Expansão semântica do onde

para onde está indo?

Autores

  • Jacqueline Borges Assis UFU

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL23-v10n3a2016-9

Palavras-chave:

Gramaticalização, Modificação semântica, Semântica cognitiva, Operador argumentativo

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar funções e valores assumidos pelo item onde em seus empregos “desviantes” no Português do Brasil - PB, a partir de exemplos extraídos de documentos e artigos a serem publicados em revistas acadêmicas de uma instituição de ensino superior de Minas Gerais/ Brasil. Como procedimento metodológico adotou-se a análise qualitativa interpretativista de um corpus constituído por 68 ocorrências. A hipótese que norteou o estudo é a de que o onde passa por um processo de gramaticalização, no qual há abstratização de seu sentido original de ‘lugar em que’. Em seus empregos emergentes, observa-se a ocorrência de onde tanto sem o valor funcional de pronome relativo a espaço físico, como fazendo referência a categorias não locativas, ou sem referência anafórica, como operador argumentativo. Sugere-se, assim, que há neste processo dois aspectos da semântica atuando simultaneamente: a modificação semântica, com a expansão de valores, e a incorporação das propriedades de operador argumentativo. Como aporte teórico toma os estudos sobre Gramaticalização (Hopper e Traugott, 1993); da Semântica Cognitiva (Lakoff & Johnson, 1980) e da Semântica Argumentativa (Ducrot, 1989). Os novos valores de onde constituem a sua polissemia. O falante conceitualiza essas ocorrências do onde como se estivessem dentro de alguma coisa, num espaço virtual. O estudo conclui que a mudança semântica de onde parece caminhar no sentido de torná-lo, mais que um relativo “curinga”, um marcador discursivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacqueline Borges Assis, UFU

PPGEL _ sociolinguística

Referências

ALCÂNTARA, A. S. Os emergentes do Idioma. In: Revista Língua Portuguesa – junho 2007. São Paulo: Editora Segmento, n. 20 p. 28-32.

ALMEIDA, L. de. Análise semântica de operadores argumentativos em textos publicitários. Uberlândia: Dissertação de Mestrado/UFU/ILEEL, 2001.

ANDRADE, T. L. S. O item linguístico onde na comunidade de fala de João Pessoa – PB: uma abordagem funcionalista. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Paraíba – UFPB. João Pessoa, 2009.

BOMFIM, M. S. L. Emprego do ONDE em textos Escritos: Textual ou ininteligível? Revista do GELNE. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, v. 7 n. 1/2, p.61-71, 2005.

BRAGA, M. L.; MANFlLU, K.; OLIVElRA, D. de. Onde em remitências anafóricas a categorias não-locativas. In: Lingüística, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 117-132, Junho, 2007.

CASTILHO, A. T. Uniderecionalidade ou multidirecionalidade? O problema da Gramaticalização. Mesa-redonda sobre Gramaticalização, XVII Encontro da ANPOLL, GT DE SOCIOLINGÜÍSTICA, Gramado, RS: 2002. (mimeo)

COELHO, S. M. Uma Análise Funcional do ONDE no Português Brasileiro: da Sintaxe ao Discurso. Belo Horizonte, 2001, 123 p. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

DUCROT, O. Argumentação e topoi argumentativos. In: História e sentido na linguagem. São Paulo: Cortez, 1989.

FURLANETTO, M. M. Os caminhos de onde no português do Brasil: instrumentos linguísticos e deriva. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, v.4 n.2,p.249-279,jan/jun.2004.

HOPPER, P. On some principles of grammaticalization. In: TRAUGOTT, E. C. e HEINE. B. Approaches to grammaticalization. Amesterdam/ Philadelphia: John Benjamins. V. 1. p. 17- 36, 1991.

HOPPER, P; TRAUGOTT, E. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

KERSCH, D. F. A palavra onde no Português do Brasil. Porto Alegre, 1996, 178p. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

KOCH, I. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 1984.

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

LAKOFF, G.; JONHSON, M. Metaphors we live by. Chicago: Chicago. University Press, 1980.

OLIVEIRA, R. P. de. Os caminhos de onde: uma contribuição da Semântica ao ensino da língua materna. In: CABRAL, L. G.; GORSKI. E. (orgs). Linguística e ensino: reflexões para a prática pedagógica da língua materna. Florianópolis: Insular, 1998.

¬¬¬_____________. Semântica. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (orgs). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001, p.17-46.

MATTOS E SILVA, R. V. Estruturas trecentistas: Elementos para uma gramática do português arcaico. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1989.

NEVES, M. H. M. Gramática dos Usos do Português. São Paulo: UNESP, 2000.

______. A Gramática Funcional. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: M. Fontes, 1996.

POSSENTI, S. A cor da língua e outras croniquinhas de lingüística. Campinas: Mercado das Letras/ALB, 2001.

SOUZA, E. H. P. M. de. A multifuncionalidade do onde na fala de Salvador. Salvador – BA, 2003. 284 p. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras: Universidade Federal da Bahia.

TAVARES, M. A. Variação no Uso dos Conectores Sequenciadores: Uma Questão de Coerência? In. HORA, D.; BARROS, A. dos M. (eds). Revista Língua (gem). Macapá: ILAPEC, 2004. p. 157-190.

TRAUGOTT, E; HEINE, B. (orgs). Approaches to Grammaticalization. Amesterdan: John Benjamins, 1991.

WEINREICH, U. LABOV, W. & HERZOG, M. Empirical Foundations for a Theory of Language Change. In: W.P. Lehmann and Yakov Malkiel. Directions for Historical Linguistics Austin: University of Texas Press, 1968.

Downloads

Publicado

26-08-2016

Como Citar

ASSIS, J. B. Expansão semântica do onde: para onde está indo?. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 927–956, 2016. DOI: 10.14393/DL23-v10n3a2016-9. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/32540. Acesso em: 25 maio. 2022.