAS na categoria de professor permanente.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BALOCCO, A. E. A perspectiva discursivo-semiótica de Gunther Kress: o gênero como um recurso representacional. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D.. (Org.). Gêneros: teorias, métodos, debates. 1ed. São Paulo: Parábola, 2005, v. 1, p. 65-80.

BORTONI-RICARDO, S. M.; DETONNI, R. do V. Diversidadies linguísticas e desigualdades sociais: aplicando a pedagogia culturalmente sensível. In: COX, M. I. P.; ASSIS-PETERSON, A. A. de (Org.) Cenas da sala de aula. Campinas-SP: Mercado de Letras, 2001.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

GALEMBECK, P. de T. O turno conversacional. In. PRETI, D. Análise de textos orais. Projetos Paralelos-NURC/SP (Núcleo USP), 1, São Paulo: Humanitas,1999, p. 65-92.

HILGERT, J. G. Esboço de uma fundamentação teórica para o estudo das atividades de formulação textual. In. CASTILHO, A. T. de. Gramática do português falado. Vol. III: as abordagens. UNICAMP, 1996, p. 99-115.

KOCH, I. G. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender os sentidos do texto. 3 ed. São Paulo: Contexto, 2010.

MARCUSCHI, L. A. Produção Textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. (orgs). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

Downloads

Publicado

10-06-2017

Como Citar

FRASSON, C. B.; ALVES, M. M. Júri (dis)simulado: proposta de atividade para o estudo do gênero textual/discursivo “depoimento pessoal” sob o viés da oralidade e da variação linguística. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 11, n. 3, p. 580–599, 2017. DOI: 10.14393/DL30-v11n3a2017-7. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37289. Acesso em: 23 maio. 2022.