A Produção Hipertextual no Ensino Superior

uma análise do uso de blog em uma turma de graduação

Autores

  • Leatrice Ferraz Macário Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia / Faculdade de Tecnologia e Ciências / Faculdade Maurício de Nassau http://orcid.org/0000-0001-5157-3966
  • Márcia Helena de Melo Pereira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL30-v11n3a2017-14

Palavras-chave:

Blogs, Educação, Hipertexto, Letramento Digital

Resumo

As tecnologias digitais têm se apresentado como ferramentas importantes para o estímulo à leitura, escrita e interesse dos alunos pelos temas trabalhados na sala de aula, atualmente. O blog educativo tem crescido significativamente no uso por professores e estudantes, para fins pedagógicos. Este trabalho tem por objetivo analisar o potencial do blog educativo para o favorecimento da aprendizagem de estudantes de um curso de graduação por meio da realização de uma pesquisa-ação em que constituíram como sujeitos a serem investigados dez alunos e seus respectivos blogs. Tendo como principais pressupostos teóricos os estudos da Linguística Textual, com Xavier (2002), Marcuschi (1999) e Koch (2009), constatamos as potencialidades do blog educativo como estimulador e facilitador do processo de aprendizagem, levando os alunos a um contato mais próximo dos conteúdos curriculares, através da leitura e reflexão para a escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leatrice Ferraz Macário, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia / Faculdade de Tecnologia e Ciências / Faculdade Maurício de Nassau

Mestre em Linguística pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Professora da Faculdade de Tecnologia e Ciências e da Faculdade Maurício de Nassau, nos cursos de Comunicação Social, Administração e Sistemas de Informação.

Márcia Helena de Melo Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP; Professora do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARROS, M. G.; CARVALHO, A. B.. As Concepções de Interatividade nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem. In: SOUSA, R. P.; MIOTA, F. M.C.; CARVALHO, A. B. (Orgs). Tecnologias Digitais na Educação. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012. Ministério da Saúde. Trim. 2012. Legislação Federal e marginalia.

CAGLIARI, L. C. Alfabetização e linguística. 10 ed. São Paulo, 2004.

CARVALHO, A. A. A. et al. Blogue: uma ferramenta com potencialidades pedagógicas em diferentes níveis de ensino. In: COLÓQUIO SOBRE QUESTÕES CURRICULARES, 7., Braga, Portugal, 2006. Actas... Braga: CIED, 2006. p. 635-652. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/5915. Acesso em: 12 abril 2015.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 23 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Orgs). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIBBONS, M. et al. The new production of knowledge: the dynamics os science and research in contemporary societies. London: Sage Publications, 1994.

GOULART, C. Letramento e Novas Tecnologias: Questões para a prática pedagógica. In: COSCARELLI, C.; RIBEIRO, A. E. (Orgs.). Letramento Digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. 3a Ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2011.

JOHNSON, D. M. Approaches to research in second language learning. New York & London: Longman, 1992.

KLEIMAN, A. B. Os significados do letramento. São Paulo: Mercado de Letras, 1995.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2009.

KOZINETS, R. V. On netnography: initial reflections on consumer research investigations of cyberculture. Advances in Consummer Research, v. 25, 1998.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

LÉVY, P. O que é o virtual. São Paulo: Editora 34, 1996.

LÉVY, P. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.

MARCUSCHI, L. A. Linearização, Cognição e Referência: O Desafio do Hipertexto. 1999. Disponível em: http://web.uchile.cl/facultades/filosofia/Editorial/libros/discurso_cambio/17Marcus.pdf Acesso em: 16 janeiro 2016.

MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. Hipertexto e gêneros digitais. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

MILLER, C. R. Gênero textual, agência e tecnologia. São Paulo: Parábola Editorial, 1998.

MORAN, J. M. A Educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5 ed. Campinas: Papirus, 2009.

MORIN, E. O problema epistemológico da complexidade. Publicações Europa- América, 1996.

NELSON, T. Literary Machines. Sausalito: Mindful Press, 1993.

RAMAL, A C. Ler e escrever na cultura digital. 2002. Disponível em: http://www.revistaconecta.com/destaque/edicao04.htm. Acesso em: 30 julho de 2015.

RECUERO, R. da C. Comunidades virtuais no IRC: o caso do #pelotas. Um estudo sobre a comunicação mediada por computador e as comunidades virtuais. 2003. 165 f.. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003

RIBEIRO, A. E. Navegar lendo, ler navegando. 2008. 243 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

ROJO, R.; MOURA, E. (Org.). Multiletramentos na Escola. São Paulo: Parábola: 2012.

SANTAELLA, L.. Culturas e artes do pós-humano: Da cultura das mídias à cibercultura. Editora Paulus. São Paulo, 2003.

SANTOS, E. Formação de professores e cibercultura: novas práticas curriculares na educação presencial e a distância. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, v. 11, n. 17, p. 113-122, jan./jun., 2002.

SILVA, L. S. da. O blog e autonomia no ensino/aprendizagem de inglês como língua estrangeira. 2009. 134 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Faculdade de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

SOARES, M. Letramento: Um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

SOARES, M. Letramento e escolarização. In: RIBEIRO, V. M. (Org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2009.

SOARES, E. M. do S.; ALMEIDA, C. Z. Interface gráfica e mediação pedagógica em ambientes virtuais: algumas considerações. 2005. Disponível em: http://ccet.ucs.br/pos/especializa/ceie/ambiente/disciplinas/pge0946/material/biblioteca/sacramento_zamboni_conahpa_2005.pdf. Acesso em: 15 março 2016.

TEIXEIRA, D. de O.; MOURA, E. Chapeuzinho Vermelho na cibercultura: Por uma Educação Linguística com Multiletramentos. In: ROXO, R.; MOURA, E. (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola: 2012.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

XAVIER, A. C. dos S. Hipertexto na sociedade da informação: a constituição do modo de enunciação digital. 2002. 214 f..Tese (Doutorado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

XAVIER, A. C. dos S. Letramento Digital e Ensino. 2007a. Disponível em: http://www.ufpe.br/nehte/artigos/Letramento%20digital%20e%20ensino.pdf. Acesso em: 28 Agosto 2013.

XAVIER, A. C. dos S. As Tecnologias e a aprendizagem (re)construcionista no Século XXI. Revista Hipertextus, Volume 1, 2007b. Disponível em: http://hipertextus.net/volume1/artigo-xavier.pdf Acesso em: 25 fevereiro 2016.

Downloads

Publicado

01-08-2017

Como Citar

MACÁRIO, L. F.; PEREIRA, M. H. de M. A Produção Hipertextual no Ensino Superior: uma análise do uso de blog em uma turma de graduação. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 11, n. 3, p. 753–781, 2017. DOI: 10.14393/DL30-v11n3a2017-14. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37258. Acesso em: 18 maio. 2022.