O uso de MAKE na escrita acadêmica de aprendizes brasileiros de inglês

Autores

  • Valdênia Carvalho Almeida Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.14393/DL15-v8n1a2014-6

Palavras-chave:

Fraseologia, verbo de alta frequência, corpus de aprendiz.

Resumo

Este artigo trata do uso do verbo de alta frequência, "make", na escrita acadêmica de aprendizes brasileiros de inglês. O estudo tem seu foco nos padrões fraseológicos desse verbo, os quais, de acordo com recentes pesquisas, é uma fonte potencial de erros para aprendizes de línguas (LAUFER e WALDMAN 2011, ALTENBERG e GRANGER, 2001). O artigo apresenta os tipos mais frequentes de usos de make feito pelos aprendizes brasileiros, que seriam os causativos e deslexicalizados e, posteriormente, lista os erros envolvendo os padrões lexicais de make, identificados nas produções escritas dos aprendizes. Os dados do estudo são provenientes do corpus de aprendiz Br-ICLE, formado por ensaios argumentativos escritos por estudantes brasileiros universitários, aprendizes de inglês. Esses dados foram analisados, utilizando-se a ferramenta computacional AntConc 3.2.4 (ANTHONY, 2011). Os resultados revelam que os aprendizes brasileiros têm dificuldades em utilizar o verbo make nas combinações de palavras, quando formam colocações. Essas dificuldades parecem ser provenientes de diferentes fatores, entre eles a transferência da L1. Nas considerações finais, as implicações pedagógicas do estudo são discutidas, apontando a importância de se desenvolver a conscientização linguística do aprendiz acerca da fraseologia dos verbos de alta frequência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdênia Carvalho Almeida, Universidade Federal de Minas Gerais

Faculdade de Letras. programa de pós-graduação em estudos linguísticos

Downloads

Publicado

29.06.2014

Como Citar

ALMEIDA, V. C. O uso de MAKE na escrita acadêmica de aprendizes brasileiros de inglês. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 8, n. 1, p. 75–90, 2014. DOI: 10.14393/DL15-v8n1a2014-6. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/23634. Acesso em: 29 nov. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)