A função interpessoal e o posicionamento dialógico de tradutores em traduções de picture books

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL32-v11n5a2017-12

Palavras-chave:

Função interpessoal e tradução, Posicionamento dialógico, Avaliação, Apresentação da fala, Picture books

Resumo

O objetivo deste artigo é estudar as shifts de tradução que representam o posicionamento dialógico de tradutores em relação a valores expressos nos textos e sua interação com leitores prospectivos desses textos. O tema é aqui abordado com base em uma interface das teorias e métodos usados por Rosa (2009) e Munday (2012, 2015) para investigar o papel da função interpessoal na interação tradutor-leitor e na intervenção tradutória, respectivamente. Estudam-se shifts na estrutura comunicativa da narrativa, incluindo aquelas relativas à apresentação da fala de personagens, e no uso de recursos de avaliação em picture books traduzidos do inglês para o português brasileiro. Em última instância, busca-se identificar o posicionamento dialógico dos tradutores em relação aos valores expressos por recursos avaliativos nestes textos e na construção de uma comunidade de leitores que partilham desses valores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Célia Maria Magalhães, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Titular em Estudos Linguísticos: Estudos da Tradução, do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Área de Concentração em Estudos da Tradução, da Faculdade de Letras da UFMG.

Andrea Aguiar Leitão, UFMG

Aluna do Curso de Letras Licenciatura em Inglês

Daniela Sofia Fernandes de Assis, UFMG

Aluna do Curso de Bacharelado em Letras-Inglês

Referências

AHLBERG, J. e A. The Jolly Christmas Postman. New York: LBkids, 1991.

______. The Jolly Postman: or other people’s letters. New York: LBkids, 2001 [1986].

______. O carteiro chegou. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das letrinhas, 2007.

______. O Natal do carteiro. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das letrinhas, 2009.

BARCELLOS, C. P. O estilo de tradutores: apresentação do discurso no corpus paralelo Heart of Darkness (No Coração das Trevas). 2011. 101 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, MG, 2011.

CHATMAN, S. Story and discourse: narrative structure in fiction and film. Ithaca and London: Cornell University Press, 1978.

COLE, B. Prince Cinders. London: Puffin Books, 1997.

______. Princess Smartypants. London: Paperstar, 1997.

______. A Princesa Sabichona. Trad. Monica Stahel. São Paulo: Martins Fontes Editora Ltda., 1998.

______. Príncipe Cinderelo. Trad. Monica Stahel. São Paulo: Martins Fontes Editora Ltda., 2006.

DONALDSON, J. The Gruffalo. Ilustrações de Axel Scheffler. Oxford: Macmillan Children’s Books, 1999.

______. O Grúfalo. Trad. Gilda de Aquino. São Paulo: Brinque-book, 2002.

______. The Gruffalo’s child. Ilustrações de Axel Scheffler. Oxford: Macmillan Children’s Books, 2004.

______. O filho do Grúfalo. Trad. Gilda de Aquino. São Paulo: Brinque-book, 2006.

LEECH, G.; SHORT, M. Style in Fiction: A Linguistic Introduction to English Fictional Prose. 2 ed. Harlow: Pearson, 2007 [1981] .

HALLIDAY, M. A. K. Introduction to functional grammar. London: Arnold, 1994.

MAGALHÃES, C. M. Estra: um corpus para o estudo do estilo da tradução. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 2, n. 34, p. 248-271, 2014. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2014v2n34p248

MARTIN, J. R.; WHITE, P. R. R. The Language of Evaluation: Appraisal in English. London; New York: Palgrave; Macmillan, 2005. https://doi.org/10.1057/9780230511910

______. Evaluation in Translation: A study of critical points in translator decision-making. London and New York: Routledge, 2012.

______. Engagement and graduation resources as markers of translator/interpreter positioning. Target, Philadelphia/Amsterdam, v. 27, n. 3, p. 406-421, 2015. https://doi.org/10.1057/9780230511910

O’DONNELL, M. UAM CorpusTool (Version 3.3f). Disponível em: http://www.wagsoft.com/CorpusTool/, 2016.

PRAXEDES FILHO, P. H.; MAGALHÃES, C. M. Audiodescrições de pinturas são neutras? Descrição de um pequeno corpus em português via sistema da avaliatividade. In: PONTES, V. O. et al. A tradução e suas interfaces: múltiplas perspectivas. Curitiba: Editora CRV, 2015, p. 99-130.

ROSA, A. Narrator profile in translation: Work-in-progress for a semiautomatic analysis of narratorial dialogistic and attitudinal positioning in translated fiction. Linguistica Antverpiensia, Antwerp, v. 7, p. 227-248, 2009.

SCHIAVI, G. There’s always a teller in a tale. Target, Philadelphia; Amsterdam, v. 8, p. 1-21, 1996. https://doi.org/10.1075/target.8.1.02sch

SENDAK, M. Where the wild things are. London: Harper and Row, 2000 [1963].

______. In the night kitchen. New York: Harper Collins Publishers, 1992 [1970].

______. Na cozinha noturna. Trad. Heloisa Jahn. São Paulo: Cosac Naify, 2009

______. Onde vivem os monstros. Trad. Heloisa Jahn e Antonio de Macedo Soares. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

SILVERSTEIN, S. The Giving Tree. United States: Harper & Row, 1964.

______. A árvore generosa. Trad. Fernando Sabino. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

THOMPSON, G. Collins Cobuild English guides 5: reporting. London: Harper Publishers Ltd., 1996.

TOURY, G. Descriptive Translation Studies and Beyond. Amsterdam; Philadelphia: John Benjamins, 1995. https://doi.org/10.1075/btl.4

VIAN JR., O.; SOUZA, A. A. de; ALMEIDA, F. S. D. P. A linguagem da avaliação em língua portuguesa: estudos sistêmicos-funcionais com base no sistema de avaliatividade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

Downloads

Publicado

21-12-2017

Como Citar

MAGALHÃES, C. M.; LEITÃO, A. A.; FERNANDES DE ASSIS, D. S. A função interpessoal e o posicionamento dialógico de tradutores em traduções de picture books. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 11, n. 5, p. 1604–1627, 2017. DOI: 10.14393/DL32-v11n5a2017-12. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/36699. Acesso em: 28 maio. 2022.