O uso de técnicas para o ensino de pronúncia da língua inglesa

Autores

  • Felipe Santos dos Reis Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL30-v11n3a2017-12

Palavras-chave:

Inglês como L2, Ensino de pronúncia, Inteligibilidade, Práticas de ensino, Técnicas

Resumo

Esta pesquisa qualitativa de base etnográfica (ANDRÉ, 2003) tem por objetivo investigar as formas através das quais a pronúncia da língua inglesa é focalizada nas aulas de dois professores de uma escola de idiomas da cidade de Campina Grande - PB. Os instrumentos utilizados com vistas à coleta de dados envolvem entrevistas semiestruturadas, observação e gravação em áudio das aulas, e notas de campo. Os resultados obtidos aqui indicam que a forma mais utilizada por esses professores a fim de abordar aspectos de pronúncia do inglês corresponde à técnica escutar e imitar, tal como apresentada por Celce-Murcia, Brinton e Goodwin (2010), a qual é baseada numa abordagem implícita e depende da habilidade do aprendiz de ouvir e imitar o ritmo e os sons do inglês como L2.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Santos dos Reis, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. de. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 2003. 114 p.

ALLWRIGHT, D.; BAILEY, K. M. Focus on the Language Classroom: An Introduction to Classroom Research for Language Teachers. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

BARNES, N. Does intonation matter?. Speak out! Journal of the IATEFL Phonology SIG – V. 3, N. 17, p. 25-28, 2004.

CAGLIARI, L. C. Análise fonológica: introdução à teoria e à prática com especial destaque para o modelo fonêmico. Campinas: Mercado de Letras, 2002. 208 p.

CANÇADO, M. Um estudo da pesquisa etnográfica em sala de aula. Trabalhos de Linguística Aplicada, Campinas, n. 23, p. 55-69, jan/jun. 1994.

CELCE-MURCIA, M. Teaching pronunciation as communication. In: MORLEY, J. (Ed.) Current Perspectives on Pronunciation: Practices Anchored in Theory. Washington DC.: TESOL, p. 5-12, 1987.

CELCE-MURCIA, M.; BRINTON, D. M.; GOODWIN, J. M. Teaching Pronunciation: A Course Book and Reference Guide. 2nd Edition. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

CRISTÓFARO-SILVA, T. Pronúncia do Inglês: para falantes do português brasileiro - Os sons. 1. ed. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, 2005.

CRUTTENDEN, A. Gimson's Pronunciation of English. 6th edition. London: Arnold, 2001.

CRUZ, N. F. C. Minimal pairs: Are they suitable to illustrate meaning confusion derived from mispronunciation in Brazilian learners' English? Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 8, n. 2, p. 171-180, 2005.

DALTON, C.; SEIDLHOFER, B. Pronunciation. Oxford: Oxford University Press, 1994.

DIONÍSIO, A. P. Análise da conversação. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2006. v. 2, p. 69-99.

HOTIMSKY, F. Making sense of stress placement. Speak out! Newsletter of the IATEFL Pronunciation SIG – v. 31, p. 25-28, 2004.

JENKINS, J. The phonology of English as an International Language. Oxford: Oxford University Press, 2000.

NUNAN, D. Research Methods in Language Learning. Cambridge University Press, 2003.

OXENDEN, C.; LATHAM-KOENIG, C. New English File Intermediate. Oxford University Press, 2006.

PENNINGTON, M. C. Phonology in English language teaching. Londres: Addison Wesley Longman Limited, 1996.

ROACH, P. Phonetics. Oxford: Oxford University Press, 2001.

TENCH, P. Pronunciation Skills. London: The MacMillan, 1981.

TRAVA-LÍNGUA. In: DICIONÁRIO Priberam da língua portuguesa. Disponível em: < https://www.priberam.pt/dlpo/trava-l%C3%ADngua>. Acesso em: 12 ago. 2016.

WALKER, R. Teaching the Pronunciation of English as a Lingua Franca. Oxford: Oxford University Press, 2010.

WARD, I. The Phonetics of English. Cambridge: W. Heffer & Sons Ltd, 1972.

Downloads

Publicado

17.07.2017

Como Citar

REIS, F. S. dos. O uso de técnicas para o ensino de pronúncia da língua inglesa. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 11, n. 3, p. 708–733, 2017. DOI: 10.14393/DL30-v11n3a2017-12. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/37171. Acesso em: 30 nov. 2022.