A aquisição fonológica variável da nasal velar por aprendizes de inglês-l2

análise pela Teoria da Otimidade Estocástica

Autores

  • Athany Gutierres

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL22-v10n2a2016-10

Palavras-chave:

Aquisição, Variação, TO Estocástica, GLA, Nasal velar

Resumo

Este artigo apresenta uma análise formal da Interlíngua de aprendizes brasileiros (gaúchos) de Inglês quanto à aquisição da nasal velar em coda silábica. A análise está associada ao algoritmo de aprendizagem da Teoria da Otimidade Estocástica, o GLA (Gradual Learning Algorithm) (BOERSMA e HAYES, 2001), que considera a aquisição como o ordenamento hierárquico de restrições linguísticas, em que a variação é representada pela sobreposição de pontos de seleção das restrições numa escala contínua. O status da variação na L1 (primeira língua, Português) e na L2 (segunda língua, Inglês) é distinto, tem condicionamento fonético na primeira e fonológico na segunda. O ponto de partida da aquisição da L2 é o ranking da L1, de configuração M(arcação)>>F(idelidade). Na formalização proposta, uma restrição AGREE (M), que exige partilha de ponto de articulação na sequência vN_#, possui valor de ranqueamento próximo ao de uma restrição IDENT (F), que requer identidade quanto ao ponto da nasal no input e no output. O modelamento feito reitera o potencial do algoritmo no que diz respeito à formalização de sistemas variáveis de L2. Adquirir a nasal velar é promover Fidelidade em direção ao input, através do ajuste gradual das restrições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Athany Gutierres

Mestre em Educação (UCS). Bolsista de Doutorado em Estudos da Linguagem - Teoria e Análise Linguística (UFRGS).

Referências

ADAM, G. From variable to optimal grammar: Evidence from language acquisition and language change. PhD dissertation. Tel Aviv: Tel-Aviv University. 2003.

ALVES, U. K. A Aquisição das Sequências Finais de Obstruintes do Inglês (L2) por Falantes do Sul do Brasil: análise via Teoria da Otimidade. 2008. 337 f. Tese (Doutorado em Linguística). Faculdade de Letras - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br:8080/dspace/bitstream/10923/4091/1/000399693-Texto%2BCompleto-0.pdf, acesso: 09-12-14.

¬¬¬______. Os Dados de Aquisição de L2 e sua Relação com a Teoria Fonológica: reflexão a partir de uma análise via TO. In: FERREIRA-GONÇALVES, G.; KESKE-SOARES, M.; BRUM-DE-PAULA, M. R. (Org). Estudos em Aquisição Fonológica, Santa Maria, v. 2, p. 165-180, 2009.

______. Teoria da Otimidade, Gramática Harmônica e Restrições Conjuntas. Alfa, São Paulo, v. 54, n.1, p. 237-263, 2010. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/alfa/article/view/2879, acesso: 10-12-14.

______. Aquisição Fonológica de L2: formalização de fenômenos variáveis na língua-fonte, na língua-alvo e em seus sistemas intermediários. In: COLLISCHONN, G.; BISOL, L. Fonologia. Teorias e perspectivas. POA: EDIPUCRS, 2013. p. 133-148.

______; CABAÑERO, M. B. A transferência grafo-fono-fonológica na produção de sequências ortográficas ‘ng’ do Inglês (L2): uma abordagem conexionista. ReVEL. Pelotas, v.6, n. 11, ago./2008. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/artigos/revel_11_a_transferencia_grafo_fonico_fonologica_na_producao_de_sequencias_ortograficas.pdf, acesso: 08-03-15.

ALVES, F.C.; LUCENA, R.M. Aquisição da lateral silábica do inglês: uma análise via teoria da otimidade estocástica. Letrônica, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 795-820, jul./dez., 2014.

AZEVEDO, R. Q. A epêntese no português brasileiro (L2), em segmentos plosivos em codas mediais, por falantes nativos do espanhol colombiano (L1): uma análise via Teoria da Otimidade Estocástica e Gramática Harmônica. 2011. 180 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, 2011.

BAPTISTA, B. O.; SILVA-FILHO, J. L. A. The influence of voicing and sonority relationships on the production of English final consonants. In: BAPTISTA, B. O. WATKINS, M. A. English with a Latin beat: Studies in Portuguese/Spanish-English Interphonology. John Benjamins, 2006, p. 73-90.

BATTISTI, E. A representação da nasal em coda silábica e os ditongos nasais do português. In: Anais do XVII Congreso Internacional Asociación de Linguística y Filología de América Latina (ALFAL 2014). João Pessoa - Paraíba, Brasil. 2014. p. 1433-1453. Disponível em: http://www.mundoalfal.org/CDAnaisXVII/trabalhos/R0819-1.pdf, acesso: 02-07-15.

BLEY-VROMAN, R. What is the logical problem of foreign language acquisition? In: GASS, S.M.; SCHACHTER, J. Linguistic Perspectives on Second Language Acquisition. Cambridge: CUP, 1989.

BOERSMA, P.; HAYES, B. Empirical Tests of the Gradual Learning Algorithm. 2001. Disponível em: http://www.linguistics.ucla.edu/people/hayes/GLA/gla.pdf, acesso: 02-07-15.

______; WEENINCK, D. Praat – Doing Phonetics by Computer. 2015. Disponível em: http://www.fon.hum.uva.nl/praat/download_win.html, acesso: 02-07–15.

______; LEVELT, C. Optimality Theory and phonological acquisition. Annual Review of Language Acquisition 3 (2004), 1–50.

BROSELOW, E. Unmarked structures and emergent rankings in second language phonology. In: International Journal of Bilingualism, v.8, n.1, 2004. p. 51-65.

CAGLIARI, L. C. An experimental study of nasality with particular reference to Brazilian Portuguese. 1977. 321 f. Tese (Doutorado em Filosofia) - Universidade de Edinburgo, Edinburgo, 1977.

CÂMARA JR., J. M. Estrutura da língua portuguesa. 8.ed. Petrópolis: Vozes, [1970] 2005.

______. Problemas de lingüística descritiva. 11.ed. Petrópolis: Vozes, [1971] 2002.

CURTIN, S.; ZURAW, K. Explaining constraint demotion in a developing system. In SKARABELA, B.; FISH, S.; and A.H.-J. do (Eds.). Proceedings of the 26th annual Boston University Conference on Language Development (p. 118-129). Somerville, MA: Cascadilla Press. 2002.

GARCIA, G. D. Aquisição de acento primário em inglês por falantes de português: uma análise de derivações com sufixos não neutros via Algoritmo de Aprendizagem Gradual - GLA. 2012. 148 f. Dissertação (Mestrado em Teoria e Análise Linguística) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

GNANADESIKAN, A. Markedness and faithfulness constraints in child phonology. In KAGER, R.; PATER, J.; & ZONNEVELD, W. (Eds.). Fixing priorities: constraints in phonological acquisition. Cambridge: Cambridge University Press. [ROA 67, 1995]

GUIMARÃES, M. A. A. Aspectos da fonologia do português como segunda língua por aprendizes anglófonos – uma análise via Teoria da Otimidade. 2012. 115 f. Dissertação (Mestrado em Letras - Filologia e Língua Portuguesa) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8142/tde-22022013-153330/en.php, acesso: 02-07-15.

KOERICH, R. D. Perception and Production of Vowel Epenthesis in Word-Final Single Consonant Codas. 261 f. Tese: Doutorado em Letras. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2002.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change. Vol. 1: Internal Factors (Language in Society). Philadelphia: Blackwell Publishers, 1994.

______. Principles of Linguistic Change. Vol. 2: Social Factors (Language in Society). Philadelphia: Blackwell Publishers, 2001.

LACY, P. de. The formal expression of markedness. Dissertation on Linguistics. University of Massachusetts Amherst, Massachusetts, 2002. Disponível em: http://www.pauldelacy.net/webpage/docs/delacy-2002-formal%20expression%20of%20markedness.pdf, acesso: 28-09-2015.

LEVELT, C. Unfaithful kids: place of articulation patterns in early child language. Paper presented at the University of Pennsylvania, October 13, 1995.

________; SCHILLER, N.; LEVELT, W. The acquisition of syllable types. Language Acquisition, 8.3, 237-264. 2000.

LUCENA, R. M.; ALVES, F. C. Análise Variacionista da Aquisição do /p/ em Coda Silábica por Aprendizes de Inglês como LE. Revista Intertexto, v. 5, n. 2, 2012. Disponível em: http://www.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/intertexto/article/view/310, acesso: 09-12-14.

MCCARTHY, J. J. (ed) Optimality Theory in Phonology. Blackwell Publishing, 2004.

MOHANAN, P. J. Evidence of transference and Emergence in Interlanguage. 2001. Disponível em: http://roa.rutgers.edu/files/444-0701/444-0701-MONAHAN-0-0.PDF.gz, acesso: 02-07-15.

MOHANAN, T.; MOHANAN, K. P. Towards a Theory of Constraints in OT: Emergence of the not-so-unmarked in Malayalee English. 2003. Disponível em: http://roa.rutgers.edu/files/601-0503/601-0503-MOHANAN-0-0.PDF, acesso: 28-09-2015.

PATER, J.; WERLE, A. Typology and variation in child consonant harmony. In: FÉRY, C.; DUBACH GREEN, A.; VAN DE VIJVER, R. (Eds.). Proceedings of the 5th HIL Phonology Conference (pp. 119-139). Potsdam: University of Potsdam. 2001.

PRINCE, A.; SMOLENSKY, P. Optimality Theory: constraint interaction in generative grammar. 1993. In: McCARTHY, J. Optimality Theory in Phonology. Oxford: Blackwell Publishing, 2004.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S.; SMITH, E. Goldvarb X: a variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics. University of Toronto, 2014.

SCHMITT, B.; ALVES, U. K. The acquisition of /p/ and /k/ word-mid codas of English (L2) by leaners from Southern Brazil (L1): a gestural analysis in stochastic optimality theory. Letrônica, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 765-794, jul./dez., 2014.

SELKIRK, E. The Syllable. In: HULST; SMITH. (eds.). The Structure of Phonological Representations (Part II). Dordrecht Foris. p. 337-383. 1982.

SELINKER, L. Language Transfer. General Linguistics, n.9 (2), p.67-92, 1969.

______. Rediscovering Interlanguage. NY: Longman, 1994.

WEINREICH, U; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Fundamentos Empíricos para uma Teoria da Mudança Linguística. Trad. de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, [1968] 2006.

ZIMMER, M. C.; ALVES, U. K. A produção de aspectos fonéticos/fonológicos da L2: instrução explícita e conexionismo. Revista Linguagem e Ensino, Pelotas, v. 9, n. 2, p. 101-143, 2006.

Downloads

Publicado

27.06.2016

Como Citar

GUTIERRES, A. A aquisição fonológica variável da nasal velar por aprendizes de inglês-l2: análise pela Teoria da Otimidade Estocástica. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 10, n. 2, p. 646–672, 2016. DOI: 10.14393/DL22-v10n2a2016-10. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/31883. Acesso em: 18 maio. 2024.