Uma distinção entre entidades e unidades linguísticas

implicações para o método em Linguística

Autores

  • Cármen Agustini Universidade Federal de Uberlândia
  • Flávia Santos da Silva Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.14393/10.14393/DL30-v11n3a2017-3

Palavras-chave:

Entidade, Unidade, Sintagma, Sujeito-falante

Resumo

No presente artigo, buscamos problematizar, a partir de uma leitura do Cours de Linguistique Générale, de Ferdinand de Saussure, a distinção conceitual entre entidade e unidade linguísticas. Embora essa distinção possa parecer irrelevante, ela não o é; ao contrário, ela pode contribuir para ressignificar algumas leituras do Cours e, assim, redimensionar o discurso da Linguística sobre ele. É preciso, então, (re)visitá-las para não reduzi-las a uma mera sinonímia. Estudá-las pode ser uma forma de dar densidade às afirmações de que não há, no Saussure do Cours, o tão propalado expurgo do sujeito-falante. Pensar essa distinção no espaço do presente artigo é uma forma de dar a ver que as unidades da língua estão em função da produção da fala e do sujeito-falante que as delimita no mo(vi)mento de significação. Para melhor explicarmos a distinção entre os dois conceitos, analisamos algumas manifestações da linguagem, como propaganda, piada, notícia e provérbio, a fim de evidenciar o modo como o sujeito-falante delimita uma entidade concreta em unidade linguística. Assim procedendo, demonstramos que essa distinção conceitual está na base do método linguístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Santos da Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre no Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticso da Universidade Federal de Uberlândia. Atualmente estuda as teorizações de

Referências

AGUSTINI, C. O problema do signo linguístico em Saussure e em Benveniste. Língua e Instrumentos Linguísticos, v. 33, Campinas, p. 109-130, 2015.

AGUSTINI, C; LEITE, J. Benveniste e a teoria saussuriana do signo linguístico: o binômio contigência-necessidade. Língua e Instrumentos Linguísticos, v. 30, Campinas, p. 113-129, 2012.

AGUSTINI, C; SANTOS, F. A frase como unidade de discurso. (N)as teorizações de Émile Benveniste. Língua e Instrumentos Linguísticos, v. 35, Campinas, p. 217-236, 2015.

JEUGE-MAYNART, I. Le petit Larousse. Paris: Éditions Larousse, 2012.

SAUSSURE, F. Cours de linguistique générale. Paris: Payot, 1964.

______. Cours de linguistique générale. Édition critique par Rudolf Engler. Wiesbaden: Harrassowitz, 1989.

Downloads

Publicado

08-06-2017

Como Citar

AGUSTINI, C.; DA SILVA, F. S. Uma distinção entre entidades e unidades linguísticas: implicações para o método em Linguística. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 11, n. 3, p. 502–525, 2017. DOI: 10.14393/10.14393/DL30-v11n3a2017-3. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/36955. Acesso em: 25 maio. 2022.