As construções existenciais com ter e haver: o que tem na fala e o que há na escrita

Autores

  • Elyne Vitório Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

construções existenciais, língua falada, língua escrita

Resumo

Neste estudo, focalizamos a variação dos verbos ter e haver em construções existenciais em dados de fala culta e escrita acadêmica, com o intuito de observar como essas variantes se comportam nessas modalidades de uso da língua. Para descrição e análise dos dados, utilizamos a Teoria da Variação e Mudança (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006[1968]; LABOV, 2008[1972]), associada a estudos linguísticos sobre as construções existenciais no português brasileiro (AVELAR; CALLOU, 2007; AVERLAR, 2006a, b). Os resultados mostram que, na língua falada, ter é o verbo existencial canônico, mas, na língua escrita, haver é o existencial selecionado. Também verificamos que a preferência pelo uso de ter tende a favorecer o uso de construções existenciais com ter pessoal tanto na língua falada quanto na língua escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

20-12-2013

Como Citar

VITÓRIO, E. As construções existenciais com ter e haver: o que tem na fala e o que há na escrita. Domínios de Lingu@gem, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 71–89, 2013. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/dominiosdelinguagem/article/view/23165. Acesso em: 28 maio. 2022.