Clíticos de 2ª pessoa na escrita popular: a posição do português brasileiro

Autores

  • Thiago Laurentino de Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL19-v9n3a2015-4

Palavras-chave:

Linguística Histórica, Sociolinguística Histórica, Clíticos pronominais, Tradições Discursivas

Resumo

Este artigo analisa a posição dos clíticos de 2ª pessoa do singular na escrita popular do início do século XX. Busca-se identificar quais são os fatores linguísticos que influenciam a realização da próclise/ênclise. Por hipótese, acredita-se que fatores discursivos atuam na realização da ênclise, pois esta não é a posição "natural" para o clítico no Português Brasileiro. Como aporte teórico-metodológico, adotam-se os pressupostos da Sociolinguística Histórica e das Tradições Discursivas. Como corpus de análise, utiliza-se um conjunto de cartas amorosas escritas por um casal de noivos na década de 1930.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Laurentino de Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Bacharel e Licenciado em Letras (Português-Literaturas) pela UFRJ.

Mestre em Letras Vernáculas pela UFRJ.

Doutorando em Letras Vernáculas do Programa de Pós-graduação em Letras Vernáculas da UFRJ.

Professor substituto do Departamento de Letras Vernáculas da UFRJ.

Downloads

Publicado

31.07.2015

Como Citar

OLIVEIRA, T. L. de. Clíticos de 2ª pessoa na escrita popular: a posição do português brasileiro. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 9, n. 3, p. 61–90, 2015. DOI: 10.14393/DL19-v9n3a2015-4. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/28801. Acesso em: 4 dez. 2022.