O comportamento entoacional das exclamativas-wh e das interrogativas-wh no português brasileiro

Autores

  • Karina Zendron da Cunha Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.14393/DLE-v9n5a2015-9

Palavras-chave:

Sentenças exclamativas, Sentenças interrogativas, Interface sintaxe-prosódia

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o comportamento entoacional de sentenças exclamativas e interrogativas com pronome em português brasileiro, variedade de Florianópolis. Tendo em vista que analisamos quatro posições nas sentenças interrogativas-wh e exclamativas-wh (WH, foco, X e sílaba tônica final), nossas hipóteses preveem que (i) na posição foco o valor de F0 é significativamente diferente das outras posições sentenciais (WH, X e sílaba tônica final) tanto nas sentenças exclamativas-wh quanto nas interrogativas-wh; (ii) as sentenças exclamativas-wh com pronome E-only (como) devem apresentar comportamento entoacional diferente das sentenças com pronome non-E-only (quanto e que); (iii) as sentenças interrogativas-wh têm um mesmo comportamento entoacional, independentemente do pronome WH presente nessas sentenças; e (iv) as sentenças interrogativas-wh têm o mesmo comportamento entoacional das exclamativas-wh com WH E-only. Com o intuito de comprovar nossas hipóteses, apresentaremos o resultado de um experimento piloto de produção de fala. Para a análise dos dados, utilizamos o script MOMEL/INTSINT for Praat. Os resultados do experimento comprovaram as hipóteses (i), (ii) e (iii).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karina Zendron da Cunha, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui Mestrado em Letras - com ênfase em Estudos Linguísticos - pela Universidade Federal do Paraná (2012) e graduação em Letras - Língua Portuguesa e Literaturas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010).

Downloads

Publicado

28-08-2015

Como Citar

ZENDRON DA CUNHA, K. O comportamento entoacional das exclamativas-wh e das interrogativas-wh no português brasileiro. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 9, n. 5, p. 163–192, 2015. DOI: 10.14393/DLE-v9n5a2015-9. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/29177. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos