Verbos ter e haver na Gazeta de Lisboa (1715-1716, 1815)

Autores

  • Susana Fontes Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL15-v8n1a2014-32

Resumo

Neste artigo usa-se o primeiro periódico oficial da nossa história, a Gazeta de Lisboa, nos anos de 1715-1716 e 1815, representativos de dois séculos diferentes, para levar a cabo uma análise linguística que envolve os verbos ter e haver. De entre as várias estruturas estudadas, destaca-se o uso destes verbos com o particípio passado, o que implica uma análise do processo de gramaticalização por que passaram estas duas formas linguisticamente rivais, na tentativa de perceber quando e como um item lexical/ concreto se transforma num item mais gramatical e abstrato, referindo-nos, neste caso, à passagem destes verbos plenos a verbos auxiliares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susana Fontes, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Professora Auxiliar do Departamento de Letras, Artes e Comunicação da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Downloads

Publicado

30.06.2014

Como Citar

FONTES, S. Verbos ter e haver na Gazeta de Lisboa (1715-1716, 1815). Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 8, n. 1, p. 555–574, 2014. DOI: 10.14393/DL15-v8n1a2014-32. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/24912. Acesso em: 7 dez. 2022.